30 de Dezembro de 2008

Saiu o listo da 2 fase da COVEST 2009

Confira o listo

Clique aqui e baixe o listo da COVEST 2009.


 
 30 de Dezembro de 2008

Novamente o Motivo entre os 10 primeiros

Motivo entre os 10 primeiros - COVEST 2009

Camila Maria de Alencar Saraiva
Curso: Medicina
Nota: 9,0407


 
 8 de Dezembro de 2008

Prova de Fsica - 2 Fase Covest 2009

Resoluo da prova de Fsica

































 
 8 de Dezembro de 2008

Prova de Ingls - 2 Fase Covest 2009

Resoluo da Prova de Ingls

Comentrio Geral

A prova de Lngua Inglesa de 2a fase COVEST sempre clara, objetiva e tem por objetivo primordial checar o nvel de conhecimento do Fera em relao a compreenso e vocabulrios inseridos nos textos. Este ano, a Banca elaboradora colocou 14 questes de compreenso e apenas duas de vocabulrio. Uma dessas questes de vocabulrio no foi muito bem elaborada e poderia confundir o Fera, a questo 09. No mais, uma prova bem elaborada, de quatro textos que poderiam parecer longos demais para os vestibulandos, mas que abordaram questes extremamente focadas e, muitas vezes, utilizando as mesmas palavras do texto.

TEXT I
INTRODUCTION
I have an engeneering problem.
While for the most part Im in terrific physical shape, I have ten tumors in my liver and I have only a few months left to live.
I am a father of three young children, and married to the woman of my dreams. While I could easily feel sorry for myself, that wouldnt do them, or me, any good.
So, how to spend my very limited time?
The obvious part is being with, and taking care of, my family. While I still can, I embrace every moment with them, and do the logistical things necessary to ease their path into a life without me.
The less obvious part is how to teach my children what I would have taught them over the next twenty years. They are too young now to have those conversations. All parents want to teach their children right from wrong, what we think is important, and how to deal with the challenges life will bring. We also want them to know some stories from our own lives, often as a way to teach them how to lead theirs. My desire to do that led me to give a last lecture at Carnegie Mellon University.
These lectures are routinely videotaped. I knew what I was doing that day. Under the ruse of giving an academic lecture, I was trying to put myself in a bottle that would one day wash up on the beach for my children. If I were a painter, I would have painted for them. If I were a musician, I would have composed music. But I am a lecturer. So I lectured.
I lectured about the joy of life, about how much I appreciated life, even with so little of my own left. I talked about
honesty, integrity, gratitude, and other things I hold dear. And I tried very hard not to be boring.
This book is a way for me to continue what I began on stage. Because time is precious, and I want to spend all that I can with my kids, I asked Jeffrey Zaslow for help.
Each day, I ride my bike around my neighborhood, getting exercise crucial for my health. On fifty-three long bike rides, I spoke to Jeff on my cell-phone headset. He then spent countless hours helping to turn my stories I suppose we could call them fifty-three lectures into the book that follows.
We knew right from the start: None of this is a replacement for a living parent. But engineering isnt about perfect solutions; its about doing the best you can with limited resources. Both the lecture and this book are my attempts to do exactly that.
Pausch, Randy. The last lecture. Hyperion, New York. 2008.
206p.

Answer the following five questions according to TEXT I.

01. The author of the text says, for the most part Im in terrific physical shape. That means that, for the most
part
0-0) he is physically very well.
1-1) he is physically terrible.
2-2) he has terrible problems in his body shape.
3-3) his body shape is very good.
4-4) his body shape horrifies him.
Resposta: VFFVF

Resoluo:

O autor fala: ... Im in terrific physical shape. Pois bem, o vocbulo terrific pode parecer terrvel, porm exatamente o contrrio, caracterizando-se, assim, um falso cognato. Portanto, as proposies que afirmam que a forma fsica dele boa so verdadeiras e as que dizem que a forma ruim, falsas.


02. Randy Pausch
0-0) rides his bicycle every day in order to exercise.
1-1) knows he is going to die eventually.
2-2) has very little time left to enjoy life.
3-3) married a beautiful woman in a dream he had.
4-4) is an engineer who has a problem.
Resposta: VVVFF

Resoluo:

Esta questo pergunta fatos relacionados vida do autor. A proposio (0 0) afirma que ele anda de bicicleta diariamente para se exercitar e o aluno identifica que isso verdade no penltimo pargrafo: Each day, I ride my bike for my health.
J no segundo pargrafo, h a afirmao da proposio (1 1): I have only a few months to live, e nesse mesmo trecho se encontra a veracidade da (2 2). J as (3 3) e (4 4) so ambas falsas, pois ele se casou com a mulher de seus sonhos, e no em um sonho que teve: ... married to the woman of my dreams. Alm disso, o texto deixa claro que ele tem um problema de engenharia, e no que ele engenheiro.


03. The author reckons his children
0-0) are not ready to understand what he wants to teach them yet.
1-1) have the maturity to cope with the problem their father is facing.
2-2) will not have a chance to learn from their father due to his death.
3-3) would rather watch TV instead of listening to his stories.
4-4) should have his company at all moments before his dies.
Resposta: VFFFV

Resoluo:

Esta questo pondera o que o autor acha sobre a situao dos seus filhos em relao morte iminente dele. O autor diz: They are too young now to have those conversations, o que torna a proposio (0 0) verdadeira e a (1 1) falsa. Do meio ao final do texto, ele nos diz que ir deixar um legado a todos e, principalmente, a seus filhos, portanto a (2 2) falsa. J a (3 3) pura extrapolao, portanto falsa. Quando ele diz: Because time is precious, and I want to spend all that I can with my kids, faz a (4 4) verdadeira.


04. Randy decided to give a lecture in order to be able to
0-0) make money to take his children to the beach.
1-1) make money to buy bottles of soda at the beach.
2-2) help his kids with important lessons in the future.
3-3) teach them about values he considers priceless.
4-4) to make money to take a course in painting.
Resposta: FFVVF

Resoluo:

Sobre a deciso do autor em dar palestras, em nenhum momento ele argumenta sobre essas como fonte de renda, portanto esto falsas as proposies (0 0), (1 1) e (4 4), mas o que ele deixa claro a inteno de compartilhar valores, o que implica dizer que (2 2) e (3 3) so verdadeiras.


05. Randy Pauschs message is one of
0-0) pessimism
1-1) optimism
2-2) fear
3-3) faith
4-4) hope
Resposta: FVFVV

Resoluo:

Questo de pura interpretao da idia geral do texto, que mostra que as mensagens do autor so de otimismo, f e esperana.
Ento essas seriam verdadeiras e as que tratavam de medo e pessimismo, falsas.


TEXT II
Languages matter!
The year 2008 has been proclaimed International Year of Languages by the United Nations General Assembly.
UNESCO, which has been entrusted with the task of coordinating activities for the Year, is determined to fulfill its role as lead agency.
The Organization is fully aware of the crucial importance of languages when seen against the many challenges that humanity will have to face over the next few decades.
Languages are indeed essential to the identity of groups and individuals and to their peaceful coexistence. They constitute a strategic factor of progress towards sustainable development and a harmonious relationship between the global and the local context.
They are of utmost importance in achieving the six goals of education for all (EFA) and the Millennium Development Goals (MDGs) on which the United Nations agreed in 2000. As factors of social integration, languages effectively play a strategic role in the eradication of extreme poverty and hunger; as supports for literacy, learning and life skills, they are essential to achieving universal primary education; the combat against HIV/AIDS, malaria and other diseases must be waged in the languages of the populations concerned if they are to be reached; and the safeguarding of local and indigenous knowledge and know-how with a view to ensuring environmental sustainability is intrinsically linked to local and indigenous languages.
Moreover, cultural diversity is closely linked to linguistic diversity, as indicated in the UNESCO Universal Declaration on Cultural Diversity and its action plan (2001), the Convention for the Safeguarding of the Intangible Cultural Heritage and the Convention on the Protection and Promotion of the Diversity of Cultural Expressions (2005).
However, within the space of a few generations, more than 50% of the 7,000 languages spoken in the world may disappear. Less than a quarter of those languages are currently used in schools and in cyberspace, and most are used only sporadically.
Thousands of languages though mastered by those populations for whom it is the daily means of expression are absent from education systems, the media, publishing and the public domain in general.
We must act now as a matter of urgency. How? By encouraging and developing language policies that enable each linguistic community to use its first language, or mother tongue, as widely and as often as possible, including in education, while also mastering a national or regional language and an international language. Also by encouraging speakers of a dominant language to master another national or regional language and one or two international languages. Only if multilingualism is fully accepted can all languages find their place in our globalized world.
Our common goal is to ensure that the importance of linguistic diversity and multilingualism in educational, administrative and legal systems, cultural expressions and the media, cyberspace and trade, is recognized at the national, regional and international levels. The International Year of Languages 2008 will provide a unique opportunity to make decisive progress towards achieving these goals.

Kochiro Matsuura Disponvel em:
DO_TOPIC&URL_SECTION=201.html> Acessado em 2 de setembro de 2008

06. The United Nations acknowledges that languages
0-0) are essential to the identity of individuals and groups and also to their peaceful coexistence.
1-1) are a strategic factor for the promotion of sustainable development in different countries.
2-2) are supports for education and the fight against HIV/AIDS and malaria.
3-3) have a strategic role in consolidating extreme poverty and hunger all over the world.
4-4) are an important instrument for the promotion of peace and peoples self identity.
Resposta: VVVFV

Resoluo:

Questo sobre o que a autora diz ou deixa subentendido no poema: que ela no bonita (Im not cute), que ela fenomenal (Im a woman phenomenally), que ela educada (I dont shout or jump about), que ela no submissa (now you understand just why my heads not bowed) e, finalmente, que ela no veste nmero de manequim ( Im not ... built to suit a fashion models size).


07. The text asserts that
0-0) approximately 25% of all existing languages are spoken in schools with cyberspace.
1-1) cultural diversity and linguistic diversity have far from close a relationship.
2-2) more than half the languages there exist will possibly disappear in the future.
3-3) most languages spoken in schools and in cyberspace are used frequently.
4-4) there are 7.000 languages spoken in the world today.
Resposta: FFVFV

Resoluo:

0-0) O texto fala menos de 25% das lnguas, at este ponto podemos concordar com a proposio, mas quando ela termina falando em escolas com espaos virtuais, isso extrapola o texto, pois o mesmo faz meno a escola e espaos virtuais (... schools and in cyberspaces...)
1-1) Diversidade cultural e lingstica tm muito em comum, e no o contrrio. Isso visto no 4 pargrafo, logo nas duas primeiras linhas.
2-2) As trs primeiras linhas do 5 pargrafo dizem exatamente isso: ... more than 50% of the 7,000 languages ... disappear.
3-3) O texto afirma justamente o contrrio: ... most are used only sporadically.
4-4) Esta idia encontrada nas trs primeiras linhas do 5 pargrafo.


08. The United Nations call for action in favor of multilingualism and linguistic diversity. This can be achieved by
0-0) enabling the police to speak more than one language in order to help different communities.
1-1) creating the proper environment for mother languages to be spoken often and pervasively.
2-2) encouraging people to learn a dominant language in place of a regional or a national one.
3-3) hiring regional and national masters of languages to teach their first language abroad.
4-4) promoting policies which consolidate the far reaching use of 1st languages by their communities.
Resposta: FVFFV

Resoluo:

0-0) O texto em nenhum momento fala em POLCIA , e sim em POLICIES = polticas.
1-1) Esta a idia central de todo o texto.
2-2) No se fala, no texto, que se deve aprender uma lngua importante em vez de uma lngua local ou nacional.
3-3) No se menciona no texto a contratao de professores para ensinarem lnguas maternas no exterior.
4-4) Encontramos no penltimo pargrafo esta idia: We must act ... its first language....


09. The word unique in the last sentence of the text means
0-0) great
1-1) different
2-2) super
3-3) unparalleled
4-4) singular
Resposta: FFFVV

Resoluo:

Para a equipe MOTIVO esta questo est mal elaborada, pois se consideramos a palavra UNIQUE de forma isolada, veremos os significados (3-3) e (4-4), como est no gabarito oficial. Mas, se olharmos com mais ateno para o enunciado, vemos que a Banca requisitou do candidato a palavra no contexto, e no isolada. A sentena: The International Year... The goal., a ltima do texto, diz que: o ano internacional das lnguas, 2008, ter uma grande / super / inigualvel / mpar oportunidade de fazer progressos decisivos em direo a atingir esses objetivos.
Por conta disso, discordamos da Banca e pedimos que ela mude o gabarito para: VFVVV.


TEXT III
COPYRIGHT THEFT.
It's a myth that buying fake DVDs or downloading illegal content is a victimless crime. The most obvious concern may be the poor sound and picture quality or that the film stops before the end leaving you hanging. But scratch the surface and you'll find the damage caused by fake DVDs affects a wide range of people.
Copyright theft is a big issue - for the consumer, for the film and TV industries and for communities. For legitimate business, the distributors and high street retailers who sell or rent DVDs, counterfeiting has a significant impact on profits. At present, 15% of the value of legitimate sales is lost to the problem. It doesn't just affect big businesses;
these losses have a serious negative impact on the 200,500 people employed in the industry in the UK, contributing to rental and retail store closures, loss of jobs and threatening future investment.




Answer the following four questions according to TEXT III.
10. Piracy as concerns fake DVDs and illegal content downloading is a crime
0-0) with many victims.
1-1) that affects both employers and employees.
2-2) that only affects poor sound and picture quality.
3-3) with less victims than other forms of piracy.
4-4) with no victims.
Resposta: VVFFF

Resoluo:

Essa questo, do texto III, pondera sobre o teor criminoso de se fazer DVDs pirateados e a troca de materiais pela Internet.
O texto afirma e enfatiza que a situao no deve ser levada na brincadeira, pois as vtimas so muitas, e o tema afeta tanto empregadores quanto empregados. Portanto, as proposies (0 0) e (1 1) so verdadeiras e as demais, falsas.


11. Copyright theft affects
0-0) very few people altogether.
1-1) the jobs of people who work legally.
2-2) the profits of counterfeiters.
3-3) retailers, distributors and legal sellers.
4-4) criminals education and health.
Resposta: FVFVF

Resoluo:

J abordado na questo anterior, o tema questiona o que o roubo de direitos autorais acarreta. A questo tem vocbulos especficos, portanto um pouco mais complexa. A proposio (0 0), que diz que afeta pouca gente, j foi desmentida na questo anterior. Quando o autor diz ... for legitimate business, fica claro que afeta o trabalho de quem atua legalmente, (1 1) verdadeira. A proposio (2 2) apresenta o vocbulo conterfeiters e profit, respectivamente, falsificadores e lucro, portanto proposio falsa, pois ao contrrio, eles se beneficiam. A (3 3) afirma que afeta os retailers, varejistas, distribuidores e vendedores legais, portanto verdadeira. Alm disso, o texto deixa claro que, em geral, a sade e a educao dos cidados so afetadas, e no as dos criminosos.


12. DVD piracy profits are estimated at
0-0) 1.4 million
1-1) 1.5 million
2-2) 169 million
3-3) 460 million
4-4) 100 million
Resposta: FFVFF

Resoluo:

Questo no-usual de uma prova de 2 fase, pois a leitura direta de um dado, no caso, o lucro dos DVDs piratas. Portanto, s h uma proposio verdadeira: a (2 2).


13. According to the text it is right to state that
0-0) pirate DVDs normally have excellent sound and image.
1-1) more than one million fake DVDs have been seized.
2-2) there have been counterfeiters punished by law.
3-3) film and TV industry have benefited from counterfeit.
4-4) both big and small businesses are affected by copyright theft.
Resposta: FVVFV

Resoluo:

No primeiro pargrafo dito: ... The poor sound and picture quality... . Portanto, a proposio (0 0) falsa, pois afirma exatamente o contrrio. H um dado que mostra o seguinte: fake DVDs seized by fact: 1.5 milion, ento, a (1 1) verdadeira. No ltimo dado do texto, mostra-se que houve punio a alguns falsificadores, portanto (2 2) verdadeira. J a (3 3) falsa, pois nem a indstria de filmes, nem a TV tm se beneficiado com a pirataria. E, j abordado, nas questes anteriores: negcios grandes e pequenos so afetados pela pirataria, (4 4) verdadeira.


TEXT IV
Phenomenal Woman
Pretty women wonder where my secret lies.
I'm not cute or built to suit a fashion model's size
But when I start to tell them,
They think I'm telling lies.
I say,
It's in the reach of my arms
The span of my hips,
The stride of my step,
The curl of my lips.
I'm a woman
Phenomenally.
Phenomenal woman,
That's me.
I walk into a room
Just as cool as you please,
And to a man,
The fellows stand or
Fall down on their knees.
Then they swarm around me,
A hive of honey bees.
I say,
It's the fire in my eyes,
And the flash of my teeth,
The swing in my waist,
And the joy in my feet.
I'm a woman
Phenomenally.
Phenomenal woman,
That's me.
Men themselves have wondered
What they see in me.
They try so much
But they can't touch
My inner mystery.
When I try to show them
They say they still can't see.
I say,
It's in the arch of my back,
The sun of my smile,
The ride of my breasts,
The grace of my style.
I'm a woman
Phenomenally.
Phenomenal woman,
That's me
Now you understand
Just why my head's not bowed.
I don't shout or jump about
Or have to talk real loud.
When you see me passing
It ought to make you proud.
I say,
It's in the click of my heels,
The bend of my hair,
the palm of my hand,
The need of my care,
'Cause I'm a woman
Phenomenally.
Phenomenal woman,
That's me.
Maya Angelou

Answer the following three questions according to TEXT IV.

14. Maya Angelou is giving a description of
0-0) pretty women
1-1) bees
2-2) men
3-3) herself
4-4) her own
Resposta: FFFVV

Resoluo:

Interpretao de um poema, tambm algo no-usual da prova de segunda fase. A questo pergunta a idia geral, quando questiona o que a autora est descrevendo, que, no caso, ela mesma, portanto as proposies verdadeiras so apenas as (3 3) e (4 4).


15. For the poet
0-0) her secret in not in her appearance.
1-1) pretty women know why she is a phenomenal woman.
2-2) pretty women take her for a liar when she reveals her secrets.
3-3) not even men know about her inner secrets of success.
4-4) women and men are all the same.
Resposta: VFVVF

Resoluo:

Para o poeta: seu segredo no vem de sua aparncia Im not cute..., (0 0) falsa. As mulheres bonitas tambm no entendem: Pretty women wonder where my secret lies: (1 1) falsa. Mulheres bonitas acham que ela mente: They think Im telling lies: (2 2), portanto, verdadeira. Os homens no sabem os segredos tambm : Men themselves have wondered: (3 3) verdadeira. E, em nenhum momento, a autora deixa a entender que ela considera homens e mulheres iguais,
portanto (4 4) falsa.


16.
16. Angelou says'
0-0) shes lean and pretty.
1-1) shes a phenomenal woman.
2-2) shes a polite woman.
3-3) shes not submissive.
4-4) she wears fashion models size.
Resposta: FVVVF

Resoluo:

Questo sobre o que a autora diz ou deixa subentendido no poema: que ela no bonita (Im not cute), que ela fenomenal (Im a woman phenomenally), que ela educada (I dont shout or jump about), que ela no submissa (now you understand just why my heads not bowed) e, finalmente, que ela no veste nmero de manequim ( Im not ... built to suit afashion models size).


 
 8 de Dezembro de 2008

Prova de Geometria Grfica - 2 Fase Covest 2009

Resoluo da prova de Geometria Grfica

































 
 8 de Dezembro de 2008

Prova de Espanhol 2 Fase - Covest 2009

Resoluo da prova de Espanhol

Lingua Estrangeira: ESPANHOL
Professores: Rogrio Machado e Rbia Andrade.

De igual modo em relao ao formato do ano passado, o exame de lngua espanhola da 2 fase da Covest apresentou aos candidatos dois textos. O primeiro, de ttulo Cronistas de ndias uma exposio descritiva e argumentativa sobre o valor dos relatos dos cronistas espanhis na colonizao da Amrica, apresentando a importncia de unir a criao lingstica a elementos variados, como: a antropologia, a histria, a literatura, etc. O segundo, com o ttulo Crnica de Muerte Anunciada expresso retirada de um livro do colombiano Gabriel Garca Mrquez , relatava uma anlise tcnica que denuncia determinadas prticas, por parte de entidades financeiras e de clientes, que resultaram na quebra da bolsa de valores americana. So temas que exigiram uma maior concentrao e habilidade interpretativa por parte dos Feras. A prova trouxe um nmero reduzido de questes gramaticais, dando nfase, em sua maior parte, ao carter interpretativo, seja por meio de questes relacionadas ao texto ou ao lxico. Desse modo, o Fera foi avaliado por seu esforo e trabalho contnuos no que se refere leitura e ao conhecimento de mundo. Mais uma vez, a banca de espanhol premia, por meio de uma prova muito bem elaborada, o bom aluno de espanhol.

A questo abaixo ilustra a mescla de estrutura sinttica e capacidade de interpretao, exigindo do aluno, alm do conhecimento gramatical (das conjunes sino, do advrbio apenas, entre outras), uma compreenso coerente para a utilizao dos elementos mencionados.

QUESTO 13
Considere el siguiente fragmento extrado del primer prrafo del texto: Aroma que desprenden compaas que no son ya sino cadveres. Con referencia al segmento que aparece destacado, y manteniendo siempre el mismo sentido que el original, puede ser sustituido por:

0-0) que ya no son sino cadveres.
1-1) que ya son tan slo cadveres.
2-2) pero que ya no son cadveres.
3-3) que no son ya otra cosa que cadveres.
4-4) que apenas no son ya cadveres.

Gabarito: VVFVF


Justificativa:

A estrutura sinttica que contm uma dupla negao no ... sino significa giro culto para expressar a afirmao de algo. Portanto, quando no texto se diz que no sonya sino cadvares, referido s compaas, significa que as firmas, as empresas j foram, faliram, so, metaforicamente falando, cadveres, isto , afirma-se que as empresas SO (no momento atual, j) cadveres.
Portanto, a opo 2-2 falsa, porque expressa justamente o contrrio, entanto que na opo 4-4, tambm incorreta, usa-se a forma espanhola apenas que, a diferena do portugus, no significa somente, seno que possui um valor de aproximao, prximo de quase em portugus. As restantes opes esto corretas, pois oferecem opes estilsticas diversas para expressar o sentido original da expresso que aparece no texto.


ESPANHOL
CRONISTAS DE INDIAS
Las Crnicas de Indias son un mundo miscelneo en el que se funden, y confunden, muchas cosas. Si lo que se pretende es hacer historia, lgicamente, los documentos sern distintos de los que utiliza el lingista o el botnico. Pero nadie podr desentenderse del quehacer ajeno. Cartas y autobiografas, historias naturales o morales, apologas y relaciones, poemas picos y descripciones, catecismos y diccionarios, todo puede servir y todo puede ser til. Habitualmente, incluso para los monumentos ms cuidados, parece contar slo el quehacer del historiador o, cuando ms, del historiador literario. Pero un historiador literario que aplicara al Nuevo Mundo unos valores que fueran idnticos a los de la remota Espaa. Tal vez as nos quedemos siempre en algo externo. Nosotros, en este momento, en las pginas que siguen, pretendemos otra cosa: hacer filologa. Unir lengua, literatura y, a veces, historia y antropologa. Todo anda junto porque nada naci con testigos y mojones ahitados. Y resulta imprescindible para entender todo esto el testimonio de la lingstica. Porque, una vez ms, la lengua es proyeccin fiel de la cultura, y aquellos cronistas que narraban una nueva realidad tenan que aprehenderla con la palabra, con lo que viene a resultar que la heterogeneidad de los testimonios tiene por denominador comn un triple proceso de creacin lingstica: en la adaptacin del espaol; en la adopcin de americanismos o hispanismos, segn sea el punto de mira; en las nuevas creaciones. Crnicas en las que toda informacin va a estar condicionando, y condicionada, por ese espejo que es la lengua. Y, queriendo o no, habremos hecho tambin historia de la lengua en das en los que el hombre, inerme ante la inmensidad de la naturaleza, acrecentaba la capacidad expresiva de su instrumento lingstico. Con lo que ser falso aquel testimonio del padre Gumilla, por ms que lo expresara bellamente, segn el cual los espaoles caminaban desnudos hasta de la lengua castellana, que, por el largo tiempo entre los gentiles, se les haba ido de la memoria.
(Manuel Alvar. La lengua como libertad, p.249).

01. Una vez ledo el texto en su totalidad, podemos afirmar que el contenido que en l se expresa es
0-0) el testimonio del padre Gumilla sobre la actuacin de los espaoles en la colonizacin de Amrica.
1-1) la opinin favorable de su autor, Manuel Alvar, acerca de una consideracin exclusivamente histrica de las Crnicas de Indias.
2-2) una exposicin descriptivo-argumentativa acerca del valor que encierran los testimonios de los Cronistas de Indias.
3-3) una visin favorable a considerar como testimonio histrico fundamental los catecismos y diccionarios confeccionados en aquella poca.
4-4) una detenida argumentacin que explica que, para la lingstica, slo deben considerarse los testimonios literarios, y no los otros tipos de documentos.

Resposta: FFVFF
Justificativa:
0-0) Falso. A aluso aos testemunhos do padre Gumilla apenas constitui uma referncia do autor no final do texto, no se tratando, portanto, do assunto fundamental desenvolvido ao longo do texto.
1-1) Falso. Mesmo se, no incio, Alvar aponta que especialistas de distintas disciplinas precisaro de documentos especficos para seus objetivos, imediatamente afirma que ningum pode se desentender do trabalho alheio: tudo pode ser til.
2-2) Verdadeiro. No texto, o professor Alvar descreve os diferentes gneros que foram cultivados pelos primeiros colonizadores e argumenta em favor da valorizao de ditos testemunhos para a pesquisa em diversos mbitos do saber: histria, lingstica, antropologia, botnica etc.
3-3) Falso. O que realmente diz o autor que todos os gneros conservados so vlidos para um estudo global, que ele, depois vem identificar com a filologia. Nada se fala no texto de uma valorizao exclusivamente histrica dos testemunhos, independentemente da sua ndole.
4-4) Falso. Como j foi dito, mesmo se cada mbito do saber, no caso, a lingstica tem seus prprios objetivos, advoga-se por uma anlise de todas as tipologias textuais, tambm no campo lingstico.


02. Considere, a continuacin, el siguiente fragmento:
Todo anda junto porque nada naci con testigos y mojones ahitados. Con respecto a esta expresin, as como a los elementos que en ella aparecen, es correcto afirmar que:
0-0) el sentido que encierra la expresin es que no siempre las personas nacen en presencia de otros testigos.
1-1) la palabra testigo, en ese contexto, significa: persona que da testimonio de algo o lo atestigua.
2-2) el sentido de la primera parte de dicha expresin indica que todos deberamos ayudarnos mutuamente.
3-3) en esta expresin, las palabras testigo y mojn son sinnimas.
4-4) ahitado significa: harto, que ha comido hasta sentirse mal.

Resposta: FFFVF
Justificativa:
O sentido que tem a expresso que as coisas esto relacionadas umas com as outras, que nada existe que esteja completamente delimitado ou isolado. Nesse sentido, a palavra testigo no usada na sua acepo mais comum de pessoa que apresenta um testemunho sobre algo que presenciou, seno que aqui se refere a um tipo de sinal situado num determinado lugar para demarclo.
J a forma ahitado, no se refere ao adjetivo ahto (harto por ter ingerido muita quantidade de comida), seno que se trata de uma palavra derivada do substantivo hito (poste de pedra que demarca as limites de um terreno). Nesse sentido, portanto:
0-0) Falso. Porque o sentido da expresso no est relacionado com a presena ou no de testemunhas no nascimento de algum.
1-1) Falso. Porque, pelo que j foi dito, aqui testigo no significa testemunha.
2-2) Falso. Porque o sentido da primeira parte da expresso que todas as coisas esto relacionadas entre si.
3-3) Verdadeiro. Porque, pelo j dito, testigo um sinal que demarca um determinado local e mojn uma sorte de baliza, que marca o limite de algo.
4-4) Falso. Ahitado palavra derivada de hito, e significa ento isolado, delimitado.

03. Segn las palabras del autor del texto, Manuel Alvar, la lengua, considerada tanto en un sentido general (idioma), como particular (castellano):
0-0) no forma parte de la filologa; se trata de una disciplina que no mantiene relaciones con ninguna otra.
1-1) constituye una proyeccin fiel de la cultura a la que se encuentra ligada.
2-2) sirvi como instrumento eficaz para que los cronistas expresasen la nueva realidad.
3-3) lleg a olvidrseles a los primeros colonizadores, debido al largo tiempo que pasaron en aquellas tierras.
4-4) adopt americanismos en la poca colonial.

Resposta: FVVFV
Justificativa:
0-0) Falso. Ao contrrio, o autor afirma que sua inteno consiste em fazer filologia: ligar lngua, literatura e, s vezes, histria e antropologia.
1-1) Verdadeiro. Com efeito, o autor afirma numa passagem do texto: a lngua projeo fiel da cultura.
2-2) Verdadeiro. o que afirma o autor quando diz que aqueles cronistas que narravam a nova realidade tinham que apreend-la com a palavra.
3-3) Falso. O autor diz ser falsa a afirmao do padre Gunilla, que afirmava que, naquela poca, os espanhis caminhavam nus at da prpria lngua castelhana.
4-4) Verdadeiro. Com efeito, num trecho do texto, o professor Alvar fala da adoo de americanismos na adaptao do espanhol nova realidade.


04. El proceso de creacin lingstica del que se habla en el texto:
0-0) est referido a la adaptacin de la lengua espaola a la nueva realidad de la que tiene que dar cuenta.
1-1) est relacionado slo con la influencia que el espaol tuvo sobre las lenguas vernculas.
2-2) est relacionado con la adopcin de americanismos que se referan a realidades especficas autctonas.
3-3) nada tiene que ver con la informacin recogida en las Crnicas.
4-4) no es aceptado por todos los estudiosos; depende de la opinin de cada uno de ellos.

Resposta: VFVFF
Justificativa:
0-0) Verdadeiro. o que diz o autor quando fala da adaptao do espanhol.
1-1) Falso. Porque no o nico aspecto relacionado com o processo. Nesse sentido, fala-se, dentre outros, da adoo de americanismos e hispanismos.
2-2) Verdadeiro. o que se diz no texto quando se fala da adoo de americanismos (por parte da lngua espanhola).
3-3) Falso. O autor afirma taxativamente que toda a informao que aparece nas Crnicas condicionada pelo espelho da lngua.
4-4) Falso. Quando no texto se usa a expresso segundo o ponto de vista, o que quer dizer o autor que os termos americanismo ou hispanismo, quando aplicados lngua, dependem da perspectiva de quem fala: se indgena, falar de hispanismos na sua lngua verncula; se colonizador, de americanismos no espanhol. Nada se diz a respeito da possvel negao do prprio processo de criatividade lingstica.

05. En diversos pasajes del texto aparecen, entre otras, las siguientes formas verbales: (se) funden, puede, servir, anda. Indique si son correctas o incorrectas cada una de las siguientes series verbales.
0-0) fundieron podemos sirvan andase
1-1) fondan podimos sirvieron andar
2-2) fundaran pudo servimos - andaramos
3-3) fundasen podrn servimos andara
4-4) fund poda servir andar

Resposta: FFFFF
Justificativa:
0-0) Falso. A forma verbal errada andase. Em espanhol, frente ao portugus, o verbo andar irregular. Nesse tempo, a forma correta anduviese.
1-1) Falso. Nessa srie, h duas formas verbais incorretas: fondan (correta, fundan) e podimos (correta,pudimos).
2-2) Falso. A forma incorreta fundaran, porque estamos conjugando o verbo fundir ou fundirse (pronominal), no o verbo fundar. Ento, para o verbo fundir a forma correta seria fundieran.
3-3) Falso. Aqui temos duas formas incorretas. Primeiro, fundasen que, pelo j dito, deveria ser fundiesen; depois, andara, como verbo irregular, exige em espanhol a forma anduviera.
4-4) Falso. A forma incorreta, mais uma vez, a que se corresponde com o verbo fundir. Onde diz fund deveria dizer fundi.


06. En las primeras lneas del texto aparece el siguiente fragmento: Pero nadie podr desentenderse del quehacer ajeno. El sentido que la palabra subrayada adquiere en ese contexto es:
0-0) actividades.
1-1) labores.
2-2) trabajos.
3-3) obras.
4-4) obligaciones.

Resposta: VVVVF
Justificativa:
Em termos gerais, quehacer (portugus, afazer) significa trabalho ou atividade realizada por uma pessoa. Tomando em conta essa definio, podese dizer:
0-0) Verdadeiro.
1-1) Verdadeiro. Labor, aqui, no sentido de qualquer tipo de trabalho em geral
2-2) Verdadeiro.
3-3) Verdadeiro. Porque, no contexto em que aparece inserida, a palavra quehacer est referida a diversas tipologias de textos (autobiografias, catecismos, crnicas, cartas, etc.) que podem responder de forma geral ao conceito da palavra obra.
4-4) Falso. No sentido no qual usado no texto, carece do valor de obrigao.


07. Al comienzo del texto aparece el siguiente
fragmento: Habitualmente, incluso para los monumentos ms cuidados, parece contar slo el quehacer del historiador o, cuando ms, del historiador literario. Manteniendo el mismo sentido de la frase, podemos sustituir el segmento subrayado por:
0-0) en el mejor de los casos.
1-1) como mximo.
2-2) al mnimo.
3-3) cuanto ms.
4-4) como mucho.

Resposta: VVFFV
Justificativa:
A expresso cuando ms tem um valor restritivo em espanhol e expressa o limite virtual dessa restrio. Portanto, nesse sentido:
0-0) Verdadeiro.
1-1) Verdadeiro.
2-2) Falso. Nem sequer a expresso est correta em espanhol. Alis, no expressa o sentido que j foi explicado.
3-3) Falso. A expresso cuanto ms usada em espanhol para contrapor, ao que j foi dito, o que vai se dizer a seguir.
4-4) Verdadeiro.


08. En las ltimas lneas del texto puede leerse: los espaoles caminaban desnudos hasta de la lengua castellana, que, por el largo tiempo entre los gentiles, se les haba ido de la memoria. Con relacin a las tres formas que aparecen subrayadas, podemos afirmar que:
0-0) la forma que se refiere a los espaoles.
1-1) la forma se se refiere a la lengua castellana.
2-2) la forma les se refiere a los espaoles.
3-3) la forma que podra sustituirse por la cual.
4-4) sera tambin correcta la construccin se haba ido de la memoria de ellos.

Resposta: FFVVF
Justificativa:
0-0) Falso. Aqui, a forma que se refere a lengua castellana
1-1) Falso. Se o pronome diretamente ligado ao verbo irse (pronominal), no caso: se haba ido (mais-que-perfeito do verbo irse.
2-2) Verdadeiro. a forma correspondente ao pronome pessoal de terceira pessoa plural para objeto indireto, pois irse um verbo intransitivo.
3-3) Verdadeiro. O contexto no qual aparece que, admite, em espanhol, a forma la cual, pois est fazendo referncia, como j foi dito, a lengua castellana.
4-4) Falso. O espanhol exige o pronome diante da forma verbal conjugada e, ainda, sempre exige a substituio.
Portanto, no est correta a expresso que aparece na opo 4-4.


CRNICA DE UNA MUERTE ANUNCIADA

La bolsa espaola empieza a despedir un olor a muerto que mata. Aroma que desprenden compaas que no son ya sino cadveres andantes que avanzan fatigosos hacia una suerte final que cada vez tiene menos de incierta y ms de deprimente. Se habla mucho de las carteras inmobiliarias que empiezan a acumular los bancos, resultado de adjudicaciones forzosas o ejecuciones encubiertas. Veremos a ver si no renacen las corporaciones industriales que murieron all por mediados de los 90. El crculo vicioso en el que han entrado algunas firmas tiene, en el entorno actual, difcil ruptura, por no decir imposible, salvo refinanciacin milagrosa. Creyndose las ms en el pasado, sern las menos en el futuro. Descansarn en paz, no lo duden, bajo una losa que diga aqu yacen los frutos de una ambicin desmedida que no supo medir sus riesgos. Muchos de sus accionistas las acompaarn en su trayecto. No slo en el sentimiento. Y todos, de un modo u otro, pagaremos las consecuencias. Al tiempo. Se trat de una dinmica recurrente en los aos dorados. Engorde de la sociedad mediante la compra de activos sobrevalorados a travs del uso de una financiacin prcticamente regalada en cuanto a los diferenciales y garantas. Casi gratis. O al menos eso pareca mientras el viento soplaba a favor. Pequeo detalle, olvidar que la base, el tipo de inters, flucta, y el valor de la garanta sorpresa, sorpresa , tambin. En fin. No es un matiz menor. El clculo de la capacidad de pago estaba sujeto a ese doble condicionante: tipos bajos y revalorizacin futura del aval que permitira, por una parte, ir refinanciando la adquisicin o, por otra, proceder a su enajenacin con sustanciosas plusvalas. El nuevo paradigma, que ellas mismas con sus actuaciones ayudaban a construir, les invitaba a creerse que la rueda continuara girando eternamente. Pero no. Se cierra el grifo y el banco que era amigo se convierte, de repente, en un extrao que no atiende a razones. Con la pasta que te he hecho ganar, piensa la sociedad! Con la pasta que puedo perder, concluye el banco! Y se desencadena el desastre, acentuado por la dilatacin temporal de una crisis que tiene pocos visos de remitir en breve. O cumples lo pactado o te ejecuto financieramente hablando. Las entidades financieras se merecen, sin duda, el prrafo final. Ya saben cmo afina el saber popular: cuando debes mil euros al banco, tienes un problema; si lo que debes es un milln, el problema es del banco. Y si son muchos millones los que le deben, ni te cuento. Pues bien, gran parte de lo que se viene encima de la banca se lo ha ganado a pulso. Cuando se comete un delito pueden distinguirse hasta tres figuras, desde el punto de vista penal: la del autor, la del instigador que anima y la del cmplice que ayuda u oculta. Bien. Los bancos han participado de las tres figuras delictivas de un modo u otro y es lgico que sufran tambin su condena. Su actuacin ha sido irresponsable al alentar operaciones inciertas, financiar fondos de comercio absurdos que ahora valen entre cero y nada, obviar las ms elementales medidas de control de riesgo en cuanta, concentracin y capacidad de repago y, sobre todo, olvidar todos el carcter cclico del crdito, el negocio y la economa, se diga lo que se diga. En cualquier caso, el problema, como todos ustedes ya saben de sobra y sufren en sus propias carnes, es que cuando la banca estornuda, la economa real se constipa. Y de qu modo. En esas estamos ahora. (S. McCoy, El Confidencial, 23/10/2008).

09. El tema fundamental que se trata en el texto podra expresarse de la siguiente forma:
0-0) una crtica al conjunto de la sociedad por gastar ms de lo que debe y provocar, de forma directa o indirecta, la crisis econmica.
1-1) una exposicin detallada de los diferentes tipos de activos financieros que se encuentran en una situacin delicada por la crisis econmica mundial.
2-2) un anlisis crtico de los principales motivos y actores que han provocado la crisis financiera mundial.
3-3) una defensa del consumidor ante las entidades bancarias que, a veces, imponen unas condiciones leoninas a sus clientes.
4-4) un anlisis tcnico que denuncia determinadas prcticas de alto riesgo por parte de entidades financieras y clientes.

Resposta: FFVFV
Justificativa:
0-0) Falso. O texto no critica a sociedade pelo fato de gastar acima das suas possibilidades. Mesmo admitindo que os nveis de endividamento so elevados, o texto focaliza as prticas ligadas chamada engenharia financeira como principal causa da atual crise.
1-1) Falso. O teor do texto no apenas uma simples descrio das caractersticas dos diferentes produtos financeiros, mas o fundamental nele , primeiro, a viso analtica, e crtica, depois, os ditos produtos.
2-2) Verdadeiro. O autor tenta analisar de forma crtica os atores e as causas que provocaram a crise financeira atual.
3-3) Falso. No se trata desse assunto ao longo do texto. Ao contrrio, quando so consideradas as nefastas conseqncias que acarretam, para quem os contratou, determinados investimentos no seguros, o autor afirma que o investidor deveria ter pensado antes nessa possibilidade: essas so as regras do jogo.
4-4) Verdadeiro. A opo concorda com o que j foi
dito a propsito do assunto desenvolvido ao
longo do texto.


10. Entre las diversas causas a las que el autor achaca la generacin de la actual crisis del mercado financiero, podemos incluir:
0-0) un tipo de inters fluctuante.
1-1) la existencia de una financiacin con un precio muy elevado.
2-2) activos sobrevalorados.
3-3) garantas frgiles o insuficientes.
4-4) el hecho que, de repente, los bancos dejaron de financiar o refinanciar ciertas operaciones.

Resposta: VFVVV
Justificativa:
As opes 0-0 e 2-2 parafraseiam o texto original (portanto, as duas so verdadeiras). J as opes 3-3 e 4-4, ambas verdadeiras, se referem, respectivamente, ao fato da garantia ser flutuante (como os juros) e expresso espanhola cerrar el grifo, isto , cortar as linhas de emprstimo por parte dos bancos. A opo 1-1 falsa, porque o que se diz no texto justamente o contrrio, ou seja, que o financiamento era concedido quase de graa.


11. Con relacin a las entidades financieras, el autor del texto nos dice que:
0-0) existe un gran nmero de personas que mantiene deudas cuantiosas con los bancos en la actualidad
1-1) la banca es claramente responsable de la situacin financiera a da de hoy
2-2) los bancos nunca alentaron operaciones inciertas
3-3) la banca siempre tuvo presente el carcter cclico de la economa
4-4) los bancos no tomaron medidas efectivas de control de riesgo

Resposta: VVFFV

Justificativa:
As opes 0-0, 1-1 e 4-4, verdadeiras, parafraseiam o texto original e no merecem outro tipo de justificativa. J para as opes incorretas 2-2 e 3-3, vale dizer, no primeiro caso, que no texto se diz o contrrio, no sentido de que os bancos atuaram de forma irresponsvel por alentar operaes incertas; no segundo caso, se diz, a propsito dos bancos bem como dos demais agentes financeiros que no tomaram em conta alguns fatores, dentre eles, precisamente, o carter cclico da economia.


12. En la primera lnea del texto aparece la siguiente frase: La bolsa espaola empieza a despedir un olor a muerto que mata. Con relacin al segmento que aparece subrayado, y manteniendo siempre el mismo sentido que el que presenta en el texto, podemos sustituirlo por:
0-0) un olor a muerto que apesta.
1-1) un olor a muerto que sorprende.
2-2) un olor a muerto que tira para atrs.
3-3) un olor a muerto que no hay quien lo aguante.
4-4) un olor a muerto que para qu.

Resposta: VFVVV

Justificativa:
A expresso espanhola un olor a muerto que mata, referida, no caso, bolsa de valores espanhola, significa de uma forma figurada, claro, que se encontra em uma situao extremamente difcil, em crise, quase perto de sua falncia (morte) completa. Dentro dela, a parte final, que mata uma expresso coloquial que vem acrescentar um sentido de reforo, de intensidade a respeito do fragmento anterior un olor a muerto, isto , o cheiro a morto muito grande: efetivamente, (a bolsa) est morta mesmo, fede.
Ento, dentre as cinco opes que so oferecidas, apenas que sorprende fica fora do contexto significativo indicado e est incorreta. J a expresso que para qu, correta, aparece tambm, s vezes, reforada em espanhol da seguinte forma: que para qu contar e compatvel com outros contextos significativos, no apenas aqui. As outras trs possibilidades corretas que apesta (que fede demais), que tira para atrs (que desmaia a pessoa), que no hay quien lo aguante (que ningum pode suport-lo), se referem de forma direta ao cheiro a morto.


13. Considere el siguiente fragmento extrado del primer prrafo del texto: Aroma que desprenden compaas que no son ya sino cadveres. Con referencia al segmento que aparece destacado, y manteniendo siempre el mismo sentido que el original, puede ser sustituido por:
0-0) que ya no son sino cadveres.
1-1) que ya son tan slo cadveres.
2-2) pero que ya no son cadveres.
3-3) que no son ya otra cosa que cadveres.
4-4) que apenas no son ya cadveres.

Resposta: VVFVF
Justificativa:
A estrutura sinttica que contm uma dupla negao no ... sino significa giro culto para expressar a afirmao de algo. Portanto, quando no texto se diz que no son ya sino cadvares, referido s compaas, significa que as firmas, as empresas j foram, faliram, so, metaforicamente falando, cadveres, isto , afirma-se que as empresas SO (no momento atual, j) cadveres. Portanto, a opo 2-2 falsa, porque expressa justamente o contrrio, entanto que na opo 4-4, tambm incorreta, usa-se a forma espanhola apenas que, a diferena do portugus, no significa somente, seno que possui um valor de aproximao, prximo de quase em portugus. As restantes opes esto corretas, pois oferecem opes estilsticas diversas para expressar o sentido original da expresso que aparece no texto.


14. Poco antes de la conclusin del primer prrafo del texto, aparece la siguiente frase: Muchos de sus accionistas las acompaarn en su trayecto. Con respecto a la forma las, y teniendo en cuenta el contexto en el que aparece, es correcto afirmar que:
0-0) se trata de un artculo determinado, femenino plural.
1-1) su referente contextual son las nefastas consecuencias de la crisis financiera: por eso es femenino plural.
2-2) se trata de un pronombre demostrativo, porque apunta a otro elemento textual mencionado con anterioridad en el texto.
3-3) se refiere a accionistas, sustantivo que aparece muy prximo en la disposicin textual.
4-4) est representando formalmente a algunas firmas, segmento que haba aparecido con anterioridad en el mismo prrafo del texto.

Resposta: FFFFV
Justificativa:
Na lngua espanhola, a forma las, isolada de qualquer contexto, pode representar, seja o artigo determinado feminino plural, seja o pronome pessoal de terceira pessoa feminino plural. Aqui funciona como pronome e desempenha a funo textual de fazer referncia a algum outro elemento que j apareceu anteriormente. No caso, umas linhas acima, algunas firmas. Deve concordar em gnero e nmero com o substantivo que substitui ou, melhor, ao qual faz referncia: por isso que flexiona em feminino plural, como firmas. Por tanto, conforme o que foi dito, apenas a opo 4-4 est correta. A opo 3-3, com efeito, fala da funo anafrica de las, porm diz que pronome demonstrativo.


15. Considere, a continuacin, el siguiente fragmento que aparece en el primer prrafo del texto: [algunas firmas] Descansarn en paz (...) Muchos de sus accionistas las acompaarn en su trayecto. No slo en el sentimiento. Con respecto a la expresin subrayada, as como a los elementos que la integran, es correcto afirmar que:
0-0) el sentimiento a que se refiere es de solidaridad con los bancos por la magnitud de la crisis financiera.
1-1) la forma slo que aparece en este fragmento es equivalente a la forma portuguesa apenas.
2-2) la palabra sentimiento, en el contexto en que aparece, encierra un doble sentido.
3-3) en esta expresin se advierte un valor semntico metafrico, que tiene que ver con la expresin espaola de psame le acompao en el sentimiento.
4-4) segn la ltima reforma ortogrfica de la lengua espaola, la palabra slo, con el valor con el que aqu se emplea, llevar siempre tilde.

Resposta: FVVVF
Justificativa:
A palavra sentimento tem aqui um duplo valor (portanto, a opo 2-2 est correta). Por um lado, o autor joga com o sentido de pesar, dor, preocupao pelos efeitos da crise, tanto nas empresas, como nos bancos e nos investidores envolvidos em operaes de alto risco. Ento, nesse sentido, o sentimento no de solidariedade, seno de pesar, de culpa, de arrependimento pelo nus e pelas conseqncias de investir em produtos com risco; (portanto, a opo 0-0 est incorreta). Por outro lado, desde o incio do texto se fala dos mercados financeiros como cadveres; nesse sentido, os investidores que faliram junto com as empresas envolvidas, acompanham no sentimento (psames) a si mesmos e s empresas e bancos, porque todos eles faliram ao mesmo tempo (opo 3-3 correta). Do ponto de vista formal, a palavra espanhola slo funciona aqui como advrbio, equivalente, portanto palavra portuguesa apenas (opo 1-1, correta). Antigamente, a ortografia espanhola diferenciava obrigatoriamente a forma solo se m acento grfico, quando equivalia ao portugus s, isto , quando era um adjetivo; quando era advrbio, e equivalia s formas portuguesas somente, s, apenas, levava acento grfico. Porm, na ltima reforma ortogrfica da Real Academia Espanhola da Lngua, o acento na forma adverbial opcional e no obrigatria. Portanto, a opo 4-4 est incorreta.


16. En el ltimo prrafo del texto, aparece el siguiente fragmento: obviar las ms elementales medidas de control de riesgo. Con relacin a la palabra que aparece destacada, es correcto afirmar que:
0-0) puede ser sustituida por explicar.
1-1) significa que algo est muy claro, que no necesita explicacin.
2-2) en este contexto, es equivalente a observar.
3-3) puede ser sustituida aqu por el verbo seguir.
4-4) en este caso, puede sustituirse por eludir.

Resposta: FFFFV
Justificativa:
O contexto no qual aparece obviar se refere s causas que provocaram a crise financeira. O que quer dizer aqui obviar no tem a ver com o sentido de obvio (que se aplica a coisas ou fatos que, por evidentes, no precisam de explicao), portanto, a opo 1-1 falsa. O que est dizendo o autor que os responsveis financeiros esqueceram ou no tomaram em conta as mais elementares medidas de controle de risco. O verbo mais apropriado em espanhol para expressar essa idia eludir. Portanto, a nica opo correta 4-4.


 
 8 de Dezembro de 2008

Prova de Biologia - 2 Fase Covest 2009

Resoluo da Prova de Biologia

Comentrio Geral

A prova de Biologia da segunda etapa da UFPE apresentou uma boa distribuio dos assuntos, ficando ausentes apenas TAXONOMIA, BIOQUMICA, ORIGEM DA VIDA e EVOLUO.

A prova apresentou questes com todos os nveis de dificuldades, valorizando o aluno que estudou durante o ano letivo, portanto uma prova de nvel mdio.

TEMAS ABORDADOS:

BIOENERGTICA 1.
CITOLOGIA 1.
HISTOLOGIA 1.
FISIOLOGIA 2.
BOTNICA 1.
GENTICA 2.
PROGRAMA DE SADE 1.
ECOLOGIA 2.
EMBRIOLOGIA 2.
ZOOLOGIA 2
SERES VIVOS 1


Questo 01

Os trabalhos de Mendel constituem a pedra fundamental da Gentica, cincia que tem-se desenvolvido bastante ultimamente. Muito se aprendeu sobre a hereditariedade e sua natureza qumica, sobre os mecanismos de transmisso e sobre a expresso fenotpica das caractersticas. Com relao a esse tpico, analise as proposies seguintes.

0-0) A distribuio da gerao F2, mostrada na figura, oriunda do cruzamento de plantas com espigas de 11,7cm de comprimento, indicativa de herana polignica; dois pares de alelos determinam a caracterstica em questo.




1-1) Indivduos de fentipo (AB), retrocruzados com indivduos de fentipo (ab), originaram uma descendncia composta por: 41,5% (AB): 41,5% (ab): 8,5% (Ab): 8,5% (aB), o que indicativo da existncia de ligao gnica entre os locos A e B; locos que distam de 17 unidades de mapa.


2-2) Apenas aves com penas verdes foram obtidas na F1 produzida a partir do cruzamento de machos de penas verdes com fmeas de penas brancas. Na F2, originada do cruzamento de indivduos F1, foi observada a seguinte distribuio fenotpica: 9 verdes: 3 amarelas: 3 azuis: 1 branco, o que indica interao gnica entre dois pares de alelos.


3-3) No heredograma a seguir, ilustra-se a ocorrncia de uma anomalia determinada pela ao de um gene recessivo. Entre os indivduos citados, apenas os gentipos de I3 e II5 no podem ser determinados, com exatido.



4-4) Uma pessoa que apresenta um corpsculo de Barr, atrofia testicular e esterilidade, geralmente grande estatura e caritipo 47, XXY, tem sndrome de Klinefelter.


Resposta: VVVFV

Justificativa:

0-0) Verdadeira: Caractersticas como comprimento de espigas e estatura humana tm variao contnua. A distribuio fenotpica exemplificada ajusta-se aos efeitos de dois pares de alelos. Indivduos que apresentam espigas com 11,7cm possuem quatro alelos aditivos. Em contraposio, indivduos que apresentam 6,6cm de espiga no apresentam em seu gentipo nenhum alelo aditivo para a caracterstica, o que indica o fentipo mnimo para o comprimento da espiga. Observa-se, tambm, que, entre os valores mostrados na figura, existem outros intermedirios, visto tratar-se de caracterstica mtrica.

1-1) Verdadeira: No exemplo, esto envolvidos dois locos gnicos, o loco (A) e o loco (B). Indivduos (AB) foram retrocruzados com indivduos (ab), e todos os gentipos possveis foram obtidos. Aqueles de maior freqncia representam as configuraes genotpicas dos progenitores. Assim posto, os descendentes (Ab) e (aB) so resultantes da recombinao gnica entre os locos em questo, indicando, portanto, a existncia de ligao gnica entre esses locos, com recombinao. Como a taxa de recombinao convencionalmente igual distncia relativa entre eles, 1% de recombinao equivale a uma unidade de mapa. No caso em tela, a distncia entre (A) e (B) de 17 unidades de mapa (unidades de recombinao ou morgandeos).

2-2) Verdadeira: Nesse contexto, observa-se uma distribuio fenotpica de 9:3:3:1, conforme se espera numa distribuio para uma gerao F2, segundo as propores mendelianas para dois locos gnicos de segregao independente. Observa-se, porm, que, ao contrrio dos ditames mendelianos, o exemplo citado reflete a ao de dois pares de alelos que determinam um nico carter (cor da plumagem) e revela a ao interativa de dois locos ligados (ligao gnica, com recombinao).

3-3) Falsa: Outros gentipos, alm do I3 e do II5, no podem ser determinados. Igualmente, no podem ser determinados, com exatido, os gentipos dos indivduos II2, II4 e III2.

4-4) Verdadeira: Os portadores de caritipo 47,XXY so do sexo masculino, so estreis e com testculos pequenos; em alguns casos, apresentam mamas. Evidncias da sndrome de Klinefelter.



Questo 02

O avano da Biotecnologia tem possibilitado, entre outras coisas, a ampliao do conhecimento sobre o genoma de diferentes organismos, a identificao de genes responsveis pela manifestao de diferentes doenas e a disponibilizao de tcnicas que contribuem para a melhoria da vida humana. Com relao a esse tpico, analise as proposies abaixo.


0-0) Enzimas de restrio cortam o DNA em diferentes pontos, nos quais h determinadas seqncias de bases, que so por elas reconhecidas. Assim, uma enzima (X) de restrio pode cortar o DNA, como mostrado no esquema abaixo:



1-1) Duas molculas de DNA podem diferir quanto localizao dos stios para atuao de uma mesma enzima de restrio, podendo ser gerados fragmentos de diferentes tamanhos, a partir de cada uma delas.

2-2) Algumas bactrias, alm de um cromossomo circular, apresentam molculas menores e circulares de DNA, denominados plasmdios. Os genes identificados nesses plasmdios no so essenciais vida do microorganismo; no entanto, podem ser utilizados como DNA vetor.

3-3) A amniocentese e a amostragem vilo-corinica so mtodos utilizados para o diagnstico de doenas genticas, durante a gravidez da mulher; o segundo mtodo pode ser realizado mais precocemente que o primeiro.

4-4) A ovelha Tracy possui, incorporado em um de seus cromossomosos, o gene humano para a protena alfa-1-antitripsina, o qual capaz de produzir em seu leite a referida protena. Por isso, denominada de clone perfeito.

Resposta FVVVF

Justificativa:

0-0) Falso: Uma determinada enzima de restrio corta o DNA em pontos especficos, nos quais h uma seqncia de bases que ela reconhece. No exemplo dado, trs enzimas de restrio (e no apenas uma, como dito) esto envolvidas; uma reconhece a seqncia de bases GGATCC/CCTAGG, o corte ocorrendo entre os nucleotdeos G e G; uma segunda enzima reconhece a seqncia GAATTC/CTTAAG, com ponto de corte entre os nucleotdeos G e A; e uma terceira enzima de restrio reconhece a seqncia AAGCTT/TTCGAA, com ponto de corte entre os nucleotdeos A e A.

1-1) Verdadeiro: Foi constatado experimentalmente que, quando duas molculas de DNA idnticas so tratadas com uma mesma enzima de restrio, so obtidos, ao final, conjuntos de fragmentos de tamanhos idnticos. Todavia, se as duas molculas de DNA, tratadas com uma nica enzima de restrio, forem diferentes, obtm-se, ao final, um conjunto de fragmentos de diferentes tamanhos.

2-2) Verdadeiro: Algumas bactrias possuem, alm do cromossomo circular, molculas menores de DNA, igualmente circulares, denominadas plasmdios, nas quais no h genes essenciais vida dessas bactrias. Os plasmdios tm sido muito utilizados em pesquisas, como por exemplo, a clonagem gnica.

3-3) Verdadeiro: Os dois mtodos podem ser importantes para o diagnstico de doenas genticas na gravidez, sendo possvel realizar a amostragem vilo-corinica mais precocemente que a amniocentese.

4-4) Falso: Os cientistas j conseguiram produzir ovelhas transgnicas, ou seja, animais que incorporaram em seu material gentico um gene de outra espcie, como, no caso citado, um gene humano.




Questo 03

As comunidades so formadas por populaes de diferentes espcies que vivem juntas e interagem entre si, de forma harmnica ou no. Todas as interaes, no entanto, so importantes para a manuteno do equilbrio ecolgico. A preservao da natureza e o respeito manuteno desse equilbrio dever de todo cidado. Analise as afirmaes seguintes.
0-0) Sucesso ecolgica secundria pode ocorrer em locais anteriormente habitados por outras comunidades, onde existiam condies favorveis ao estabelecimento de seres vivos, como o caso, por exemplo, de reas destrudas por queimadas.

1-1) A derrubada de florestas s se constitui em uma ao benfica para o ambiente quando pode promover o espessamento da camada de hmus, anteriormente consumida pelos organismos existentes.

2-2) Embora condenveis sob o ponto de vista da poluio ambiental, as queimadas anuais, realizadas para diferentes cultivos vegetais, propiciam a renovao de micronutrientes e agilizam uma atividade agrcola autosustentvel.

3-3) Alteraes no tamanho da populao de uma espcie podem determinar alteraes em outras populaes que com ela coexistem e interagem em uma comunidade, provocando desequilbrios ecolgicos.

4-4) De acordo com o princpio da excluso competitiva, ou princpio de Gause, duas espcies de uma comunidade podem ter o mesmo nicho ecolgico, mas no podem apresentar o mesmo habitat por muito tempo, havendo excluso de uma delas.

Resposta VFFVF

Justificativa:

0-0) Verdadeiro: A sucesso ecolgica secundria um tipo de sucesso que ocorre em locais anteriormente habitados, onde existem condies para o estabelecimento de seres vivos. o caso, por exemplo, de reas destrudas por queimadas e florestas derrubadas.

1-1) Falso: A camada superficial de matria orgnica que recobre o solo das florestas tropicais relativamente fina, com, aproximadamente, 30 centmetros de espessura. Todavia, essa camada frtil de hmus preservada em virtude da constante reciclagem da matria orgnica nessas florestas. O solo de reas onde a floresta foi derrubada, nas quais deixa de existir a cobertura vegetal e a reciclagem constante de nutrientes, torna-se pobre desses nutrientes.

2-2) Falso: As queimadas, alm da poluio que provocam, facilitam a eroso, por deixarem o solo desprovido de sua cobertura vegetal. Elas no tm relao com a atividade agrcola autosustentvel.

3-3) Verdadeiro: Para ilustrar a importncia de no se interferir negativamente no meio ambiente, vale lembrar um caso desastroso ocorrido na Ilha de Bornu, em que grave desequilbrio ecolgico foi observado como conseqncia da aplicao de DDT, para o combate de pernilongos transmissores da malria. A princpio, os transmissores foram combatidos, e ocorreu reduo significativa do nmero de casos de malria. Algum tempo depois, os problemas comearam a surgir. Aps investigaes, foi descoberto que, alm dos pernilongos, outros insetos que serviam de alimento aos lagartos da regio, eram contaminados. Com a ingesto das presas, os lagartos se contaminavam. Os gatos que comiam os lagartos contaminados acabavam morrendo e, com a morte desses, a populao de ratos aumentava muito de tamanho, uma vez que seus predadores haviam diminudo. Desta forma, instalou-se na ilha uma praga de ratos.

4-4) Falso: De acordo com o princpio de Gause, ou princpio da excluso competitiva, duas espcies, em uma mesma comunidade, podem ter o mesmo habitat, mas no podem ocupar o mesmo nicho ecolgico por muito tempo.




Questo 04

Todas as espcies exploram recursos do meio ambiente, causando algum tipo de impacto sobre ele. A espcie humana no se constitui em exceo. Todavia, nos ltimos dois sculos, o desenvolvimento da sociedade industrial e a exploso do tamanho populacional tm causado impactos ambientais sem precedentes. O grande desafio da humanidade neste sculo XXI o de modificar o antigo conceito desenvolvimentista de progresso. Com relao a esse assunto, analise as proposies seguintes.
0-0) Uma das conseqncias decorrentes da destruio da camada oznio pelo homem o umento da incidncia da radiao ultravioleta proveniente do sol, relacionada manifestao de alguns tipos de cncer de pele.

1-1) O lanamento de esgotos e de resduos de adubos fertilizantes nos rios e represas pode desencadear o fenmeno da eutroficao e conduzir a desequilbrios ecolgicos.

2-2) Como conseqncia da adio do composto tetraetila de chumbo gasolina, observou-se que vegetais cultivados beira das estradas continham 20 vezes mais chumbo que aqueles de terrenos mais afastados, confirmando o fato de que, num ecossistema, a maiorconcentrao de resduos txicos se d nesse nvel trfico da cadeia alimentar.

3-3) Um dos problemas ambientais decorrentes da industrializao a poluio atmosfrica; chamins altas lanam ao ar, entre outros materiais, o dixido de enxofre, o qual pode ser transportado por alguns quilmetros e ocasionar chuvas cidas em regies distantes.

4-4) A explorao do ouro na Amaznia fez com que toneladas de mercrio fossem despejadas no meio ambiente e ingressassem nas cadeias trficas. Esse poluente pode tambm ser lanado nas guas por indstrias de tintas e de pesticidas.


Resposta VVFVV

Justificativa:
0-0) Verdadeiro: Com a diminuio da quantidade de oznio na estratosfera, ocorre maior penetrao de radiao ultravioleta, a qual , reconhecidamente, capaz de provocar alteraes no DNA, estando relacionada manifestao de alguns tipos de cncer de pele.

1-1) Verdadeiro: O fenmeno da eutroficao, entendido como fertilizao das guas de rios e represas, est relacionado ao aumento de matria orgnica, resultante, sobretudo, de esgotos lanados diretamente nessas guas, sem prvio tratamento, ou de fertilizantes usados na agricultura, especialmente aqueles ricos em fsforo, enxofre e nitrognio, que chegam a essas guas em decorrncia das chuvas.

2-2) Falso: O composto tetraetila de chumbo foi introduzido na gasolina, em torno de 1923, como estratgia para melhorar o desempenho dos automveis. Todavia, no emprego desta evoluo tecnolgica, no se levou em considerao o fato de o chumbo no ser biodegradvel. De fato, foi observado que algumas culturas plantadas beira das estradas continham cerca de vinte vezes mais chumbo que aquelas de reas agrcolas mais afastadas. Todavia, o importante nessa questo diagnosticar que maior concentrao de chumbo ocorrer ao longo das cadeias trficas e no no nvel dos produtores.

3-3) Verdadeiro: A industrializao traz para o ambiente uma srie de problemas, incluindo a poluio atmosfrica. Chamins altas lanam ao ar muitos materiais, entre os quais, o dixido de enxofre (SO2). Esse pode ser transportado por vrios quilmetros em pouco tempo. Chuvas cidas que ocorrem em regies mais distantes daquela onde ocorreu a liberao do dixido de enxofre, podem ocorrer justamente por causa do transporte do S02 pelo ar.

4-4) Verdadeiro: Produtos biodegradveis podem ser decompostos por bactrias, e produtos no-biodegradveis, como o mercrio, se acumulam nos tecidos dos organismos e so concentrados ao longo das cadeias alimentares. O mercrio, amplamente utilizado em indstrias qumicas de tintas, de pesticidas etc., um agente poluidor.



Questo 05

Nas angiospermas, cada verticilo floral formado por folhas modificadas; podem ser observados frutos partenocrpicos e pseudofrutos e, certas famlias, podem exibir conjuntos de flores dispostas numa determinada organizao, constituindo inflorescncias caractersticas. Com relao a esse assunto, analise as afirmaes abaixo.

0-0) Clice, corola, androceu e gineceu so os quatro verticilos florais observados numa flor completa de angiospermas; o clice formado por spalas e a corola formada por ptalas, correspondem ao perianto.

1-1) Aps a fecundao, a flor perde seus verticilos acessrios e os estames. O vulo e a oosfera se desenvolvem formando, respectivamente, a semente e o embrio.

2-2) Na espiga de milho, cada pequena flor feminina tem um ovrio de onde parte um longo estilete, que sai na ponta dessa inflorescncia; so conhecidos como cabelos do milho.

3-3) Em algumas angiospermas, os frutos so desenvolvidos a partir de ovrios cujos vulos atrofiam e, portanto, no so fecundados. Tais frutos, sem sementes, so chamados partenocrpicos, como, por exemplo, o caju e a ma.

4-4) Enquanto os pseudofrutos simples podem se originar do receptculo de uma flor com um ovrio, como por exemplo, o sapoti, os pseudofrutos compostos originam-se do receptculo de uma flor com muitos ovrios, como por exemplo, o abacaxi.


Resposta VVVFF

Justificativa:

0-0) Verdadeiro: Nas angiospermas, uma flor completa apresenta quatro verticilos: clice, corola, androceu e gineceu. Os dois primeiros verticilos correspondem ao perianto.

1-1) Verdadeiro: Aps a fecundao, a flor perde suas estruturas acessrias e os estames. O vulo e a oosfera formaro, respectivamente, a semente e o embrio.

2-2) Verdadeiro: As inflorescncias so conjuntos de flores que se dispem numa determinada organizao, como as espigas observadas em gramneas. Numa espiga, cada flor tem um ovrio de onde parte um longo estilete que sai na ponta da inflorescncia. o que conhecemos como cabelos do milho.

3-3) Falso: Em algumas angiospermas, os frutos so desenvolvidos a partir de ovrios cujos vulos no so fecundados e se atrofiam; esses frutos so denominados partenocrpicos. o caso, por exemplo, dos frutos: banana e limo Taiti, e no como exemplificado na proposio.



Questo 06
Com relao a alguns aspectos da reproduo e do desenvolvimento humano, analise o que afirmado a seguir.

0-0) Aps a fecundao e subseqentes divises celulares do zigoto, forma-se a mrula, na qual se observa uma camada externa de clulas denominadas trofoblastos.

1-1) Na gravidez, o hormnio que prepara o tero para a nidao a progesterona.

2-2) A proliferao do trofoblasto na mucosa uterina d formao s chamadas vilosidades corinicas.

3-3) Enquanto a mulher estiver grvida, o estrgeno e a progesterona mantm a hipfise inibida, impedindo a liberao de FSH e de LH e, conseqentemente, a maturao de folculo ovariano e a ovulao.

4-4) Nos vertebrados, com exceo dos mamferos eutrios, os anexos embrionrios so formados a partir da blstula.


Resposta FVVVF

Justificativa:

0-0) Falso: Aps a fecundao e subseqentes divises celulares, forma-se o blastocisto, que apresenta uma camada externa de clulas, os trofoblastos.

1-1) Verdadeiro: A nidao ocorre no perodo em que a concentrao de progesterona mais alta e corresponde ao perodo em que o endomtrio est em condies de receber o embrio.

2-2) Verdadeiro: A proliferao do trofoblasto na mucosa uterina d formao s vilosidades corinicas, que fazem parte do crio.

3-3) Verdadeiro: A manuteno das concentraes de estrgeno e de progesterona deixa a hipfise inibida e, como conseqncia, nem ocorre a maturao de folculos nem a ovulao.

4-4) Falso: Nos mamferos eutrios, ao contrrio de outros vertebrados, os anexos embrionrios formam-se a partir da blstula.



Questo 07

Em outubro de 2008, a imprensa local noticiou um novo caso de raiva humana: um garoto de 15 anos foi mordido por um morcego. Em relao a essa doena, podemos afirmar o que segue.

0-0) A raiva uma doena viral que atinge seres humanos e animais, sendo o co e o gato os principais responsveis por sua transmisso ao homem nas reas urbanas; por isso a importncia das campanhas de vacinao desses animais.

1-1) Mamferos, tais como macaco, rato ou morcego, podem contrair e transmitir pela saliva o vrus rbico, o qual se localiza no sistema nervoso central e provoca uma encefalite mortal.

2-2) O principal mecanismo de preveno da raiva, em humanos, a realizao de campanhas de vacinao infantil contra a doena.

3-3) Ocorrendo o ferimento e o contato com saliva de mamferos selvagens ou domsticos, com suspeita de contaminao, deve-se iniciar imediatamente o tratamento com o soro antirbico e, ao mesmo tempo, com as vacinas.

4-4) A hidrofobia ou raiva s pode ser eficazmente combatida graas ao trabalho de Louis Pasteur, que inventou a vacina anti-rbica, ao utilizar a saliva de um co raivoso para salvar a vida de um menino que havia sido contaminado pelo vrus.

Resposta VVFVV
Justificativa

0-0) Verdadeira. A raiva efetivamente viral, sendo transmitida, nas zonas urbanas, sobretudo por ces e gatos.

1-1) Verdadeira. A transmisso da doena ocorre quando o vrus existente na saliva desses animais atinge o organismo por meio de arranhes, mordidas ou lambeduras.

2-2) Falsa. O principal mecanismo de preveno da doena so as campanhas de vacinao em ces e gatos.

3-3) Verdadeira. fundamental o tratamento com o soro anti-rbico, juntamente com as vacinas, sobretudo quando a leso extensa e se localiza no rosto e no pescoo, pois o soro tem ao mais imediata.

4-4) Verdadeira. Louis Pasteur inventou a vacina anti-rbica a partir da saliva de um co raivoso e salvou a vida do menino que havia sido contaminado pelo vrus.




Questo 08

Os fungos tm grande importncia na agricultura, na industria e na medicina. Sobre essa questo, considere o que afirmado a seguir.

0-0) Sua importncia para a agricultura reconhecida devido s doenas causadas em plantas cultivadas, a exemplo de milho, feijo, batata, caf e algodo. Alm disso, os fungos causam prejuzo na conservao de sementes, a exemplo do Aspergillus flavus que produz potentes toxinas que podem causar leses hepticas graves.

1-1) Os fungos so tambm aliados dos interesses humanos na agricultura. o caso da associao de fungos com as razes da planta hospedeira formando as micorrizas, onde os fungos obtm nutrientes e aumentam a capacidade de absoro de sais minerais do solo pelas razes.

2-2) Doenas causadas por fungos, que so chamadas micoses, ocorrem no homem; as mais comuns so o "sapinho", ou a candidase, causada pelo fungo Candida albicans, e a "frieira" ou p-de-atleta, provocada pelo fungo Tinea pedis.

3-3) Na fabricao do lcool e de bebidas alcolicas como o vinho e a cerveja, fundamental a participao dos fungos da espcie Agaricus campestris, que realizam fermentao alcolica, convertendo acar em lcool etlico.

4-4) Os fungos so enquadrados num reino exclusivo: o reino Fungi, devido s suas especificidades. Sua reproduo normalmente envolve esporos, como ocorre entre algumas plantas; mas armazenam glicognio e, como os animais, apresentam nutrio hetertrofa.

Resposta VVVFV

Justificativa

0-0) Verdadeira. Os fungos podem causar grandes prejuzos agricultura, inclusive, no armazenamento de sementes. O Aspergillus flavus produz as chamadas flavotoxinas, comuns, por exemplo, em sementes de amendoim.

1-1) Verdadeira. As micorrizas, resultantes da associao de fungos com as razes da planta hospedeira, facilitam a obteno de nutrientes pelos fungos e aumentam a capacidade das razes para a absoro de sais minerais do solo

2-2) Verdadeira. As micoses mais comuns em humanos so causadas por Candida albicans e por Tinea pedis.

3-3) Falsa. Os fungos da espcie Agaricus campestris so os fungos de maior utilizao em culinria, sendo cultivados em grande escala. Os responsveis pela produo do lcool so da espcie Saccharomyces.

4-4) Verdadeira. Os fungos constituem efetivamente um reino exclusivo, pois tm caractersticas que os diferenciam de plantas e de animais, muito embora apresentem caracteristicas de vegetais e de aminais.


Questo 09

No controle fisiolgico de diferentes sistemas do organismo humano, atuam mecanismos nervosos e diferentes hormnios. Com relao a esse assunto, analise as proposies seguintes.

0-0) No processo digestivo, a secreo de suco pancretico, estimulada pelo hormnio secretina, e a liberao de bile, estimulada pelo hormnio colecistocinina, so exemplos de retroalimentao negativa.

2-2) Em condies normais, o mecanismo regulador preponderante do ritmo respiratrio a concentrao de gs carbnico no sangue. Quando a concentrao de CO2 alta, o centro respiratrio envia impulsos para acelerar o ritmo respiratrio.

3-3) Na normalizao dos teores de sdio no sangue, importante o processo em que o hormnio renina, produzido pelo rim, atua sobre a substncia angiotensina, convertendo-a em angiotensinognio, que, uma vez no sangue, estimula a medula da supra-renal a produzir o hormnio aldosterona.

4-4) Quando h uma grande ingesto de gua, os centros osmorreguladores existentes no hipotlamo so excitados e aumenta muito a taxa de ADH liberado na circulao. Como conseqncia, aumenta a diurese.



Resposta VFVFF

Justificativa

0-0) Verdadeira. Quanto ao primeiro processo, sabe-se que a acidez do quimo estimula a parede do duodeno a produzir o hormnio secretina, o qual levado ao pncreas pelo sangue, estimula esse rgo a liberar suco pancretico no duodeno. Como o suco pancretico contm bicarbonato, a acidez neutralizada e cessa o estmulo para a produo do hormnio secretina. No segundo processo, a gordura dos alimentos estimula a parede do duodeno a produzir o hormnio colecistocinina, substncia que, levada pelo sangue ao fgado e vescula biliar, propicia a liberao da bile, fundamental para o emulsionamento das gorduras. Com a digesto das gorduras, cessa o estmulo para a produo da colecistocinina. Logo, os exemplos dados correspondem retroinduo negativa (feedback negativo).

1-1) Falsa. Na figura, ilustra-se em (1), (2) e (3), respectivamente, o n sinoatrial (marcapasso), o n atrioventricular e o fascculo atrioventricular (feixe de His).

2-2) Verdadeira. O mecanismo preponderante na regulao do ritmo respiratrio a concentrao de gs carbnico no sangue. Quando alta essa concentrao, o centro respiratrio envia impulsos para acelerar o ritmo respiratrio.

3-3) Falsa. O hormnio renina produzido pelo rim e age sobre uma protena encontrada no sangue e produzida pelo fgado, denominada angiotensinognio, a qual convertida em angiotensina. No processo, a angiotensina estimula a supra-renal (crtex) a produzir o hormnio aldosterona.

4-4) Falsa. Quando ocorre uma grande ingesto de gua, a presso osmtica do plasma diminui, os centros osmorreguladores so inibidos e diminui a taxa de ADH (Hormnio antidiurtico) liberado na circulao.


Questo 10

Com relao a diferentes tecidos observados no corpo humano, correto afirmar que:

0-0) Um tipo especial de tecido epitelial cbico simples, o endotlio, reveste a camada fibrosa conjuntiva dos capilares sangneos, garantindo maior proteo e flexibilidade aos vasos de calibre inferior.

1-1) Enquanto na epiderme, que se origina da ectoderme, h epitlio estratificado pavimentoso, queratinizado; na derme, que tem origem mesodermal, h tecido conjuntivo com grande quantidade de fibras.

2-2) O tecido muscular, de origem mesodermal, composto por clulas alongadas, as fibras musculares, que so clulas semelhantes s fibras conjuntivas.

3-3) No tecido nervoso, alm dos neurnios, h as clulas da glia; as quais ocorrem tanto na substncia branca quanto na cinzenta. Dentre suas funes, est o isolamento dos neurnios, uns dos outros e desses com outros tecidos.

4-4) A cartilagem elstica (1), que forma os discos, mais resistente que a cartilagem fibrosa (2), que ocorre, por exemplo, na orelha.



Resposta FVFVF

Justificativa

0-0) Falsa. O endotlio um epitlio pavimentoso simples. A parede dos capilares formada apenas pelo endotlio.

1-1) Verdadeira. Enquanto a epiderme tem origem ectodrmica, a derme tem origem mesodrmica. A epiderme constituda por epitlio pavimentoso estratificado, apresentando clulas queratinizadas. Na derme, observa-se tecido conjuntivo, onde ocorrem diferentes estruturas, como vasos sangneos que nutrem a epiderme.

2-2) Falsa. O tecido muscular tem origem mesodrmica; constitudo por clulas alongadas, que so as fibras musculares, as quais diferem das fibras conjuntivas, que so apenas filamentos proticos.

3-3) Verdadeira. As clulas da glia ocorrem tanto na substncia branca quanto na cinzenta e exercem diferentes funes, entre as quais est o isolamento de neurnios, uns dos outros e desses com outros tecidos.

4-4) Falsa. A cartilagem fibrosa mais resistente que a elstica. A cartilagem fibrosa ocorre nos discos intervertebrais, e a elstica, na orelha.


Questo 11

Os animais pertencentes aos diferentes filos apresentam caractersticas anatmicas e embrionrias que permitem distingui-los. Aps analisar as figuras abaixo, analise as proposies seguintes.



0-0) O filo, representado pelo animal da figura 1, apresenta algumas caractersticas de vertebrados, tais como ter esqueleto interno e ser deuterostmio.

1-1) Os animais do filo representado na figura 2 apresentam simetria radial e um anel nervoso do qual partem os nervos radiais.

2-2) A principal caracterstica do filo representado na figura 4 o corpo segmentado em anis, nos quais existe um par de rgos excretores e um par de gnglios nervosos.

3-3) Tambm pertencem ao filo representado na figura 3, as aranhas e os caranguejos, que apresentam esqueleto externo e so segmentados.

4-4) O animal representado na figura 4 hermafrodita, e seu desenvolvimento direto, mas, no filo ao qual pertence, existem espcies diicas e com estgios larvais.


Resposta VFVVV

Justificativa

0-0) Verdadeira. Efetivamente os equinodermos tm esqueleto interno e so deuterostmios.

1-1) Falsa. Apesar de ser verdadeiro que os celenterados representados pela figura 2 tm simetria radial, o sistema nervoso disperso e, portanto, no se organizam em nervos radiais.

2-2) Verdadeira. As principais caractersticas dos aneldios representados pela figura 4 so a organizao segmentada e a presena de pares de rgos excretores e gnglios nervosos em cada segmento.

3-3) Verdadeira. Os quilpodos representados na figura 3 so artrpodos, como os araquindeos e os crustceos.

4-4) Verdadeira. A minhoca hermafrodita e seu desenvolvimento direto, mas, nos poliquetos, existe uma larva ciliada.


Questo 12

Em relao s organelas citoplasmticas, considere as proposies expressas abaixo.

0-0) Uma das funes importantes do retculo endoplasmtico liso a sntese de lipidios, participa tambm do armazenando de substncias aquosas formando os grandes vacolos caractersticos das clulas animais.

1-1) Em protistas de gua doce, ocorre entrada de gua na clula por osmose, uma vez que o citoplasma hipertnico em relao ao meio externo, o que poderia provocar o rompimento da clula. Isso no ocorre devido presena de organelas citoplasmticas denominadas vacolos contrteis ou pulsteis que, de tempos em tempos, eliminam esse excesso de gua.

2-2) O Complexo de Golgi funciona de modo integrado ao retculo endoplasmtico, empacotando as protenas que sero utilizadas pela clula ou secretadas tal como foram sintetizadas no retculo.

3-3) Os lisossomos originados no Complexo de Golgi contm enzimas digestivas e podem participar da atividade de autofagia, fundamental para os processos de renovao celular.

4-4) Os peroxissomos possuem a enzima catalase e atuam no metabolismo do perxido de hidrognio, substncia altamente txica para a clula.

Resposta FVFVV

Justificativa

0-0) Falsa. Os grandes vacolos so caractersticos das clulas vegetais.

1-1) Verdadeira. Os vacolos contrteis ou pulsteis tm um papel fundamental no controle osmtico dos protistas de gua doce.

2-2) Falsa. As protenas sintetizadas no retculo endoplasmtico rugoso so modificadas no complexo de Golgi.

3-3) Verdadeira. Efetivamente, os lisossomos originam-se do complexo de Golgi, contm enzimas digestivas e participam do processo de autofagia.

4-4) Verdadeira. Uma das principais funes dos peroxissomos a converso do perxido de hidrognio em gua e oxignio por meio da enzima catalase,



Questo 13

A obteno e a transformao de energia dos seres vivos envolvem diferentes processos. Sobre essa questo analise as afirmativas abaixo.

0-0) A fermentao um processo de obteno de energia que no necessita do oxignio, porm, menos eficiente em termos de energia que a respirao aerbica, gerando apenas duas molculas de ATP por molcula de glicose.

1-1) A fotossntese e a respirao so processos antagnicos. Enquanto o primeiro produz matria orgnica, com armazenamento de energia e liberao de oxignio, o segundo utiliza matria orgnica e consome oxignio, com liberao de energia.

2-2) Na clorofila isolada, os eltrons continuam a absorver ftons de luz e, por isso, ela continua a ser eficiente no processo de armazenamento de energia.

3-3) A primeira etapa da respirao aerbica praticamente idntica fermentao, com rendimento de apenas duas molculas de ATP e produo de cido pirvico.

4-4) Os seres vivos aerbicos utilizam o oxignio diretamente da atmosfera ou dissolvido na gua para converter carboidratos e outros constituintes celulares em CO2 e H2O, com liberao de energia.

Resposta VVFVV

Justificativa

0-0) Verdadeira. A fermentao ocorre sem oxignio e produz 2 ATP por molcula de glicose.

1-1) Verdadeira. O resultado da fotossntese a produo de glicose e oxignio, a partir da gua e de gs carbnico, enquanto que, no processo de respirao, a clula obtm energia a partir da glicose, resultando na produo de gs carbnico e gua.

2-2) Falsa. A clorofila isolada continua a emitir eltrons altamente energizados, mas perde sua eficincia no processo de armazenamento de energia, uma vez que no se encontra acoplada uma cadeia transportadora que permita a liberao gradativa de energia.

3-3) Verdadeira. Efetivamente, a gliclise, que a primeira etapa da respirao celular, anaerbica e rende dois ATP, como na fermentao.

4-4) Verdadeira. Realmente seres vivos aerbicos utilizam o oxignio diretamente da atmosfera ou dissolvido na gua para converter carboidratos e outros constituintes celulares em CO 2 e H2O, com liberao de energia.



Questo 14

Os vermes podem ser livres ou parasitrios em homens e animais. Apesar dos sintomas das verminoses variarem de acordo com cada tipo de verme, eles podem provocar graves problemas de sade. Em relao a esses invertebrados, podemos afirmar o que segue.


0-0) Muitas espcies de nematelmintos so parasitas de plantas; outras, parasitam os mais diferentes animais, vertebrados e invertebrados.

1-1) Os platelmintos so vermes de corpo achatado. Podem ser monicos, como as planrias e tnias, ou diicos, como os esquistossomos, mas sempre apresentam estgio larval.

2-2) Os nematelmintos pertencem ao primeiro grupo, na escala evolutiva, que apresenta sistema circulatrio fechado e sistema respiratrio estruturado.

3-3) Os platelmintos tm o sistema nervoso mais complexo que os celenterados; nas planrias podemos observar gnglios cerebrais na regio anterior e dois cordes nervosos longitudinais.

4-4) Os platelmintos foram os primeiros seres a apresentarem um tubo digestivo completo, com boca e nus, de modo que o alimento se desloca num s sentido, o que gera uma maior eficincia do processo digestivo.

Resposta FFFVF

Justificativa

1-1) Falsa. Esses vermes apresentam reproduo diica e com estgio larval; portanto no tm desenvolvimento direto.

2-2) Falsa. Os platelmintos, tais como as planrias, podem apresentar desenvolvimento direto e, portanto, no apresentar estgio larval.

2-2) Falsa. Os nematelmintos no possuem sistema circulatrio. A circulao de gases, nutrientes e substncias txicas feita pelo pseudoceloma, e a respirao cutnea ou tegumentar

3-3) Verdadeira. Nos platelmintos, os neurnios se associam formando cordes nervosos ligados a gnglios situados na cabea, enquanto, nos celenterados, o sistema nervoso difuso.

4-4) Falsa. O sistema digestivo dos platelmintos incompleto, ou seja, a boca a nica abertura para o exterior, no possuindo nus.


Questo 15

Otto Loewi realizou experimento clssico que comprovou, de maneira incontestvel, que existia a mediao qumica no Sistema Nervoso Autnomo. Ele isolou dois coraes de sapo, os perfundiu com uma soluo fisiolgica morna (Ringer) e registrou a atividade cardaca. A experincia demonstrou que: ao estimular determinado nervo (A) do corao 1, ocorre uma forte inibio das contraes cardacas espontneas daquele corao; ao perfundir o corao 2 com o lquido efluente do corao 1, ocorre, no segundo corao, o mesmo efeito inibidor. Analise a figura abaixo e as afirmaes correspondentes.



0-0) O nervo estimulado (A), que provocou a diminuio dos batimentos cardacos, faz parte do Sistema Simptico, pois este tem um efeito inibidor sobre o corao.

1-1) A inibio do corao 2 pelo lquido efluente do corao 1, ocorre devido presena de acetilcolina liberada pela estimulao do Parasimptico, no corao

2-2) A inibio do corao 2 ocorre devido conduo do impulso nervoso atravs do lquido (Ringer), pois este um bom condutor eltrico.

3-3) Se o nervo estimulado fosse do Simptico, teramos um aumento da atividade cardaca e no uma inibio, pois este ramo do sistema nervoso autnomo tem uma ao excitatria sobre o corao.

4-4) O resultado dessa experincia demonstra que a freqncia cardaca no depende do controle neural.

Resposta FVFVF

0-0) Falsa. O Sistema Nervoso Simptico tem efeito excitatrio sobre o corao; portanto, sua estimulao aumentaria a freqncia cardaca.

1-1) Verdadeira. A estimulao do Parassimptico libera acetilcolina como neurotransmissor, que tem um efeito inibidor e reduz a freqncia cardaca.

2-2) Falsa. Um impulso nervoso no pode ser conduzido pelo lquido.

3-3) Verdadeira. Efetivamente, o Simptico tem uma ao excitatria sobre o corao, aumentando a freqncia cardaca quando estimulado.

4-4) Falsa. A experincia demonstra que o controle neural do corao se d por mediao qumica.


Questo 16

Observe a segmentao de dois tipos de ovos representados a seguir e analise as proposies seguintes.



0-0) A segmentao 1 do tipo holoblstica ou total, tpica de ovos com pouco vitelo (oligolcitos), que podem ser encontrados em mamferos.

1-1) A segmentao 2 holoblstica ou total, desigual. Nela, o zigoto tem um plo animal e um plo vegetativo e pode ser encontrada em anfbios.

2-2) A segmentao 2 tpica dos ovos telolcitos, devido ao modo como o vitelo est distribudo, tendo micrmeros no plo vegetativo, e macrmeros no plo animal.

3-3) Ao final da segmentao 1, observamos o aparecimento de uma cavidade central que, na segmentao 2, relativamente menor e excntrica, caractersticas da mrula.

4-4) Os processos de segmentao 1 e 2 conduzem formao de um disco germinativo, ou cicatrcula, que origina o embrio.

Resposta VVFFF

Justificativa

0-0) Verdadeira. Efetivamente uma segmentao holoblstica, tpica de ovos oligolcitos, que pode ser encontrada em mamferos, alm de anfioxo e equinodermos.

1-1) Verdadeira. Trata-se de segmentao holoblstica desigual que pode ser encontrada em anfbios, alm de moluscos, aneldios e alguns peixes.

2-2) Falsa. Os ovos telolcitos apresentam uma segmentao meroblstica (parcial) e no a segmentao holoblstica (total), como as ilustradas.

3-3) Falsa. O aparecimento da cavidade cheia de lquido (blastocele) ocorre na fase denominada blstula.

4-4) Falsa. O aparecimento de disco germinativo ocorre na segmentao meroblstica (parcial), que aparece em aves,
rpteis e certos peixes.



 
 8 de Dezembro de 2008

Prova de Matemtica - 2 Fase Covest 2009

Resoluo da Prova de Matemtica
































 
 8 de Dezembro de 2008

Prova Geografia - 2 Fase Covest 2009

Resoluo da Prova de Geografia

Comentrio Geral
Professores: Anderson Leineker e Ronaldo Lima

De maneira geral, a prova pode ser classificada como mediana, em referncia ao grau de dificuldade das questes. No sentido da distribuio das frentes (Humana e Fsica), mostrou-se bem equilibrada, pois foram abordados assuntos como: economia pernambucana e brasileira, agropecuria, urbanizao, movimentos da Terra, climatologia, solos, ecologia (impacto ambientais), geopoltica, economia dos EUA.

A questo abaixo destaca-se por abordar a economia de Pernambuco:

QUESTO DESTAQUE:

01. A economia de Pernambuco continua apresentando resultados bastante positivos. A expectativa para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2008, segundo a Agncia Estadual de Planejamento e Pesquisa (Condepe/Fidem), deve se situar em torno de 6% a 7%. Com base nesse enunciado, analise as alternativas abaixo.

0-0) O comportamento favorvel das lavouras temporrias e das lavouras permanentes, destacando-se, a produo da cana-de-acar, do feijo, do milho e da mandioca, repercute no crescimento da agropecuria.
1-1) O crescimento da construo civil, atravs da ao do Programa de Acelerao do Crescimento (PAC) do Governo Federal, acompanhado pelo desempenho favorvel da indstria de transformao, tm rebatimento no desenvolvimento da indstria pernambucana.
2-2) A formao bruta de capital fixo (investimentos em mquinas e equipamentos) e a evoluo do consumo das famlias vm sinalizando expectativas mais favorveis expanso da economia pernambucana, em 2008.
3-3) No setor tercirio, o comrcio destaque na contribuio do crescimento desse segmento, em 2008.
4-4) A evoluo positiva na massa de rendimento dos ocupados no mercado de trabalho e a expanso nominal do crdito favorecem o crescimento da economia de Pernambuco.

Comentrio:
A questo abarcou o cenrio da evoluo da economia do estado pernambucano, no qual destacou a evoluo do mercado local, com o desenvolvimento do tercirio e as obras do PAC-federal.

Gabarito: VVVVV


Contexto:

De uma maneira geral, a prova da UFPE apresentou uma distribuio igualitria quanto s frentes HUMANA (econmica, agropecuria, geopoltica, urbanizao) e FSICA (movimentos da Terra, climatologia, solos, hidrografia, ecologia impactos ambientais , tectnica de placas). O grau de dificuldade da prova pode ser considerado mdio.
































 
 8 de Dezembro de 2008

Prova de Literatura 2 Fase - Covest 2009

Resoluo da prova de Literatura

COMENTRIO GERAL

2 FASE FEDERAL 2 DIA LITERATURA
Professores: Graa Migliorine e Bianca Campello


Parabenizamos a Banca pela belssima prova deste ano. Embora a quantidade de textos dificulte um pouco sua resoluo, por torn-la cansativa, este fato no ofusca a beleza da prova, especialmente nas questes da primeira metade (de 01 a 08), as quais exploram leituras intertextuais. Mais do que examinar os conhecimentos aprendidos pelo candidato, a Covest permitiu aos Feras aprender com a prova.
Alguns ajustes, entretanto, precisam ainda ser feitos. Pedimos Banca para tomar mais cuidado com a formulao de proposies ambguas e generalizadoras, como o item (11) da questo 08, para evitar a subjetividade de certas interpretaes (como a da proposio (2 2) da questo 14).
Lembramos que o candidato, em geral, um aluno recm-sado do Ensino Mdio, para quem certas interpretaes da crtica so to desafiadoras quanto a prpria literria.
Solicitamos, por fim, que a Banca observe com mais ateno o gabarito referente proposio (3 3) da questo 07. Considerando que a obra de arte abre-se a um grande leque de interpretaes possveis, entendemos que a anlise no item (3 3) perfeitamente aceitvel, sem invalidar a proposio seguinte.



LITERATURA
01. O perodo das grandes navegaes constituiu o apogeu da histria de Portugal, e ofereceu matria para alguns dos maiores textos literrios da lngua portuguesa, como Os Lusadas, de Cames e Mensagem, de Fernando Pessoa. Considere os poemas abaixo e analise as proposies a seguir.

Texto 1
A gente da cidade, aquele dia,
(Uns por amigos, outros por parentes,
Outros por ver somente) concorria,
Saudosos na vista e descontentes.
E ns, com a virtuosa companhia
De mil religiosos diligentes,
Em procisso solene, a Deus orando,
Para os batis viemos caminhando.
Em to longo caminho e duvidoso
Por perdidos as gentes nos julgavam.
As mulheres com choro piedoso,
Os homens com suspiros que arrancavam.
Mes, esposas, irms, que o temeroso
Amor mais desconfia, acrescentavam
A desesperao e frio medo
De j nos no tornar a ver to cedo.
Os Lusadas, Cames.

Texto 2
mar salgado, quanto do teu sal
So lgrimas de Portugal!
Por te cruzarmos, quantas mes choraram,
Quantos filhos em vo rezaram!
Quantas noivas ficaram por casar
Para que fosses nosso, mar!
Valeu a pena? Tudo vale a pena
Se a alma no pequena.
Mensagem, Fernando Pessoa

0-0) Fernando Pessoa, a exemplo do que fez Cames nos versos apresentados acima, alude histria do Descobrimento do Brasil por Pedrolvares Cabral.
1-1) Em seu livro Mensagem, como mostra o fragmento acima, Fernando Pessoa, poeta do sculo XX, faz uma releitura de Os Lusadas, refletindo alguns temas do pico camoniano.
2-2) Em ambos os poemas apresentados, os autores descrevem o sofrimento e as perdas para a populao comum, das grandes navegaes portuguesas no sculo XVI.
3-3) A independncia das colnias trouxe para Portugal a perda dos territrios e das riquezas arduamente conquistados, alm de inmeros problemas sociais advindos do perodo da colonizao. Ciente disso, Fernando Pessoa, no trecho citado, condena duramente as grandes navegaes exaltadas em Os Lusadas.
4-4) Em ambos os textos, a descrio do custo social das navegaes portuguesas serve para enaltecer a coragem e a grandeza do povo portugus.

Resposta: FVVFV
Justificativa:
0-FALSO - Os Lusadas narra a descoberta do caminho martimo para as ndias pelo navegador Vasco da Gama;
1- VERDADEIRO
2-VERDADEIRO
3-FALSO - Com sua famosa frase Tudo vale a pena se a alma no pequena, Pessoa defende aspectos positivos das grandes navegaes, como a ampliao da conscincia humana e a aproximao de continentes e povos at ento desconhecidos;
4-VERDADEIRO



02. O Velho do Restelo uma voz emblemtica na literatura portuguesa, que continua a influenciar os escritores modernos, como Jos Saramago. Leia o poema Fala do Velho do Restelo ao Astronauta, e analise as proposies a seguir.

Texto 1
Mas um velho, de aspecto venerando,
Que ficava nas praias, entre a gente,
Postos em ns os olhos, meneando
Trs vezes a cabea, descontente,
A voz pesada um pouco alevantando,
Que ns no mar ouvimos claramente,
Com saber s de experincias feito,
Tais palavras tirou do experto peito:
(...)
A que novos desastres determinas
De levar estes Reinos e esta gente?
Que perigos, que mortes lhe destinas,
Debaixo dalgum nome proeminente?
Que promessas de reinos e de minas
De ouro, que lhe fars to facilmente?
Que famas lhe prometers? Que histrias?
Que triunfos? Que palmas? Que vitrias?
Cames, Os Lusadas (Fala do Velho do Restelo)

Texto 2.
Aqui, na Terra, a fome continua,
A misria, o luto, e outra vez a fome.
Acendemos cigarros em fogos de napalme
E dizemos amor sem saber o que seja.
Mas fizemos de ti a prova da riqueza,
E tambm da pobreza, e da fome outra vez.
E pusemos em ti sei l bem que desejo
De mais alto que ns, e melhor e mais puro.
No jornal, de olhos tensos, soletramos
As vertigens do espao e maravilhas:
Oceanos salgados que circundam
Ilhas mortas de sede, onde no chove.
Mas o mundo, astronauta, boa mesa
Onde come, brincando, s a fome,
S a fome, astronauta, s a fome,
E so brinquedos as bombas de napalme.
(Jos Saramago, Fala do Velho do Restelo ao Astronauta)

0-0) Um dos aspectos mais relevantes da obra de Saramago a tentativa de reinterpretar o passado usando temas histricos, como no poema apresentado acima.
1-1) Falando ao astronauta como falou o Velho do Restelo ao navegador portugus, Saramago utiliza um recurso literrio semelhante ao de Cames em seu pico.
2-2) Em seu poema, Saramago enaltece as viagens espaciais na modernidade, assim como Cames enaltecia as viagens martimas em seu tempo.
3-3) As vozes do Velho do Restelo e de Saramago mostram que os imperialismos, seja no sculo XVI, seja no sculo XX, ocultam uma viso de mundo sectria e blica, causadora de grandes sofrimentos.
4-4) Pelo exposto no poema de Saramago, pode-se deduzir que ele reconhece a relevncia das conquistas espaciais.para a modernidade. Certamente, Saramago concordaria com os
versos de Pessoa: Tudo vale a pena, se a
alma no pequena.

Resposta: VVFVF
Justificativa:
0-VERDADEIRO
1-VERDADEIRO
2-FALSO - Saramago critica o alto investimento nas viagens espaciais quando h tanta pobreza no mundo;
3-VERDADEIRO
4-FALSO - Nada no poema de Saramago faz crer na defesa da validade nas viagens espaciais, que so duramente criticadas.



03. Analise as dedicatrias de Machado de Assis e de Clarice Lispector, postas em seus romances, e analise as proposies a seguir.

Texto 1
Ao verme que primeiro roeu as frias carnes do meu cadver, dedico com saudosa lembrana estas memrias pstumas.
Machado de Assis, Memrias Pstumas de Brs Cubas

Texto 2
Pois que dedico esta coisa a ao antigo Schumann e sua doce Clara que so hoje ossos, ai de ns. Dedico-me saudade de minha antiga pobreza, quando tudo era mais sbrio e digno e eu nunca havia comido lagosta. Dedicome tempestade de Beethoven. vibrao das cores neutras de Bach. A Chopin que me amolece os ossos. A Stravinsky que me espantou e com quem voei em fogo. Sobretudo dedico-me s vsperas de hoje e a hoje, ao transparente vu de Debussy, a Marlos Nobre, a Prokofiev, a Carl Orff, a Schnberg, aos dodecafnicos, aos gritos rascantes dos eletrnicos a todos esses que em mim atingiram zonas assustadoramente inesperadas, todos esses profetas do presente e que a mim me vaticinaram a mim mesmo.
Clarice Lispector, A hora da estrela

0-0) Ao dedicar seu texto a um verme, o narrador de Machado de Assis despe-se da vaidade intelectual, refletindo com ironia sobre a finitude do ser humano e de suas produes.
1-1) Ao utilizar a expresso esta coisa a, o narrador de Clarice Lispector tambm revela desprendimento pela obra que escreveu.
2-2) Ao contrrio do narrador de Machado, o de Clarice dedica sua obra a Beethoven, Bach, Chopin: escritores clssicos da literatura universal, os quais admira pela influncia que exerceram em sua formao.
3-3) A personagem Macaba, de A hora da estrela, apesar de muito pobre e ignorante, mostra sensibilidade artstica, chorando ao ouvir a msica Una furtiva lacrima no rdio-relgio.
4-4) Dedicando-se saudade de sua antiga pobreza, o narrador de Clarice valoriza a riqueza inusitada que descobre na sobriedade e dignidade de seus personagens.

Resposta: VVFVV
Justificativa:
0-VERDADEIRO
1-VERDADEIRO
2-FALSO - O narrador de Clarice dedica sua obra a grandes compositores musicais;
3- VERDADEIRO
4- VERDADEIRO




04.
Osman Lins tinha grande admirao pelo escritor Afonso Henriques de Lima Barreto, cuja obra estudou em sua tese de doutorado. No romance A rainha dos crceres da Grcia, cria uma personagem chamada Julia Enone, que escreve um livro sobre Maria de Frana, nordestina pobre e doente mental, que tenta obter uma penso do INPS. Leia o texto de Julia Enone, a seguir, e analise as proposies.
Texto 1
Santo Afonso Henriques! Fazei de mim uma escritora. Mas s isto. Nada de festivais, de jris em concursos (de beleza ou literrios), de cargos em reparties chamadas culturais, de capelas, de frases de esprito. Livrai-me do fascnio que tantos dos nossos autores, hoje, tm pelo convvio com os ricos, pela adoo obrigatria de livros seus na rea estudantil, pelas viagens com passagem e hotel pagos. Fazei-me orgulhosa da minha condio de pria e severa no meu obscuro trabalho de escrever.
Osman Lins, A rainha dos crceres da Grcia
0-0) O texto de Julia Enone homenageia Lima Barreto, evocando-o como um santo devido a sua integridade como escritor.
1-1) Assim como a personagem Maria de Frana, Lima Barreto teve uma vida atribulada por problemas mentais.
2-2) Algumas obras importantes para a literatura brasileira, como O Fiel e a Pedra e Avalovara foram escritas por Lima Barreto.
3-3) Policarpo Quaresma, um dos personagens mais conhecidos de Lima Barreto, considerado na histria como louco devido a seu idealismo patritico.
4-4) A exemplo de Maria de Frana, os personagens de Osman Lins, em seus contos, costumam ser pessoas simples do povo, flagradas em instantneos do cotidiano repletos de tenso e opresso.

Resposta: VVFVV
Justificativa:
0- VERDADEIRO
1- VERDADEIRO
2-FALSO - Lima Barreto no escreveu essas obras, que so da autoria de Osman Lins;
3- VERDADEIRO
4-VERDADEIRO.



05.
O espelho um tema sedutor para a literatura, sendo trabalhado pelos mais diversos autores. Leia os textos e analise as proposies a seguir.


Texto 1
Olhei o espelho e recuei. O prprio vidro parecia conjurado com o resto do universo; no me estampou a figura ntida e inteira, mas vaga, esfumada, difusa, sombra de sombra. Ento tive medo; atribu o fenmeno excitao nervosa em que andava; receei ficar mais tempo e enlouquecer. Subitamente por uma inspirao inexplicvel, lembrou-me vestir a farda de alferes. Vesti-a, aprontei-me de todo; e, como estava defronte do espelho, levantei os olhos, e... no lhes digo nada; o vidro reproduziu ento a figura integral; nenhuma linha de menos, nenhum contorno diverso; era eu mesmo, o alferes, que achava, enfim, a alma exterior.
Machado de Assis, O espelho

Texto 2
- Ento, disse Dumbledore, voc descobriu os prazeres do Espelho de Ojesed. Mas espero que tenha percebido o que ele faz? Bom, ele mostra a minha famlia, respondeu Harry. E mostrou seu amigo Rony como chefe dos monitores, disse Dumbledore, perguntando: - Voc pode concluir o que que esse espelho mostra a ns todos? Harry sacudiu negativamente a cabea. Ele nos mostra nada mais nada menos do que o desejo mais ntimo, mais desesperado de nossos coraes. S o homem mais feliz do mundo poderia usar o Espelho de Ojesed como um espelho normal, ou seja, ele olharia e se veria exatamente como .
J.K.Rowling, Harry Potter e a Pedra Filosofal

0-0) Pode-se dizer que o espelho do conto de Machado funciona como o Espelho de Ojesed do livro de Rowling, ao refletir o desejo mais ntimo do personagem que nele se contempla.
1-1) Os espelhos nessas obras revelam que tanto o personagem de Machado, ao se reconhecer na farda de um alferes, quanto Rony, ao se reconhecer como chefe dos monitores, do mais valor aos cargos do que a si mesmos.
2-2) Pelo exposto em ambos os textos, deduz-se que os personagens dessas histrias so as pessoas mais felizes do mundo.
3-3) Baseando-se na verossimilhana entre o real e o ficcional, o Realismo procurava apresentar a literatura como um espelho da realidade.
4-4) No conto O espelho, Machado de Assis rompe com alguns princpios da escola realista quando evoca o universo da fantasia.

Resposta: VVFVV
Justificativa:
0- VERDADEIRO;
1- VERDADEIRO;
2-FALSO - Como os personagens de ambos os contos no se vem como so, mas como se imaginam ou desejam ser, deduz-se que eles no so as pessoas mais felizes do mundo;
3- VERDADEIRO;
4-VERDADEIRO- O conto O espelho foge aos princpios estritamente pragmticos da escola realista.



06.
Em Primeiras Estrias, Guimares Rosa publica 21 contos. O conto de nmero 11 intitula-se O espelho. Leia o texto e analise as proposies a seguir.

Texto 1
Desde a, comecei a procurar-me ao eu por detrs de mim tona dos espelhos, em sua lisa, funda lmina, em seu lume frio. Isso, que se saiba, antes ningum tentara. Quem se olha em espelho, o faz partindo de preconceito afetivo, de um mais ou menos falaz pressuposto: ningum se acha na verdade feio; quando muito, desgostamo-nos por provisoriamente discrepantes de um ideal esttico j aceito. Sou claro? O que se busca, ento, verificar, acertar, trabalhar um modelo subjetivo, pr-existente; enfim, ampliar o ilusrio mediante sucessivas novas capas de iluso. Eu, porm, era um perquiridor imparcial, neutro. O caador de meu prprio aspecto formal, movido por curiosidade.
Joo Guimares Rosa, Primeiras Estrias

0-0) Guimares Rosa divide de maneira especular a sua coletnea de contos, pondo no lugar central O espelho.
1-1) No conto O espelho, predomina o aspecto esotrico e misterioso da narrativa.
2-2) O espelho foge regra da maioria dos contos deste livro, que elaboram retratos da pobreza, excluso e abandono a que esto entregues os personagens, em geral sertanejos.
3-3) Neste conto, Guimares Rosa afirma concordar com as pessoas que buscam reconhecer suas imagens no espelho a partir de modelos prvios, j estabelecidos.
4-4) Neste conto, Guimares Rosa afirma buscar um estilo prprio, ainda que discrepante do ideal esttico dominante. Por isso, a reflexo posta em O espelho tambm reflete a proposta inovadora do autor com a obra.

Resposta: VVVFV
Justificativa:
0- VERDADEIRO;
1- VERDADEIRO;
2- VERDADEIRO;
3-FALSO - Rosa afirma ser caador de seu prprio aspecto formal, movido por curiosidade;
4- VERDADEIRO.



07.

A histria da literatura mostra como os movimentos estticos que se sucedem no tempo dialogam entre si, seja condenando modelos anteriores, seja resgatando-os com novas propostas. Leia os textos e analise as proposies.

Texto 1
Esta de ureos relevos, trabalhada
De divas mos, brilhante copa, um dia,
J de aos deuses servir como cansada,
Vinda do Olimpo, a um novo deus servia.
Era o poeta de Teos que a suspendia
Ento, e, ora repleta ora esvasada,
A taa amiga aos dedos seus tinia,
Toda de roxas ptalas colmada.
Depois... mas o lavor da taa admira,
Toca-a, e do ouvido aproximando-a, s bordas
Finas hs de lhe ouvir, canora e doce,
Ignota voz, qual se da antiga lira
Fosse a encantada msica das cordas,
Qual se essa voz de Anacreonte fosse.
Alberto de Oliveira, Vaso Grego

Texto 2.

Avelino de Arajo, Apartheid Soneto

0-0) O Texto 2 reproduz a estrutura do soneto, que uma forma potica fixa, composta por catorze versos dispostos em dois quartetos e dois tercetos.
1-1) Alberto de Oliveira encarnou a concepo de arte preconizada pelo Parnasianismo: rigor formal e identificao da poesia com temas clssicos.
2-2) O Modernismo questionou os princpios da arte parnasiana; mas os concretistas chegaram a radicalizar a idia de poesia, abdicando s vezes da palavra, como no poema de Avelino de Arajo.
3-3) O poema de Avelino de Arajo tem um carter eminentemente social, revelado pelo uso do termo Apartheid no ttulo que designa um regime vigente na frica, segundo o qual os brancos detinham o poder e os povos restantes eram obrigados a viver separadamente.
4-4) O ttulo Apartheid Soneto, associado a uma imagem que lembra uma cerca de arame farpado cujos fios se organizam em dois quartetos e dois tercetos, comunica, visualmente, o repdio dos concretistas pelo aprisionamento do verso segundo convenes impostas, segregando a liberdade criativa.

Resposta: VVVFV
Justificativa:
0- VERDADEIRO;
1- VERDADEIRO;
2- VERDADEIRO;
3-FALSO - O poema Apartheid Soneto tem uma funo mais metalingstica do que de denncia social;
4- VERDADEIRO.



08. Em seu estudo sobre as funes da linguagem, Roman Jakobson entende por funo metalingstica um enunciado mediante o qual o destinatrio oferece ou solicita informao sobre o cdigo. Quando a linguagem empregada para falar da linguagem em si (cdigo), estabelece-se uma comunicao metalingstica. A partir dessa informao, leia os textos abaixo e analise as proposies que se seguem.

Texto 1
Catar feijo se limita com escrever:
Jogam-se os gros na gua do alguidar
E as palavras na folha de papel;
e depois, joga-se fora o que boiar.
Certo, toda palavra boiar no papel,
gua congelada, por chumbo seu verbo:
pois para catar esse feijo, soprar nele,
e jogar fora o leve e oco, palha e eco.
Ora, nesse catar feijo entra um risco:
o de que entre os gros pesados entre
um gro qualquer, pedra ou indigesto,
um gro imastigvel, de quebrar dente.
Certo no, quando ao catar palavras:
a pedra d frase seu gro mais vivo:
obstrui a leitura fluviante, flutual,
aula a ateno, isca-a como o risco.
Joo Cabral de Melo Neto, Catar feijo.

Texto 2
No faas versos sobre acontecimentos.
No h criao nem morte perante a poesia.
Diante dela, a vida um sol esttico,
no aquece nem ilumina.
As afinidades, os aniversrios, os incidentes pessoais no contam.
No faas poesia com o corpo,
esse excelente, completo e confortvel corpo, to infenso efuso lrica.
Tua gota de bile, tua careta de gozo ou dor no escuro so indiferentes.
No me reveles teus sentimentos,
que se prevalecem de equvoco e tentam a longa viagem.
O que pensas e sentes, isso ainda no poesia.
Carlos Drummond de Andrade, Procura da poesia.

0-0) Quando o escritor discute o fazer potico no mbito do prprio poema, ele est usando a metalinguagem, como fez o autor do Texto 1.
1-1) A metalinguagem em poesia quebra o efeito sentimental caro ao estilo romntico, como mostra o poema de Drummond.
2-2) Em ambos os textos, a metalinguagem presta-se a conscientizar o leitor sobre os procedimentos de criao textual.
3-3) Cabral aproxima a criao potica do ato de catar feijo por acreditar que o poema deve ser limpo, sem nenhum elemento que dificulte o fluxo automtico da leitura.
4-4) Em Procura da poesia, Drummond aproxima-se de uma definio da poesia pela afirmao de suas caractersticas.

Resposta: VVVFF
Justificativa:
Resposta: 0-V; 1-V; 2-V; 3-F (Cabral acredita que a pedra d palavra seu gro mais vivo: ou seja, algo desejvel num poema embora indesejvel na feijoada); 4-F (Drummond tenta definir a poesia por uma srie de negaes, e no de afirmaes a seu respeito).



09. O Auto da compadecida (1955), de Ariano Suassuna, que teve sua primeira encenao em 1956, no Teatro Santa Isabel (Recife), um dos marcos do moderno teatro brasileiro. Com esta obra, consolidase o que a crtica dos anos de 1950 e 1960 denominava de o Teatro do Nordeste. Acerca dessa obra, analise as proposies abaixo.
0-0) Joo Grilo se inscreve no que podemos definir, dentro da tradio literria, como um personagem picaresco.
1-1) O Diabo comparado por a Compadecida com um fariseu, por se apegar s formas exteriores.
2-2) A pea de Suassuna retoma o maravilhoso divino, muito presente tanto na literatura de cordel quanto na literatura crist medieval.
3-3) A obra se desenvolve no serto de Pernambuco, mais particularmente na cidade de Bodoc, nos primeiros anos do sculo XX.
4-4) Ariano, para compor sua pea, se valeu, dentre outras obras, do auto popular O Castigo da soberba e dos romances populares O Enterro do cachorro e a Histria do cavalo que defecava dinheiro.

Resposta
Justificativa:
0-0) Verdadeiro: o personagem picaresco aquele que usa da sua aparente ingenuidade para enganar os outros e se dar bem na vida.
1-1) Verdadeiro: a Compadecida que compara o Diabo a um fariseu.
2-2) Verdadeiro: o maravilhoso se d pela interveno de um deus sobre o destino dos homens; no caso, Jesus e a Compadecida.
3-3) Falso: a obra se passa em Tapero, na Paraba, e no em Pernambuco.
4-4) Verdadeiro: as obras aludidas so confirmadas pelo autor na prpria obra.


10.
Se no Brasil o discurso nacionalista romntico tem na literatura uma referncia, vamos encontr-la na obra de Jos de Alencar, a qual se constri dentro do princpio de alteridade nacional, que tomava a cor local, a nacionalidade do escritor e o uso da lngua brasileira como bases para se definir uma literatura brasileira, autnoma. Leia os textos abaixo e analise as proposies a seguir.

Texto 1
O povo que chupa o caju, a manga, o cambuc e a jabuticaba, pode falar uma lngua com igual pronncia e o mesmo esprito do povo que sorve o figo, a pra, o damasco e a nspera?
Sonhos douro, Jos de Alencar.

Texto 2
H tambm uma parte da poesia que, justamente preocupada com a cor local, cai muitas vezes numa funesta iluso. Um poeta no nacional s porque insere nos seus versos muitos nomes de flores ou aves do pas, o que pode dar uma nacionalidade de vocabulrio e nada mais.
Instinto de nacionalidade, Machado de Assis.

0-0) Os projetos literrios de Alencar e Machado so distintos, no obstante partirem do mesmo princpio nacionalista quanto ao cultivo da cor local.
1-1) Apesar de sua crtica aos muitos nomes de flores ou aves do pas, Machado tambm escreveu poemas indigenistas.
2-2) Alencar defendia uma literatura que refletisse a sintaxe do portugus brasileiro mais que a sintaxe do portugus europeu.
3-3) A paisagem tropical um elemento presente tanto nos romances indigenistas quanto nos romances de costumes de Alencar.
4-4) A obra de Alencar busca considerar as distintas fases da histria brasileira e, principalmente, retratar as vrias regies do Brasil.

Resposta:
Justificativa:
0-0) Falso: Machado no tinha a cor local como princpio da literatura brasileira.
1-1) Verdadeiro: Machado escreveu Americanas em 1875.
2-2) Verdadeiro: Alencar foi o mais ardoroso defensor do que ele chama de lngua brasileira.
3-3) Verdadeiro: a paisagem tropical o pano de fundo das obras de Alencar, o seu ponto de alteridade com as demais literaturas nacionais.
4-4) Verdadeiro: Alencar escreveu no somente sobre a Corte, mas tambm sobre o passado brasileiro e sobre suas vrias regies: o Brasil do sculo XVI, Minas Gerais, Pernambuco, Rio Grande do Sul.




11. A pardia foi cultivada por vrios poetas e romancistas do modernismo brasileiro. Foi por meio da pardia que os modernistas puderam firmar suas inovaes no campo da linguagem e construir um discurso distinto das escolas literrias que os antecederam. Considere os poemas abaixo e analise as proposies a seguir.
Texto 1
A vez primeira que eu fitei Teresa,
Como as plantas que arrasta a correnteza,
A valsa nos levou nos giros seus
E amamos juntos E depois na sala
"Adeus" eu disse-lhe a tremer co'a fala
E ela, corando, murmurou-me: "adeus."
Uma noite entreabriu-se um reposteiro. . .
E da alcova saa um cavaleiro
Inda beijando uma mulher sem vus
Era eu Era a plida Teresa!
"Adeus" lhe disse conservando-a presa
E ela entre beijos murmurou-me: "adeus!"
Passaram tempos sec'los de delrio
Prazeres divinais gozos do Empreo
... Mas um dia volvi aos lares meus.
Partindo eu disse - "Voltarei! descansa!. . . "
Ela, chorando mais que uma criana,
Ela em soluos murmurou-me: "adeus!"
Quando voltei era o palcio em festa!
E a voz d'Ela e de um homem l na orquestra
Preenchiam de amor o azul dos cus.
Entrei! Ela me olhou branca surpresa!
Foi a ltima vez que eu vi Teresa!
E ela arquejando murmurou-me: "adeus!"
O "adeus" de Teresa, Castro Alves

Texto 2
A primeira vez que vi Teresa
Achei que ela tinha pernas estpidas
Achei tambm que a cara parecia uma perna
Quando vi Teresa de novo
Achei que os olhos eram muito mais velhos que o resto do corpo
(Os olhos nasceram e ficaram dez anos esperando que o resto do corpo nascesse)
Da terceira vez no vi mais nada
Os cus se misturaram com a terra
E o esprito de Deus voltou a se mover sobre a face das guas.
Teresa, Manuel Bandeira

0-0) Castro Alves se vale de uma linguagem formal, pouco corrente, para cantar o amor que perdera.
1-1) Bandeira usa palavras coloquiais para falar das suas impresses sobre Teresa.
2-2) Bandeira, na ltima estrofe do poema, compara seu alumbramento com a imagem bblica da criao.
3-3) O ltimo adeus de Teresa provoca consolo e alegria no poeta, alm de uma certa sensao de ele e sua amada envelhecerem.
4-4) A ambincia de sonho e de fantasia revela, no poema de Castro Alves, as relaes amorosas do poeta com a sua amada.

Resposta: VVVFV
Justificativa:
0-0) Verdadeiro: a linguagem de Castro Alves no somente formal como pouco elevada.
1-1) Verdadeiro: Bandeira no se vale de palavras eruditas para compor seu poema.
2-2) Verdadeiro: o esprito de deus se move sobre as guas" um verso que est numa relao intertextual com passagem do Gnesis.
3-3) Falso: o poema no fala da velhice do narrador-poeta, e sim dos desencontros.
4-4) Verdadeiro: o poema de Castro Alves caminha entre o sonho e a fantasia.



12. Primeiro grande poeta depois da fase herica do modernismo da dcada de 1920, Carlos Drummond de Andrade constri uma poesia muito peculiar, que caminha entre a realidade concreta das coisas e a atividade ldica da razo. A partir da leitura do texto abaixo, analise as proposies a seguir.

Texto 1
Casas entre bananeiras
mulheres entre laranjeiras
pomar amor cantar.
Um homem vai devagar.
Um cachorro vai devagar.
Um burro vai devagar.
Devagar... as janelas olham.
Eta vida besta, meu Deus.
Cidadezinha qualquer, Carlos Drummond de Andrade

0-0) Neste poema encontramos um Drummond antiretrico, coloquial, prosaico e irnico.
1-1) O poeta se vale do ambiente idlico, to decantado pelos romnticos, para firmar sua urbanidade.
2-2) Drummond contrape implicitamente dois brasis: o rural, que tem o tempo em suspenso, e o da cidade, com sua agitao.
3-3) O elemento surpresa, o desnorteamento, uma das principais caractersticas do poema Cidadezinha qualquer.
4-4) Assim como fizeram os rcades, Drummond se revela condescendente com a realidade campestre.

Resposta: VVVVF
Justificativa:
0-0) Verdadeiro: o poeta no s anti-retrico, coloquial, prosaico e irnico, como reproduz o falar caipira do interior.
1-1) Verdadeiro: ao dizer que a vida no mundo rural besta, Drummond, em contrapartida, est dizendo que bom o mundo urbano com sua vida agitada.
2-2) Verdadeiro: de fato, o mundo rural aqui visto como o lugar onde o tempo parou. O inverso seria o universo urbano.
3-3) Verdadeiro: o elemento surpresa se revela no ltimo verso. Quando acreditamos que o poeta vai louvar o mundo simples, ele o denuncia como uma vida besta, sem sentido.
4-4) Falso: o poema se ope aos que vem a vida provinciana como algo superior urbana.


13. Considerado por muitos crticos como o papa do Modernismo brasileiro, Mrio de Andrade foi responsvel por muitas das linhas programticas que terminaram por caracterizar a literatura e as artes do sculo XX, no Brasil. Acerca desse autor e do Modernismo, analise as proposies abaixo.
0-0) Mrio de Andrade defendia o direito permanente, por parte dos artistas, pesquisa esttica.
1-1) O Modernismo buscava atualizar a inteligncia artstica e literria brasileiras.
2-2) Tanto na sua poesia quanto na sua prosa, Mrio se vale de outros textos para construir o seu. Por exemplo, o incio de Macunama uma pardia ao romance Iracema, de Alencar.
3-3) A ironia e a pardia, na obra potica de Mrio de Andrade, cedem lugar retrica e metrificao.
4-4) Graas a sua versatilidade como escritor, Mario de Andrade constri uma obra eminentemente interdisciplinar, que se revela pela presena do folclore, das artes plsticas e da msica.

Resposta:VVVFV
Justificativa:
0-0) Verdadeiro: tese defendida por Mrio na sua conferncia "O movimento modernista".
1-1) Verdadeiro: tese tambm defendida por Mrio em "O movimento modernista.
2-2) Verdadeiro: tanto na sua poesia quanto na sua prosa, a exemplo de Macunama, Mrio se vale de outros textos para construir o seu.
3-3) Falso: ao coloquialismo sim, mas no retrica. Os modernistas so radicalmente anti-retricos. Da a crtica aos parnasianos e a Rui Barbosa.
4-4) Verdadeiro: De fato, a obra de Mrio inclui elementos do folclore, das artes e da msica.



14.
Definindo-se como um poeta antilrico, Joo Cabral de Melo Neto constri uma obra potica que se firma por ser um divisor de guas na histria da poesia de lngua portuguesa no sculo XX. Perseguindo um rigor mtrico, a poesia de Joo Cabral termina por construir um outro rigor: o semntico. Leia os textos abaixo e analise as proposies que se lhes seguem.

Texto 1
O rio ora lembrava
A lngua mansa de um co,
Ora o ventre triste de um co,
Ora o outro rio
E aquoso pano sujo
Dos olhos de um co.
Aquele rio
Era como um co sem plumas.
Nada sabia da chuva azul,
Da fonte cor-de-rosa,
Da gua do corpo de gua,
Da gua de cntaro,
Dos peixes de gua,
Da brisa na gua.
[...]
O co sem plumas, Joo Cabral de Melo Neto.

Texto 2
O mar e os rios do Recife
So touros de ndole distinta:
O mar estoura no arrecife,
O rio um touro que rumina.
Quando o touro mar bate forte
Nele h o medo de no ficar,
De ter sado, de estar fora,
De quem se recusa a ser mar.
E h no outro touro, o rio,
Entre mangues, remansamente,
Mil manhas para no partir:
Anda e desanda ainda sempre
Mas se so distintos na ao,
Mesma a razo de seu atuar:
Tentam continuar a ser da gua
De aqum do arrecife, antemar.
[...]
As guas do Recife, Joo Cabral de Melo Neto.

0-0) O co sem plumas uma alegoria do rio Capibaribe, sendo que o substantivo feminino pluma aqui tomado como uma metfora dos plos do co.
1-1) As guas do Recife trata da relao entre o mar e os rios que cortam a cidade do Recife e da submisso destes ao mar que, como o touro mais forte, termina por vencer e subjugar todos os rios.
2-2) Em ambos os poemas apresentados acima, encontramos uma linguagem autocentrada, que se volta s prprias coisas como caminho para retratar, refletir e transformar a realidade.
3-3) Ao comparar o rio tanto a um co sem plumas quanto a um touro, Joo Cabral cria elementos alegricos que s se explicam dentro dos prprios poemas.
4-4) No h, nos poemas acima, traos suprfluos e resduos sentimentais, mas a busca da materialidade das palavras, do verso substantivo e despojado.

Resposta: FVVVV
Justificativa:
0-0) Falso: o poema no trata da vitria de um touro sobre outro, mas de uma eterna luta entre iguais.
1-1) Verdadeiro: a pluma a metfora do plo do co.
2-2) Verdadeiro: toda a poesia de Cabral uma poesia que fala dela mesma, uma palavra remete a outra para ser entendida. Nesse processo, Cabral fala do prprio fazer potico.
3-3) Verdadeiro: ambos os poemas s se explicam por eles mesmos. As alegorias do co e do touro s se explicam dentro do prprio poema.
4-4) Verdadeiro: todo o poema construdo por palavras substantivas. Esse o principal trao da poesia cabralina.



15. O adultrio feminino foi um dos temas dominantes nos romances do sculo XIX. O Primo Baslio, de Ea de Queirs, e Dom Casmurro, de Machado de Assis, so as obras mais importantes em lngua portuguesa a versar sobre o tema. Sobre esses livros, analise as proposies a seguir.
0-0) Assim como Madame Bovary, Lusa lia tambm muitos romances de autores romnticos, o que terminou por constituir muitos dos traos da sua personalidade.
1-1) Ao longo do romance de Machado, Capitu se envolve, por meio dos seus sedutores olhos de ressaca, em vrios casos de traio amorosa.
2-2) no captulo CXXXV, intitulado Otelo, que Machado, se valendo da intertextualidade, evoca a pea de Shakespeare para convencer o leitor da traio de Capitu.
3-3) Ao contrrio de O Primo Baslio, em que tudo muito difuso e pouco substantivo, em Dom Casmurro as relaes entre Capitu e Escobar so claras e explcitas.
4-4) Apesar de toda a traio promovida por suas esposas, tanto Jorge quanto Bentinho terminam por aceitar a condio de marido trado e perdoam seus cnjuges.

Resposta: VFFFF
Justificativa:
0-0) Verdadeiro: Luza, assim como Madame Bovary, era leitora de romances romnticos.
1-1) Falso: tirante o suposto caso com Escobar, Capitu no se envolveu em nenhum outro caso de "adultrio".
2-2) Falso: O captulo "Otelo" uma ironia de Machado para mostrar o quanto seu narrador no entendeu que o cime o pior conselheiro.
3-3) Falso: at a suposta descoberta do adultrio, que se d no velrio de Escobar, no h nenhum sinal no romance que revele que Capitu teria sido amante de Escobar.
4-4) Falso: nem um nem outro aceitam o adultrio. No caso de Bentinho, ele desiste de matar a esposa e a envia para a Sua, onde ela vive o resto dos seus dias e morre.


16.
O Romance Nordestino de 30 um dos desdobramentos das idias regionalistas, firmadas em meados da dcada de 1920, no Recife, por Gilberto Freyre e toda uma gerao de intelectuais. Se 1922 se caracteriza por privilegiar, num primeiro momento, o esttico, os Regionalistas perseguem a histria e, por desdobramento, os conceitos de Tradio e Regio como bases da renovao cultural. Sobre o Romance de 30, analise o que se afirma a seguir.
0-0) Os romancistas de 30 no perseguem as inovaes de linguagem que foram promovidas por Mrio de Andrade em Macunama, e por Oswald de Andrade em Serafim Ponte Grande e Memrias sentimentais de Joo Miramar.
1-1) O romance de 30 retoma uma concepo tradicional de narrar: comeo, meio e fim, valendo-se de muitas das tcnicas narrativas do romance oitocentista.
2-2) A obra de Graciliano Ramos se caracteriza pela preciso das palavras, ausncia de ornatos e por ter como objeto exclusivamente o serto nordestino.
3-3) A obra de Jorge Amado retrata vrios aspectos da vida social e poltica do pas: a regio do cacau na Bahia, a represso do Estado Novo e a vida urbana da cidade de So Salvador, com seus pescadores, meninos de rua e pais-desanto.
4-4) A obra de Raquel de Queiroz percorre tanto o romance quanto o teatro e a crnica. Em todos esses gneros, encontramos a forte presena das razes nordestinas e uma clara denncia das injustias sociais.

Resposta: VVFVV
Justificativa:
0-0) e 1-1) Verdadeiros: o romance de 30 retoma a narrativa realista e o romance tradicional: comeo, meio e fim.
2-2) Falso: a obra de Graciliano Ramos aborda o serto, mas tambm a vida urbana - a exemplo de Insnia - e sua experincia na priso, como em Memrias do Crcere.
3-3) Verdadeiro: so exemplos, os romances do ciclo do cacau Os Subterrneos da Liberdade, e romances como Mar Morto e Capites de Areia.
4-4) Verdadeiro: Raquel escreveu romances, teatro e crnicas. Alis, na crnica que vamos encontrar o grosso da sua produo.


 
 8 de Dezembro de 2008

Prova de Protugus 2 Fase - Covest 2009

Resoluo da Prova de Portugs

COMENTRIO

2 Fase Federal 2 dia PORTUGUS 2
Professores: Cleonice Rabelo, Liliane Lopes, Marcela Maria e Carolina Arajo

A prova de Portugus 2 apresentou trs textos cujas temticas dialogam a respeito da relao do indivduo com o tempo (associado ao desenvolvimento tecnolgico) e o consumismo. Houve predominncia de questes de interpretao de texto e semntica, valorizando, mais uma vez, o aluno-leitor crtico e consciente dos questionamentos contemporneos.
Tambm abordou aspectos lingsticos contextualizados que destacam a funcionalidade da lngua.
Mesmo assim sentimos falta de uma maior variedade de gneros textuais, bem como da aplicabilidade deles.
De um modo geral, as questes foram acessveis e bem elaboradas, embora a expresso na forma mais, ou menos explcita, na questo 08, deixou o enunciado vago, podendo levar o vestibulando a confundir-se na proposio 4-4. Isso, no entanto, no tirou o brilho da prova.
Destacamos a questo 09, que apresenta um certo grau de dificuldade, porque o candidato teria que marcar como verdadeira a proposio que no estava de acordo com o texto j que deveria identificar o principal equvoco .

Texto 2

Compro, logo existo.
Templo de culto mercadoria, o modelo do Shopping Center, como o conhecemos hoje, nasceu nos Estados Unidos na dcada de 1950. So espaos privados, objetivamente planejados, para a supremacia da ao de comprar. O que se compra nesses centros, contudo, muito mais do que mercadoria, servios, alimentao e lazer. Compra-se distino social, sensao de segurana e iluso de felicidade e liberdade.
O Shopping Center um centro de comrcio que se completa com alimentao, servios e lazer. Ali o consumidor de mercadorias se mistura com o consumidor de servios e de diverso, sentindo-se protegido e moderno. Fugindo de aspectos negativos dos centros das cidades e da busca conjunta de solues para eles, os Shopping Centers vendem a imagem de serem locais com uma melhor qualidade de vida por possurem ruas cobertas, iluminadas, limpas e seguras: praas, fontes, bulevares recriados, cinemas e atraes prontas e relativamente fceis de serem adquiridas ao menos para os que podem pagar. como se o mundo de fora, a vida real, no lhes dissesse respeito...
O que essa catedral das mercadorias pretende criar um espao urbano ideal, concentrando vrias opes de consumo e consagrando-se como ponto de encontro para uma populao seleta de seres semiformados, incompletos, que aceitam fenmenos historicamente construdos como se fizessem parte do curso da natureza.
O imaginrio que se impe o da plenitude da vida pelo consumo. Nesses espaos, podemos ocupar-nos apenas dos nossos desejos aguados com as inmeras possibilidades disponveis de aquisio. Prevalece a idia do compro, logo existo.
Alm disso, esse mundo de sonhos que o Shopping Center acaba reforando nas pessoas uma viso individualista da vida, onde os valores propagados so todos relacionados s necessidades e aos desejos individuais eu quero, eu posso, eu compro.

(Valquria Padilha. A sociologia vai ao Shopping Center. Cincia Hoje, maio de 2007, p. 30-35. Adaptado.)




09. O principal equvoco para o qual a autora do Texto 2 nos alerta aquele de que:

0-0) a realizao do indivduo existe na medida em que ele exercita seu poder de compra.
1-1) os shopping centers no oferecem total garantia de segurana pessoal.
2-2) a plenitude da vida alcanada pelo acesso ao grande consumo.
3-3) os shopping centers, essa catedral das mercadorias, no concentram, de fato, vrias opes de consumo.
4-4) nem sempre acorre aos shopping centers uma populao seleta de consumidores.

Resposta: VFVFF

Justificativa:

0-0) Verdadeiro. A autora aponta exatamente a iluso de alguns que pem no poder de compra sua possibilidade realizao pessoal.
1-1) Falso. Se os shopping centers no oferecem total garantia de segurana pessoal, isso no representa um equvoco focalizado pela autora.
2-2) Verdadeiro. De fato, equvoco pensar que a plenitude da vida alcanada pelo poder de consumir.
3-3) Falso. O que afirmado nessa opo no constitui objeto de advertncia da autora.
4-4) Falso. O fato de nem sempre acorrer aos shopping centers uma populao seleta de consumidores no consitui o equvovo para o qual a autora nos adverte.


PORTUGUS
TEXTO 1
Vida digital
Dentre as muitas coisas intrigantes, poucas h to misteriosas quanto o tempo. A ironia que mal nos damos conta disso. Estando desde o nascimento submetidos a uma mesma noo de tempo, aceita por todos nossa volta, tendemos a achar que ela a nica que corresponde realidade. Causa um grande choque saber que outras culturas tm formas diferentes de perceber o tempo e de representar o curso da histria. Ainda assim, acreditamos que elas esto erradas e ns, ertos. Ledo engano.
Historicamente, o tempo foi percebido de formas diferentes. Os gregos antigos tinham uma noo cclica do tempo. Para eles, o tempo se iniciava com as prodigiosas eras de ouro e dos deuses, declinando depois, at chegar crise final com a fraqueza e penria da era dos homens, quando, ento, se reiniciava o ciclo. Para os romanos, o tempo se enfraquecia na medida em que se afastava do mais sagrado dos eventos: a fundao de Roma. Na Idade Mdia, prevalecia o tempo recursivo, pelo qual os cristos acreditavam percorrer uma via penitencial, desde a expulso do Jardim do den at o retorno ao Paraso.
Foi s com a consolidao do capitalismo, a partir do Renascimento, que passou a prevalecer uma noo de tempo quantitativo, dividido em unidades idnticas e vazias de qualquer contedo mtico, cujo smbolo mximo foi o relgio mecnico, com seu incansvel tic-tac. Essa foi tambm a poca em que a cincia e a tcnica se tornaram preponderantes. Nesse contexto, o maior dos cientistas modernos, Sir. Isaac Newton, formalizou o conceito de tempo como sendo absoluto. Como pertencemos a esse tempo moderno, ele que apreendemos, em casa, na escola e nos relgios ao redor. E achamos, como Newton, que ele o nico verdadeiro!
Mas o mundo moderno foi-se complicando, e esse conceito fixo e fechado se tornou cada vez menos satisfatrio. De fato, o amplo conhecimento de outras culturas e as grandes transformaes cientficas foraram a admitir que cada povo cria as noes de tempo que correspondam s suas formas e necessidades de vida.
O que claro, no caso da cultura moderna, que nossa percepo de tempo ficou coligada ao desenvolvimento tecnolgico. Assim, dos moinhos de vento s caravelas, s ferrovias, aos veculos automotores, aos transatlnticos, aos avies, ao cinema, ao rdio, e tev, sentimos um efeito de acelerao permanente. O ltimo e mais dramtico episdio nesta saga da acelerao foi assinalado pela Revoluo da microeletrnica, a partir dos anos 70. Num repente, fomos invadidos por inmeros prodgios tcnicos: fax, bips, PCs, celulares, TVs a cabo, modems, e-mail... O aparato digital entrava em cena, em toda a sua multiplicidade de recursos.
Tudo parece convergir para tornar as comunicaes mais rpidas, o trabalho mais produtivo, a vida mais fcil e para configurar uma nova concepo de tempo: um tempo extremamente clere, controlado, agora, pelo homem e suas tecnologias digitais.
(Nicolau Sevcenko. Isto, Edio especial. Vida digital, 1999. Adaptado).

01. Acerca da idia global desenvolvida no Texto 1, so pertinentes os seguintes comentrios.
0-0) Fica evidente, no tratamento do tema, a mutao das concepes que, ao longo dos tempos, marca a viso de um determinado grupo.
1-1) H uma rede de inter-relaes: histria, cincia, cultura, formas de linguagem, tudo converge para definir o perfil de vida do homem.
2-2) Paira sobre cada grupo social o risco do etnocentrismo cultural: nenhum outro grupo parece perceber to bem o mundo como ele prprio.
3-3) Os conceitos que apreendemos em casa, na escola e em outros grupos sociais constituem um lastro cultural estvel e irretocvel.
4-4) O desenvolvimento tecnolgico, sobretudo na era moderna, deixou imune os valores culturais vinculados circulao das informaes.

Resposta: VVVFF
Justificativa:
0-0) Verdadeiro. O texto reitera a idia de que as concepes que constituem o patrimnio cultural de um povo, ao longo dos tempos, se alteram.
1-1) Verdadeiro. As representaes que definem o perfil de vida do homem, em cada etapa de sua vida, so o resultado da rede de relaes estabelecidas entre histria, cincia, cultura e, inclusive, formas de linguagem. Somos feitos pelo social.
2-2) Verdadeiro. Somos todos sujeitos ao risco do etnocentrismo cultural: quase sempre interpretamos nosso modo de ver o mundo como o melhor de todos eles.
3-3) Falso. Nenhuma de nossas concepes estvel e irretocvel. Ns as revisamos constantemente.
4-4) Falso. O desenvolvimento tecnolgico, sobretudo na era moderna, atingiu tambm os valores culturais ligados ao universo da informao.



02. A tese defendida pelo autor em torno da noo de tempo que mantemos sustentada no Texto 1 por argumentos que se interdependem. Vejamos.
0-0) Gregos, romanos e outros povos, de qualquer poca, perceberam o tempo conforme as condies da realidade em que viviam.
1-1) Todas as diferentes vises acerca do fenmeno tempo ficaram isentas de qualquer contedo mtico: contava o que era real.
2-2) A cincia oferece fundamentos inquestionveis para a definio dos conceitos, os quais adquirem, assim, o status irrevogvel de exatido.
3-3) O desenvolvimento tecnolgico, em ampla expanso na cultura moderna, repercutiu na percepo do conceito atual de tempo
4-4) A percepo atual de um tempo extremamente acelerado uma decorrncia da quebra de limites propiciada pela microeletrnica.

Resposta: VFFVV
Justificativa:
0-0) Verdadeiro. Os povos, de todos os grupos, perceberam o tempo (e no s!) conforme as condies da realidade em que estavam inseridos.
0-0) Falso. Pode-se perceber um contedo mtico em algumas das diferentes vises acerca do fenmeno tempo: lembremos, por exemplo, a viso sustentada pelos gregos.
2-2) Falso. A cincia, por mais que procure fundamentos para as generalizaes que faz, nunca pode ser considerada como inquestionvel e irrevogvel.
3-3) Verdadeiro. Com efeito, o conceito atual de tempo, na cultura moderna, sensivelmente afetado pelas invenes tecnolgicas: o tempo mais rpido.
4-4) Verdadeiro. Os diferentes recursos tcnicos nos do a impresso de que o mundo menor, as distncias so mais curtas e tudo flui de forma bem mais acelerada.


03. A composio do Texto 1 obedeceu a alguns critrios de seqenciao, como passamos a enumerar em seguida.
0-0) O primeiro pargrafo justifica o ttulo do texto e j adianta dados explcitos sobre as especificidades interativas da vida digital.
1-1) H uma seqncia histrica de informaes, nos pargrafos 2, 3, 4 e 5, nos quais se traa a evoluo do conceito de tempo em diferentes culturas.
2-2) Aluses ao conceito de tempo na poca moderna restringem-se ao pargrafo 4, no qual so referidas grandes transformaes cientficas dessa poca.
3-3) A vinculao entre a noo de tempo e o desenvolvimento tecnolgico o tpico do penltimo pargrafo, que j prepara o acesso concluso final.
4-4) A noo de tempo reiterada no ltimo pargrafo, acrescida agora de uma aluso interveno direta do homem e da tecnologia.

Resposta: FVFVV
Justificativa:
0-0) Falso. No primeiro pargrafo o autor introduz a idia de tempo mas no adianta dados sobre as especificidades da vida digital.
1-1) Verdadeiro. De fato, nos pargrafos 2, 3, 4 e 5, o autor traa uma espcie de seqncia histrica relativa evoluo do conceito de tempo em diferentes culturas.
2-2) Falso. No pargrafo 5 tambm so feitas aluses ao conceito de tempo na poca moderna: uma percepo de tempo que ficou coligada ao desenvolvimento tecnolgico.
3-3) Verdadeiro. Na verdade, o penltimo pargrafo se desenvolve em torno da vinculao entre a noo de tempo e os avanos da tecnologia, o que funciona como gancho para a concluso final do texto.
4-4) Verdadeiro. Como se diz na justificativa anterior, a noo de tempo reiterada no ltimo pargrafo e, quanto a isso, feita uma referncia explcita interveno do homem e da tecnologia.



04. Considerando os sentidos atualizados pelas palavras do Texto 1, podemos fazer as seguintes observaes.
0-0) No trecho: Dentre as muitas coisas intrigantes, poucas h to misteriosas quanto o tempo, as duas palavras sublinhadas funcionam como sinnimos.
1-1) No trecho: Ledo engano, o autor pretende caracterizar um engano maldoso, resultante de m-f.
2-2) No trecho: Na Idade Mdia, prevalecia o tempo recursivo, o autor quer dizer um tempo que tende a reocorrer.
3-3) No trecho: Essa foi tambm a poca em que a cincia e a tcnica se tornaram preponderantes, o termo destacado equivale a consistentes e precisas.
4-4) No trecho: O mais dramtico episdio nesta saga da acelerao foi assinalado pela Revoluo da microeletrnica, o autor se refere prtica das narrativas lendrias.

Resposta: VFVFV
Justificativa:
0-0) Verdadeiro. De fato, as palavras intrigantes e misteriosas funcionam, nesse contexto, como equivalentes semanticamente.
1-1) Falso. Por Ledo engano o autor pretende caracterizar um engano leve ou um engano sem malcia, de boa f.
2-2) Verdadeiro. De fato, um tempo recursivo um tempo que tende a voltar a ocorrer.
4-4) Falso. Algo preponderante quando se destaca, quando predomina e, no, quando consistente ou preciso.
4-4) Verdadeiro. A palavra saga , de fato, adequada para caracterizar a prtica das narrativas lendrias


05. Em um texto, aparecem marcas pelas quais se pode identificar as pretenses comunicativas do autor. No Texto 1, tais marcas tm funes claras, como se observa nos comentrios a seguir.
0-0) Em: Historicamente, o tempo foi percebido de formas diferentes, o termo sublinhado delimita o mbito de validade da afirmao.
1-1) Em: Mas o mundo moderno foi-se complicando, o autor sinaliza que vai mudar a direo de seus argumentos.
2-2) Em: Como pertencemos a esse tempo moderno, ele que apreendemos..., o segmento sublinhado sinaliza que o autor est fazendo uma comparao.
3-3) Em: O que claro, no caso da cultura moderna, que nossa percepo de tempo ficou coligada ao desenvolvimento tecnolgico, os segmentos sublinhados do mais nfase declarao feita.
4-4) Em: Tudo parece convergir para tornar as comunicaes mais rpidas, o termo sublinhado atenua o carter contundente da afirmao.

Resposta: VVFVV
Justificativa:
0-0) Verdadeiro. Com o uso do advrbio Historicamente, o autor delimita o espao em que sua afirmao pode ser considerada vlida.
1-1) Verdadeiro. O sentido do conectivo mas de oposio e, por isso, sinaliza que a direo dos argumentos apresentados vai mudar.
2-2) Falso. O sentido aqui atualizado pela expresso como no implica comparao. Trata-se de uma relao de causalidade.
3-3) Verdadeiro. De fato, os segmentos sublinhados so um recurso sinttico de dar mais nfase declarao feita.
4-4) Verdadeiro. Dizer que Tudo parece convergir uma forma de deixar a afirmao mais branda, menos categrica.



06.
A coeso de um texto ocorre por meio de diferentes recursos sinttico-semnticos. Analise as observaes feitas a seguir acerca da coeso, ou seja, da articulao entre partes do Texto 1.
0-0) A repetio da palavra tempo que aparece do primeiro ao ltimo pargrafo um sinal de que o mesmo tema se mantm ao longo do texto.
1-1) Palavras com sentidos afins (como tempo, relgio, eras, rpido etc.) criam uma associao semntica que promove no texto articulao e unidade.
2-2) Nem todos os recursos coesivos aparecem em todos os textos. Assim que o Texto 1 construdo sem as marcas explicitas dos conectivos conjuntivos.
3-3) Ao longo do Texto 1, pronomes vo reiterando as referncias ou predicaes feitas previamente, como em: Dentre as muitas coisas intrigantes, poucas h to misteriosas quanto o tempo. A ironia que mal nos damos conta disso.
4-4) No comeo do ltimo pargrafo, o autor opta por deixar implcita a articulao com o pargrafo anterior: de fato, no ocorrem a formas de reiterao.

Resposta: VVFVF
Justificativa:
0-0) Verdadeiro. A repetio de uma palavra reconhecida na literatura lingstica como um dos recursos pelo qual se marca a concentrao temtica de um texto ou de um pargrafo.
1-1) Verdadeiro. Palavras semanticamente afins ou associadas concorrem para promover a necessria articulao e unidade do texto.
2-2) Falso. Ocorrem no texto em anlise vrios conectivos conjuntivos, tais como: que, e, quando, como, entre outros.
3-3) Verdadeiro. O pronome (d)isso reitera ou retoma a predicao feita anteriormente: poucas coisas h to misteriosas quanto o tempo.
4-4) Falso. No comeo do ltimo pargrafo, o uso do pronome tudo funciona como um articulador, que reiotera, que retoma, que resume o que dito anteriormente.




07. Analise o fragmento com que se inicia o Texto 1:
Dentre as muitas coisas intrigantes, poucas h to misteriosas quanto o tempo. Acerca de sua composio sinttica, podemos afirmar o que segue.
0-0) O verbo haver, nesse caso, impessoal; a norma , no sentido aqui atualizado, us-lo sempre como impessoal.
1-1) A impessoalidade do verbo haver no se mantm quando se trata de uma locuo verbal; portanto, a norma seria dizer-se: Devem haver muitas coisas intrigantes.
2-2) No portugus do Brasil, comum o uso do verbo ter em lugar do verbo haver; por exemplo: Tem muitas coisas misteriosas no mundo.
3-3) O verbo existir tambm de uso muito freqente, nesse contexto; sua concordncia com o sujeito segue a norma-padro prescrita na gramtica.
4-4) V-se, por vezes, algum dizer ou escrever: Houveram coisas misteriosas. Essa concordncia aceita pela norma-padro, por tratar-se de uma exceo: o verbo principia o enunciado.

Resposta: VFVVF
Justificativa:
0-0) Verdadeiro. O verbo haver, no sentido de existir, impessoal; a norma , com esse sentido, us-lo sempre como impessoal.
1-1) Falso. A impessoalidade do verbo haver, no sentido de existir, atinge tambm o verbo que funciona como seu auxiliar.
2-2) Verdadeiro. De fato, o uso do verbo ter no lugar do verbo haver comum no portugus brasileiro, at mesmo em contextos formais.
3-3) Verdadeiro. O verbo existir um verbo que recebe as flexes de pessoa e nmero, conforme as prescries da norma-padro.
4-4) Falso. O fato de o verbo haver principiar o enunciado no altera seu carter de impessoalidade, quando usado no sentido de existir.



Texto 2
Compro, logo existo.
Templo de culto mercadoria, o modelo do Shopping Center, como o conhecemos hoje, nasceu nos Estados Unidos na dcada de 1950. So espaos privados, objetivamente planejados, para a supremacia da ao de comprar. O que se compra nesses centros, contudo, muito mais do que mercadoria, servios, alimentao e lazer. Compra-se distino social, sensao de segurana e iluso de felicidade e liberdade.
O Shopping Center um centro de comrcio que se completa com alimentao, servios e lazer. Ali o consumidor de mercadorias se mistura com o consumidor de servios e de diverso, sentindo-se protegido e moderno. Fugindo de aspectos negativos dos centros das cidades e da busca conjunta de solues para eles, os Shopping Centers vendem a imagem de serem locais com uma melhor qualidade de vida por possurem ruas cobertas, iluminadas, limpas e seguras: praas, fontes, bulevares recriados, cinemas e atraes prontas e relativamente fceis de serem adquiridas ao menos para os que podem pagar. como se o mundo de fora, a vida real, no lhes dissesse respeito...
O que essa catedral das mercadorias pretende criar um espao urbano ideal, concentrando vrias opes de consumo e consagrando-se como ponto de encontro para uma populao seleta de seres semiformados, incompletos, que aceitam fenmenos historicamente construdos como se fizessem parte do curso da natureza. O imaginrio que se impe o da plenitude da vida pelo consumo. Nesses espaos, podemos ocupar-nos apenas dos nossos desejos aguados com as inmeras possibilidades disponveis de aquisio. Prevalece a idia do compro, logo existo.
Alm disso, esse mundo de sonhos que o Shopping Center acaba reforando nas pessoas uma viso individualista da vida, onde os valores propagados so todos relacionados s necessidades e aos desejos individuais eu quero, eu posso, eu compro.
(Valquria Padilha. A sociologia vai ao Shopping Center. Cincia Hoje, maio de 2007, p. 30-35. Adaptado.)

08. O Texto 2, na forma mais, ou menos explcita como aborda o tema escolhido, convoca o leitor a aceitar:
0-0) a plenitude da vida, que garantida pela alegria de poder consumir.
1-1) a urgncia de criao de espaos urbanos ideais, a servio da populao seleta e formada.
2-2) os riscos subjacentes ao engodo que pode existir na ligao entre comprar e ser feliz.
3-3) os valores inerentes s funes dos centros comerciais, onde sobressai o lado solidrio do homem.
4-4) a superao do individualismo e o fortalecimento da compreenso do valor da vida solidria.

Resposta: FFVFV
Justificativa:
0-0) Falso. O texto adverte explicitamente que o poder consumir no garantia de plenitude de vida.
1-1) Falso. O Texto no afirma a urgncia da criao de espaos urbanos ideais. Chega a dizer apenas que os Shoppings Centers parecem ser espaos ideais.
2-2) Verdadeiro. A autora adverte para a concepo ingnua de que o ato de comprar assegura o estado de ser feliz.
3-3) Falso. Pelo contrrio, a autora chama a ateno para o fato de que os centros comerciais instigam o individualismo.
4-4) Verdadeiro. A autora nos convoca para a superao do individualismo e para o fortalecimento da solidariedade.



09. O principal equvoco para o qual a autora do Texto 2 nos alerta aquele de que:
0-0) a realizao do indivduo existe na medida em que ele exercita seu poder de compra.
1-1) os shopping centers no oferecem total garantia de segurana pessoal.
2-2) a plenitude da vida alcanada pelo acesso ao grande consumo.
3-3) os shopping centers, essa catedral das mercadorias, no concentram, de fato, vrias opes de consumo.
4-4) nem sempre acorre aos shopping centers uma populao seleta de consumidores.

Resposta: VFVFF
Justificativa:
0-0) Verdadeiro. A autora aponta exatamente a iluso de alguns que pem no poder de compra sua possibilidade realizao pessoal.
1-1) Falso. Se os shopping centers no oferecem total garantia de segurana pessoal, isso no representa um equvoco focalizado pela autora.
2-2) Verdadeiro. De fato, equvoco pensar que a plenitude da vida alcanada pelo poder de consumir.
3-3) Falso. O que afirmado nessa opo no constitui objeto de advertncia da autora.
4-4) Falso. O fato de nem sempre acorrer aos shopping centers uma populao seleta de consumidores no consitui o equvovo para o qual a autora nos adverte.



10. A referncia a Shopping Centers foi realizada no Texto 2 por meio de expresses como:
0-0) Templo de culto mercadoria (pargrafo 1).
1-1) essa catedral das mercadorias (pargrafo 3).
2-2) O imaginrio que se impe (pargrafo 3).
3-3) Nesses espaos (pargrafo 3).
4-4) esse mundo de sonhos (pargrafo 4).

Resposta: VVFVV
Justificativa:
De fato, a referncia a Shopping Centers retomada no texto por 0-0), Templo de culto mercadoria; 1-1) essa catedral das mercadorias; 3-3) Nesses espaos; 4-4) esse mundo de sonhos. Logo:
0-0) Verdadeiro.
1-1) Verdadeiro.
2-2) Falso. O segmento O imaginrio que se impe no retoma a referncia a Shopping Centers.
3-3) Verdadeiro.
4-4) Verdadeiro.



11. A indicao, j no primeiro pargrafo, de que o tema abordado vai tomar uma direo oposta dada por expresses ou termos como:
0-0) espaos privados.
1-1) como o conhecemos hoje.
2-2) contudo.
3-3) objetivamente planejados.
4-4) ao de comprar.

Resposta: FFVFF
Justificativa:
O nico segmento que implica um sentido contrrio e que pode, portanto, sinalizar que a argumentao vai tomar um sentido contrrio contudo. Logo:
0-0) Falso.
1-1) Falso.
2-2) Verdadeiro.
3-3) Falso.
4-4) Falso.



12. Analisando aspectos lingsticos de palavras e outros segmentos presentes no Texto 2, observamos que:
0-0) o titulo do texto corresponde a uma conluso, formulada em termos claros e precisos.
1-1) metforas usadas no texto atestam uma percepo dos Shopping Centers como algo profano e alheio ao mundo religioso.
2-2) os termos bulevares e Shopping Center caracterizam casos de emprstimo lingstico, fenmeno que decorre do contato entre lnguas diferentes.
3-3) a opo por perodos curtos que prevalece em todo o texto sugere que se trata de um gnero expositivo e informal.
4-4) a reiterao do pronome eu na ltima linha do texto tem um valor enftico e confere ao enunciado um tom mais contundente.

Resposta: VFVFV
Justificativa:
0-0) Verdadeiro. Compro, logo existo implica uma conluso, formulada com clareza. O conectivo logo , nesse caso, um marcador explcito.
1-1) Falso. Os Shopping Centers so metaforicamente referidos no texto como templos e catedrais.
2-2) Verdadeiro. De fato, os termos bulevares e Shopping Center, como tantos outros, so exemplos de emprstimo lingstico, um fato previsvel quando acontece o contato entre lnguas diferentes.
3-3) Falso. Nem predomina no texto a opo por perodos curtos nem se trata de um gnero expositivo e informal.
4-4) Verdadeiro. De fato a repetio do pronome eu na ltima linha do texto um recurso de nfase e torna o enunciado mais contundente e categrico.




13. A posio do advrbio no enunciado significativa. Mud-la pode alterar o sentido pretendido. Assim, podemos dizer que as mudanas feitas na posio do advrbio alteraram o sentido dos trechos nas seguintes proposies:
0-0) So espaos privados, objetivamente planejados, para a supremacia da ao de comprar.; So espaos privados, planejados, para a supremacia da ao de comprar objetivamente.
1-1) o modelo do Shopping Center, como o conhecemos hoje, nasceu nos Estados Unidos na dcada de 1950.; o modelo do Shopping Center, como hoje o conhecemos, nasceu nos Estados Unidos na dcada de 1950.
2-2) seres (...) que aceitam fenmenos historicamente construdos; seres (...) que aceitam historicamente fenmenos construdos.
3-3) Nesses espaos, podemos ocupar-nos apenas dos nossos desejos; Apenas nesses espaos, podemos ocupar-nos dos nossos desejos.
4-4) Nesses espaos, podemos ocupar-nos apenas dos nossos desejos; Nesses espaos, podemos ocupar-nos dos nossos desejos apenas.

Resposta: VFVVF
Justificativa:
0-0) Verdadeiro. Houve alterao no sentido do enunciado: aqui o advrbio incide sobre o escopo de comprar (comprar objetivamente).
1-1) Falso. No houve alterao de sentido: o advrbio se situa no mesmo mbito.
2-2) Verdadeiro. Houve alterao: uma coisa so fenmenos historicamente construdos, outra, aceitar historicamente algo.
3-3) Verdadeiro. clara a alterao: de ocuparnos apenas dos nossos desejos para apenas nesses espaos.
4-4) Falso. No h alterao. O escopo do advrbio continua o mesmo.



14. Observe o trecho: os Shopping Centers vendem a imagem de serem locais com uma melhor qualidade de vida por possurem ruas cobertas, iluminadas, limpas e seguras: praas, fontes, bulevares recriados, cinemas e atraes prontas e relativamente fceis de serem adquiridas ao menos para os que podem pagar. Analise os comentrios acerca da funo de alguns de seus itens ou fragmentos.
0-0) O uso das aspas em qualidade de vida indica que se trata de uma expresso de outro autor.
1-1) Grande parte do trecho constituda por uma enumerao; da o uso de tantas vrgulas.
2-2) Em: os Shopping Centers vendem a imagem, a palavra sublinhada tem um sentido metafrico.
3-3) O carter apelativo desse trecho propiciou o uso de verbos no presente do indicativo.
4-4) Em: ao menos para os que podem pagar, feita uma ressalva; a expresso ao menos sinaliza isso.

Resposta: FVVFV
Justificativa:
0-0) Falso. No se trata de uma citao. O uso das aspas em qualidade de vida sinaliza para uma duplicidade de sentido que o autor tem em vista.
1-1) Verdadeiro. clara a srie de itens enumerados e, por isso, o uso das vrgulas (separam termos coordenados).
2-2) Verdadeiro. O sentido da palavra vender, nesse contexto, claramente figurado, imagtico.
3-3) Falso. Esse trecho no tem um carter apelativo. Tampouco, o presente do indicativo seria a opo a predominar em um texto apelativo.
4-4) Verdadeiro. claro o sentido de ressalva expresso nesse contexto pela expresso ao menos.



TEXTO 3

Eu etiqueta
Em minha cala est grudado um nome
Que no meu de batismo ou de cartrio
Um nome ... estranho
Meu bluso traz lembrete de bebida
Que jamais pus na boca, nessa vida,
Em minha camiseta, h marca de cigarro
Que no fumo, at hoje no fumei.
Minhas meias falam de produtos
Que nunca experimentei
Mas so comunicados a meus ps.
Meu tnis proclama colorido
De alguma coisa no provada
Por este provador de longa idade.
Meu leno, meu relgio, meu chaveiro,
Minha gravata e cinto e escova e pente,
Meu copo, minha xcara, minha toalha de banho e
sabonete,
Meu isso, meu aquilo.
Desde a cabea ao bico dos sapatos,
So mensagens,
Letras falantes,
Gritos visuais,
Ordens de uso, abuso, reincidncias.
Costume, hbito, premncia, indispensabilidade,
E fazem de mim homem-anncio itinerante,
Escravo da matria anunciada.
(...)
Peo que meu nome retifiquem.
J no me convm o ttulo de homem.
Meu nome coisa.
Eu sou a Coisa, coisamente.
(Carlos Drummond de Andrade)

15. O tema que serve de objeto para a reflexo de Drummond, no poema transcrito acima, relaciona-se com a questo levantada no Texto 2, pois:
0-0) mostra o fascnio exercido pela fantasia e miragem do consumo.
1-1) adverte contra o perigo da alienao que ronda as facilidades do consumo.
2-2) destaca a fora que os aparelhos publicitrios exercem sobre o indivduo.
3-3) exalta a funcionalidade dos rtulos em locais de grande movimentao de negcios.
4-4) enaltece a condio do homem livre e senhor de suas decises.

Resposta:
Justificativa:
0-0) Verdadeiro. O poema, embora de forma uma tanto sutil, critica o endeusamento do consumo.
1-1) Verdadeiro. Tambm sutilmente, o autor refere a coisificao do homem, provocada pela etiquetagem publicitria, que corresponde exatamente a esse processo de alienao.
2-2) Verdadeiro. De fato, o autor enfatiza o poder que a etiqueta (em sentido bem amplo) tem sobre a identidade dos indivduos.
3-3) Falso. Em nenhum segmento o poema ressalta a funcionalidade dos rtulos, onde quer que seja.
4-4) Verdadeiro. Est implcita no texto a idia de que o homem no deve abrir mo de sua condio de ser livre e senhor de suas decises.



16. O poema de Drummond apresenta particularidades lingsticas que merecem ser destacadas.
0-0) O fragmento transcrito se confunde com um depoimento ou uma confisso pessoal.
1-1) O uso reiterado da primeira pessoa do singular assume no poema um carter individualizante.
2-2) Os objetos detalhadamente mencionados reforam a idia de que nada escapa aos interesses da publicidade.
3-3) A palavra etiqueta, que consta no ttulo, j antecipa a idia central do poema: vestimo-nos, movemo-nos como anunciantes.
4-4) Os dois ltimos versos do um tom categrico sua concluso: o homem est convertido em objeto de venda.

Resposta: VVVVV
Justificativa:
0-0) Verdadeiro. O autor fala de sua prpria experincia de ser etiqueta.
1-1) Verdadeiro. De fato, o uso reiterado da primeira pessoa atesta esse tom de depoimento pessoal do poema.
2-2) Verdadeiro: Cada item mencionado refora a idia de que somos convertidos em amostras de tudo que pode ser vendido.
3-3) Verdadeiro: Na verdade, a palavra etiqueta expressa o sentido maior do poema e a crtica a esse uso do homem como placa de anncio.
4-4) Verdadeiro. As funes morfossintticas diferentes para o nome coisa atestam essa desumanizao da condio maior do homem livre e autnomo.


 
 8 de Dezembro de 2008

Provas segundo dia UFPE 2009 - 2 FASE

Provas segundo dia UFPE 2009 - 2 FASE

Clique aqui para baixar a prova de biologia.
Clique aqui para baixar a prova de espanhol.
Clique aqui para baixar a prova de ingls.
Clique aqui para baixar a prova de fsica.
Clique aqui para baixar a prova de francs.
Clique aqui para baixar a prova de geografia.
Clique aqui para baixar a prova de geografia grfica.
Clique aqui para baixar a prova de literatura.
Clique aqui para baixar a prova de matemtica.
Clique aqui para baixar a prova de teoria musical.


 
 8 de Dezembro de 2008

Gabarito do 2 dia da UFPE 2009 - 2 FASE

Gabarito do 2 dia da UFPE 2009 - 2 FASE

clique aqui para visualizar.


 
 8 de Dezembro de 2008

Gabarito do Segundo dia da COVEST 2 Fase 2009

Gabarito Segundo Dia


 
 7 de Dezembro de 2008

Questes 14 e 16 de Histria

Comentrios das questes 14 e 16 de Histria

14. As manifestaes culturais so importantes para fortalecer as naes e criar espaos de criatividade. Nos anos 1950, a sociedade brasileira conviveu com:

0-0) o surgimento da bossa nova, influenciada pelo jazz norte-americano.
1-1) a vitria no futebol, em 1958, e com dolos como Pel e Garrincha.
2-2) o fim da literatura modernista, com a introduo do novo romance.
3-3) as chanchadas feitas para o cinema, com grande sucesso popular.
4-4) a produo literria de escritores como Fernando Sabino e Guimares Rosa.

Comentrio:

As manifestaes culturais so importantes para fortalecer as naes e criar espaos de criatividade. Nos anos 50, tivemos a Bossa Nova, as Chanchadas da Vera Cruz e da Atlntida.

0-0) A Bossa Nova faz sucesso at os dias atuais, com compositores de expresso, como Tom Jobim, Vinicius de Moraes e Joo Gilberto.

1-1) A vitria do Brasil na Copa de 1958 com dolos do futebol, como Pel, Didi, Vav e Garrincha.

2-2) Houve uma renovao com a produo literria, continuando ainda as influncias modernistas.

3-3) Os musicais e as comdias da Vera Cruz e da Atlntida divertiam grandes platias.

4-4) Grandes escritores estiveram atuantes na dcada de 50, como Fernando Sabino, Guimares Rosa, Clarice Lispector e Rubem Braga.

Gabarito: VVFVV

16. Os governos ps-1964 foram importantes para a modernizao da economia brasileira, mesmo com a presena do autoritarismo e da censura. Na poca do governo do general Ernesto Geisel, o Brasil:

0-0) conviveu com um forte e crescente esquema repressivo, deixando a imprensa marcada por censuras dirias.
1-1) sofreu com a falta de renovao poltica, pois houve o fechamento do Congresso Nacional por um perodo longo.
2-2) instalou um clima de distenso poltica, apesar do famoso pacote de abril de 1977.
3-3) superou os anos de inflao anteriores, equilibrando a economia e evitando os escndalos polticos.
4-4) manteve a atuao de rgos repressivos, que resultou em mortes que chocaram os grupos defensores da democracia.

Comentrio:

A questo solicita ao aluno conhecimento sobre o governo de Ernesto Geisel, quarto presidente militar, que governaria o pas em um momento de mudanas ps-crise do petrleo.
A abertura poltica estava em pleno crescimento, apesar dos entraves, como o Pacote de Abril (abril de 1977). Nessa poca, o pas j clamava por liberdades polticas e sociais.

0-0) Iniciou o processo de abertura poltica e, apesar de no ter acabado com o autoritarismo, foi importante para iniciar o fim do perodo militar.

1-1) A Ditadura continuava com a censura ainda forte, mas no existiu fechamento do Congresso por um perodo longo.

2-2) A represso realmente diminuiu, bem como a presso por abertura poltica no pas, porm, existiram momentos de retrocesso, como a criao do senador binico e do pacote de abril em 1977.

3-3) As dificuldades econmicas foram grandes e existiram escndalos, principalmente os financeiros com gastos pblicos.

4-4) Houve avanos para o fim das torturas com as mudanas no II Exrcito e com a atuao do presidente. Porm, os grupos ligados s foras armadas, os paramilitares, ainda utilizavam violncia, mostrando que a represso ainda existia.

Gabarito: FFVFV


 
 7 de Dezembro de 2008

Questo 10 de Histria

Comentrio da questo 10 de Histria

10. Durante o governo de D. Pedro II, o Rio de Janeiro consolidou-se como o centro poltico do Imprio, lugar de grandes negcios e de convivncia com as novidades da poca. Nesse perodo, registrou-se:

0-0) uma acelerada industrializao, com a entrada marcante de capitais europeus.
1-1) o hbito crescente de imitar a moda parisiense por parte das suas elites sociais.
2-2) um aumento no nmero de bancos, dinamizando a economia e suas prticas.
3-3) a modernizao de hbitos, desfazendo-se algumas tradies seculares.
4-4) um destaque para investidores, como o Baro de Mau, introdutor do telgrafo urbano.

Comentrio:

A questo versa sobre as medidas adotadas no Segundo Reinado, consagrando o carter centralizador do regime poltico. O Rio de Janeiro destacou-se como centro de investimentos financeiros e modernidades econmicas para a poca do sculo XIX.

0-0) Foi o perodo do surto industrial, destacando-se a poca do Baro de Mau; entretanto, os capitais foram oriundos dos lucros do caf, da tarifa Alves Branco e do fim do trfico negreiro.
1-1) Paris era a Meca da moda e da modernidade. As elites no Brasil assimilavam tais conceitos como forma de consolidar um modelo excludente, numa sociedade escravocrata e com grandes contingentes de miserveis.
2-2) No s houve aumento do nmero de bancos, como melhorias dos sistemas de comunicao e de transportes, alm da fundao de vrias companhias de seguros.
3-3) A modernizao econmica assimilada pelo Brasil no Segundo Reinado mudou o cotidiano da sociedade, trazendo hbitos da cultura europia, como tambm seus romancistas mais lidos, alterando a simplicidade local em vigor no sculo XIX.
4-4) Destaque para o empreendedorismo do Baro de Mau, que investiu em vrios setores da economia, chegando a fundar estaleiros e a Companhia de Gs, e construir rodovias e estradas de ferro. O surto industrial do perodo Mau era incompatvel com o modelo econmico escravocrata, base do Segundo Reinado, entrando em atrito com a figura poltica de D. Pedro II. A tarifa Silva Ferraz diminuiu as tarifas alfandegrias, permitindo a entrada de produtos ingleses, que faziam concorrncia com os do Baro de Mau, o que provocou a sua falncia industrial.

Gabarito: FVVVV


 
 7 de Dezembro de 2008

Questo 15 de Histria

Comentrio da questo 15 de Histria

15. Pensar a poltica com suas utopias, nem sempre coincide com fazer a poltica no cotidiano. Na Amrica Latina, a experincia da Revoluo Cubana singular e desafia anlises histricas. Nos ltimos anos, a experincia cubana tem:

0-0) passado por momentos difceis, no encontrando apoio de outros pases da Amrica.
1-1) vivido mudanas na sua gesto, devido a problemas de sade enfrentados por Fidel Castro.
2-2) conseguido superar suas dificuldades financeiras, modernizando, com ajuda externa, sua economia.
3-3) enfrentado as mesmas adversidades dos anos de 1960, totalmente isolada politicamente das outras naes.
4-4) feito mudanas expressivas no seu governo, alterando seus dispositivos constitucionais.

Comentrio:

Em 1959, guerrilheiros cubanos, liderados por Fidel Castro, conseguiram pr fim ditadura de Fulgncio Batista, implantando o primeiro governo socialista na Amrica Latina. Como a atuao do novo regime contrariava os interesses capitalistas norte-americanos, o governo dos Estados Unidos, alm de aes militares, imps um pesado bloqueio econmico a Cuba. Diante dessas presses, Fidel Castro acabou se aproximando da URSS, que, mediante uma poltica de subsdios econmicos, comprava o acar cubano e vendia ao pas petrleo e outros produtos a preos mais baixos do que os praticados no mercado mundial.
Essa situao representou um dos momentos mais tensos do perodo, denominado Guerra Fria. E, medida que a situao econmica da URSS foi ficando mais difcil, a economia cubana passou tambm a enfrentar problemas cada vez maiores.

0-0) Cuba conseguiu aproximao poltica com vrios pases, principalmente na Amrica Latina, atualmente caracterizada por vrios governos de esquerda.

1-1) A partir de julho de 2006, com o afastamento de Fidel Castro da vida pblica, em virtude de um srio problema de sade, foram feitas algumas modificaes superficiais na forma de governo.

2-2) Cuba continua enfrentando srios problemas econmicos, pois conta com a falta de apoio de muitos pases, principalmente dos Estados Unidos, que continuam mantendo o famoso bloqueio econmico.

3-3) Registra-se uma pequena recuperao econmica, depois da grave crise da dcada de 1990. Um dos fatores principais para esse pequeno crescimento o apoio recebido da Venezuela de Hugo Chvez.

4-4) No h mudanas expressivas no governo depois que Ral Castro assumiu o poder devido doena de seu irmo. No entanto, alguns comentaristas polticos falam de certos sinais, buscando alternativas diferentes para a ilha.

Gabarito: FVFFF


 
 7 de Dezembro de 2008

Questo 12 de Histria

Comentrio da questo 12 de Histria

12. O imperialismo europeu expresso do desenvolvimento do capitalismo, de sua busca por mercados e maiores lucros. A presena britnica na ndia uma das faces desse imperialismo. A reao ao imperialismo se fez sob a liderana de Gandhi, que:

0-0) usou da guerrilha urbana para impedir a manuteno do domnio ingls no sculo XX.
1-1) fez a chamada resistncia pacfica, evitando, entre outras coisas, a compra de produtos ingleses.
2-2) transformou a religio numa grande fora patritica e militar, intimidando os invasores imperialistas.
3-3) construiu alianas polticas com comunistas soviticos, para evitar o domnio ingls na sia.
4-4) procurava manter costumes importantes da cultura da ndia e resistia com a recusa ao pagamento de impostos.

Comentrio:

A partir de meados do sculo XIX, na Segunda Revoluo Industrial, as naes industrializadas europias partiram em busca de novos mercados e novas fontes de matria-prima, disputando territrios, principalmente, afro-asiticos. Essa disputa, que prosseguiu at o incio do sculo XX, ficou conhecida como imperialismo ou neocolonialismo, denominao que define o domnio que os pases industrializados exerceram sobre regies que no passavam pelo mesmo processo de transformao econmica e social.
Desde o sculo XVIII, a Inglaterra, por meio da Campanha Inglesa das ndias Orientais, j tinha grande influncia no subcontinente indiano.
A partir de 1920, o Partido do Congresso, representante da elite indiana, liderado por Nehru e Gandhi, comeou a desenvolver um movimento nacionalista pela autonomia do subcontinente indiano. Somente aps dcadas de movimento que a regio consegue sua autonomia, em 1947.

0-0) O indiano Mahatma Gandhi pregava a resistncia pacfica, que inclua a desobedincia civil, caracterizada pelo boicote aos produtos britnicos e pela recusa ao pagamento de impostos.

1-1) Gandhi organizava boicotes e manifestaes de desobedincia civil, que provocavam reaes violentas dos ingleses.

2-2) O subcontinente indiano uma regio extremamente diversificada em termos tnicos, culturais e religiosos. As religies da regio no representaram fora militar ou poltica no processo de independncia.

3-3) Gandhi e Nehru no realizaram alianas polticas ou militares com nenhuma potncia estrangeira para expulsar os ingleses. A luta era interna e baseada na resistncia pacfica.

4-4) Gandhi sempre procurou manter as tradies culturais dos indianos, insistindo em manter costumes conservadores, como total falta de liberdade para as mulheres.

Gabarito: FVFFV


 
 7 de Dezembro de 2008

Questes 6, 7 e 8 de Histria

Comentrios das questes 6, 7 e 8 de Histria

06. A leitura do processo da Revoluo dos Alfaiates nos leva a compreender que essa revoluo:

0-0) adotou a mesma estrutura militar da Inconfidncia Mineira.
1-1) defendeu idias radicais e revolucionrias para a poca.
2-2) no questionou a existncia do regime escravocrata na colnia.
3-3) contou com a participao de membros do clero baiano.
4-4) negou a importncia dos intelectuais para o movimento.

Comentrio:

A questo pede conhecimento do Fera sobre a chamada Inconfidncia Baiana, tambm conhecida como Revoluo dos Alfaiates na capitania da Bahia e na cidade de Salvador. A Revoluo dos Alfaiates buscava a igualdade entre as pessoas e a separao da Colnia em relao a Portugal.
Buscava, como a Inconfidncia Mineira, a liberdade da Colnia, mas, diferente da mineira, queria tambm mudanas sociais como o fim da escravido.

0-0) A Inconfidncia Mineira no passou da elaborao, no chegou a ocorrer de fato, pois os envolvidos, em sua maioria, eram das elites. Diferente da baiana, que teve participao popular.
1-1) Um dos pontos mais fortes foi a idia do fim da escravido e de um governo republicano, buscando inclusive igualdades sociais.
2-2) A Revoluo dos Alfaiates tinha como proposta o fim da escravido, inclusive ex-escravos e escravos participaram do movimento.
3-3) Tanto o clero como a intelectualidade de Salvador pregavam contra o domnio colonial portugus.
4-4) Existiu uma participao dos intelectuais que no aceitavam o domnio colonial e desejavam mudanas. Os intelectuais afastaram-se por causa do radicalismo da prpria Revoluo dos Alfaiates.

Gabarito: FVFVF

07. A produo da Enciclopdia trouxe grande renovao intelectual na Europa do sculo XVIII. De fato, a publicao da Enciclopdia expressou:

0-0) a consolidao das utopias socialistas do sculo XVIII.
1-1) a adoo de idias crticas ao Antigo Regime.
2-2) a importncia de intelectuais, como Rousseau e Voltaire.
3-3) o respeito liberdade poltica pelo Estado francs.
4-4) o fim das idias iluministas e o surgimento do Romantismo.

Comentrio:

A questo versa sobre o movimento intelectual do sculo XVIII, o Iluminismo ─ cujas idias combatiam o Antigo Regime ─, destacando-se os filsofos Montesquieu, Voltaire e Rousseau, que criticavam o absolutismo. Foi o ponto de partida para a produo da Enciclopdia, sintetizando o pensamento do chamado Sculo das Luzes, com a colaborao de DAlembert e Diderot. Contriburam tambm para a elaborao da Enciclopdia grandes pensadores da poca, como Rousseau, Voltaire, Mostesquieu, Turgot e Holbach.

0-0) O Iluminismo jamais foi a consolidao das utopias socialistas do sculo XVIII. O socialismo utpico, na primeira metade do sculo XIX, criticava o capitalismo, a propriedade privada e os efeitos sociais causados pela Revoluo Industrial. Sua origem foi francesa, destacando-se os idelogos Saint-Simom, Charles Fourier e Pierre Proudhon, sendo este o precursor das idias anarquistas.
1-1) As idias do Iluminismo criticavam o Antigo Regime, sendo a justificativa para as revolues burguesas que o derrubaram.
2-2) Destacaram-se entre os iluministas Rousseau e Voltaire. O primeiro foi considerado o precursor da democracia moderna, pois mencionou a soberania popular como forma de legalizar o contrato social entre os cidados e o estado. O segundo, apesar de ter defendido a liberdade de expresso, foi considerado o iluminista mais elitista, no admitindo um governo comandado pelas foras populares.
3-3) A poca do Iluminismo coincide com a crise do Antigo Regime, pois o despotismo do absolutismo no era mais aceito pela sociedade, sobretudo, pela burguesia, que reivindicava o poder poltico.
4-4) O Iluminismo priorizava o racionalismo e o Romantismo ─ movimento surgido no sculo XIX opunha-se s idias iluministas, apesar de no compartilhar de idias conservadoras, pregava o retorno tradio e natureza.

Gabarito: FVVFF

08. A crise do sistema colonial provocou mudanas polticas na dominao da Europa e trouxe mais liberdade para a Amrica. No Brasil, as idias liberais:

0-0) foram incorporadas Constituio de 1824, instituindo equilbrio entre os trs poderes.
1-1) influenciaram movimentos libertrios, sendo aceitas por muitos membros do clero catlico.
2-2) no foram conhecidas no sculo XVIII, mas conseguiram ampla penetrao com a chegada de D. Joo VI.
3-3) transformaram a sociedade brasileira, modernizando radicalmente suas instituies
polticas.
4-4) justificaram a luta contra Portugal, renovando politicamente o pensamento de muitos
intelectuais.

Comentrio:

A crise do Antigo Regime na Europa, no sculo XVIII, era denunciada pelas idias liberais do Iluminismo. Essas idias foram a base ideolgica das revolues burguesas e repercutiram no colonialismo da Amrica, justificando os movimentos polticos contra o despotismo da metrpole portuguesa.

0-0) As idias liberais do Iluminismo no foram incorporadas Constituio de 1824, que foi autorizada e outorgada pelo Imperador D. Pedro I. O Poder Moderador estava acima dos demais poderes polticos, o que legalizava o seu despotismo.
1-1) O iderio liberal conseguiu adeptos e fortaleceu os movimentos contra a dominao portuguesa, inclusive com a adeso do clero catlico. Em Pernambuco, a Revoluo de 1817 foi chamada de Revoluo dos Padres, tal era a participao dos padres oriundos do Seminrio de Olinda.
2-2) As idias liberais do Iluminismo tiveram penetrao, no sculo XVIII, por meio das rebelies contra a dominao portuguesa: a Inconfidncia Mineira e a Conjurao Baiana. A ideologia liberal permaneceu na colnia, no sculo XIX, mesmo com a instalao da corte joanina no Brasil; como exemplo, temos a Revoluo de 1817, ocorrida em Pernambuco.
3-3) As idias liberais do Iluminismo justificaram as rebelies coloniais, mas tal liberalismo no pretendia alterar a estrutura da sociedade, defendendo a intocabilidade do latifndio e da escravido. Reivindicavam apenas o livre comrcio, o fim do pacto colonial.
4-4) Foi importante o debate trazido pelos ideais liberais, renovando o pensamento de muitos polticos da poca, apesar da rgida fiscalizao poltica exercida pela metrpole. Os debates justificaram a luta contra Portugal, renovando o pensamento de muitos intelectuais da poca.

Gabarito: FVFFV


 
 7 de Dezembro de 2008

Questo 09 de Histria

Comentrio da questo 09 de Histria

09. Muitas mudanas acontecidas no sculo XIX criaram expectativas de reformas sociais no capitalismo. Em 1871, a Comuna de Paris abalou politicamente a Frana. A reao do governo da poca foi de:

0-0) aceitar as reivindicaes dos rebeldes, com receio de maior radicalizao.
1-1) convocar, com urgncia, eleies para eleger um novo presidente da Repblica.
2-2) organizar uma represso violenta, com a morte de vrias pessoas.
3-3) revogar as leis conservadoras, criando condies para a renovao poltica.
4-4) garantir a manuteno da fora poltica da burguesia, o que desfavorecia a existncia de mudanas.

Comentrio:

A Comuna de Paris, em 1871, foi um governo constitudo por socialistas, com a participao de anarquistas, estabelecido nessa cidade. Os comunardos tomaram como refns o arcebispo da cidade e o presidente de um tribunal, alm de mais de 600 sacerdotes e policiais. Chamaram luta todos os cidados entre 19 e 40 anos.
O presidente da recm-proclamada Terceira Repblica na Frana, Adolph Thiers, no conseguiu aplacar os conflitos sociais e equilibrar o pas. A Comuna de Paris representou um governo autnomo e popular, contrrio s medidas burguesas da Nova Repblica.
O movimento foi violentamente abafado pelas foras contra-revolucionrias do governo, durante a chamada Semana Sangrenta, quando morreram milhares de pessoas.

0-0) A reao do governo republicano conservador foi extremamente violenta, chegando a assassinar milhares de pessoas, alm de aprisionar 35 mil.

1-1) A Segunda Repblica burguesa, proclamada em 1870, aps a derrota da Frana na Guerra Franco-Prussiana, estendera-se at a Segunda Guerra Mundial, quando a Frana foi invadida pelos exrcitos nazistas, em 1940.

2-2) O movimento foi violentamente abafado pelas foras contra-revolucionrias de Thiers, destruindo os comunardos, que conseguiram manter a resistncia por apenas 72 dias.

3-3) As medidas do governo provisrio republicano foram conservadoras, destacando-se o sufrgio universal masculino, que demonstra seu carter elitista.

4-4) O governo reacionrio tomou medidas como o fechamento das oficinas nacionais, pois os burgueses pensavam ser uma concesso ao socialismo.

Gabarito: FFVFV


 
 7 de Dezembro de 2008

Questo 13 de Histria

Comentrio da questo 13 de Histria

13. Com o fim das grandes guerras mundiais, as relaes entre naes sofreram transformaes. No Brasil, com a deposio de Getlio Vargas, Eurico Gaspar Dutra eleito para o cargo de Presidente. O governo Dutra:

0-0) recuperou a economia, fazendo alianas com os Estados Unidos e implementando a explorao do petrleo.
1-1) criou uma poltica salarial de cunho populista, seguindo as mesmas estratgias de Vargas e evitando o arrocho salarial.
2-2) favoreceu o crescimento da burguesia industrial, como tambm fez intervenes no comrcio internacional.
3-3) possibilitou o descontrole na balana comercial, com prejuzos econmicos importantes para o Brasil.
4-4) limitou a atuao poltica dos sindicatos, mantendo-se um arrocho salarial que trouxe perdas para os trabalhadores.

Comentrio:

A questo faz uma referncia deposio de Getlio Vargas e ao Governo de Eurico Gaspar Dutra.

0-0) A criao da Petrobras foi obra do Governo Vargas. O Governo Dutra realmente manteve uma aproximao com os Estados Unidos.

1-1) O Governo de Eurico Gaspar Dutra no deu continuidade poltica salarial desenvolvida durante o Governo de Getlio Vargas.

2-2) O Governo Dutra, por meio de uma poltica cambial, facilitou o crescimento da burguesia.

3-3) Com a importao de produtos suprfluos, houve um desequilbrio da balana comercial, trazendo perdas de divisas ganhas no comrcio, no tempo da guerra.

4-4) O presidente Dutra rompeu as relaes diplomticas com a URSS; com relao ao trabalhador, promoveu um arrocho salarial que trouxe perdas para a classe trabalhadora.

Gabarito: FFVVV


 
 7 de Dezembro de 2008

Questo 05 de Histria

Comentrio da questo 05 de Histria

05. Conquistar as terras brasileiras exigia de Portugal a superao de muitas dificuldades. Uma delas est vinculada administrao dos conflitos da colnia. A Guerra dos Emboabas, ocorrida durante o perodo da minerao, no sculo XVIII, evidencia essas
adversidades, pois:

0-0) resultou numa luta entre nativos de So Paulo e de Pernambuco.
1-1) registrou a violncia, entre portugueses, pela disputa acirrada das riquezas.
2-2) estava relacionada com a busca de sucesso na minerao, o que afetava o setor administrativo.
3-3) aconteceu por falta de interesse de Portugal para se impor politicamente na regio.
4-4) provocou mudanas na diviso da colnia e a busca de caminhos alternativos para se achar o ouro.

Comentrio:

A questo solicitou do Fera conhecimentos sobre as tenses que existiam entre Portugal e sua colnia. Os questionamentos so direcionados para a Guerra dos Emboabas, conflito ocorrido no sculo XVIII, na regio das minas, domnio da coroa portuguesa.

0-0) A luta foi travada entre os emboabas ─ estrangeiros, boa parte proveniente de Portugal ─ contra os bandeirantes ─ paulistas ─ que encontraram ouro na regio Sudeste, especialmente no atual estado de Minas Gerais.
1-1) O item fala da luta entre os portugueses. Na verdade, a luta foi entre os nativos (bandeirantes) e os estrangeiros (emboabas) pelo ouro da regio. O item deve ser contestado.
2-2) O conflito terminou levando separao da regio em duas capitanias, So Paulo e Minas Gerais. Em Minas Gerais, foram proibidas manufaturas pelo alvar de Dona Maria, a louca.
3-3) Portugal tinha um forte controle da regio das minas e estava atento ao contrabando e s disputas armadas que ocorriam nessa regio.
4-4) As capitanias de So Paulo e Minas Gerais foram separadas e parte dos paulistas se retiraram para outras regies, criando um caminho diferente para se encontrar o ouro.

Gabarito: FVVFV


 
 7 de Dezembro de 2008

Questo 11 de Histria

Comentrio da questo 11 de Histria

11. No Brasil, o declnio do escravismo foi lento e exigiu que leis fossem elaboradas na segunda metade do sculo XIX, visando evitar maior rapidez na construo da Abolio. Uma delas, a Lei do Ventre Livre, de 28/9/1871:

0-0) restringia-se aos escravos nascidos no Sudeste, a partir de 1850.
1-1) transformava o poder de mando do senhor, evitando a prtica da violncia.
2-2) obrigava os proprietrios a criar os escravos libertos at os 8 anos de idade.
3-3) negava a liberdade para os escravos nascidos nas cidades, restringindo sua eficcia.
4-4) mostrava a lentido dos polticos na resoluo dos problemas do escravismo.

Comentrio:

0-0) A lei vigorava em todo territrio nacional.
1-1) A lei omitia os castigos fsicos.
2-2) A lei dizia:
Art. 1
Os filhos da mulher escrava que nascerem no Imprio desde a data desta lei sero considerados de condio livre.
1 Os ditos filhos menores ficaro em poder e sob a autoridade dos senhores de suas mes, os quais tero obrigao de cri-los e trat-los at a idade de oito anos completos. Chegando o filho da escrava a esta idade, o senhor da me ter a opo, ou de receber do Estado a indenizao de 600$000, ou de utilizar-se dos servios do menor at a idade de 21 anos completos. No primeiro caso o governo receber o menor, e lhe dar destino, em conformidade da presente lei. A indenizao pecuniria acima fixada ser paga em ttulos de renda com o juro anual de 6%, os quais se consideraro extintos no fim de trinta anos. A declarao do senhor dever ser feita dentro de trinta dias, a contar daquele em que o menor chegar idade de oito anos e, se a no fizer ento, ficar entendido que opta pelo arbtrio de utilizar-se dos servios do mesmo menor.
3-3) A lei no distinguia escravos urbanos de escravos rurais.
4-4) Embora tenha sido objeto de grandes controvrsias no Parlamento, a lei representou, na prtica, um passo tmido na direo do fim da escravatura.

Gabarito: FFVFV


 
 7 de Dezembro de 2008

Prova de Redao COVEST 2009

Comentrio da Prova de Redao

Tema: Trabalho e lazer: direitos do ser humano. Como propiciar a todos essas duas condies de sobrevivncia e qualidade de vida?

PROPOSTA 1
Elabore um comentrio opinativo que reflita seu ponto de vista acerca da questo levantada acima. Apresente argumentos que possam fortalecer a tese que voc defende. D um ttulo a seu texto.

PROPOSTA 2
Supondo que a questo feita acima foi tema abordado pelo editorial de uma revista de grande circulao, redija uma carta ao Editor-Chefe dessa revista, na qual voc expresse sua opinio acerca do tema tratado.


Comentrio:

Nossas sugestes podem sedimentar no s o planejamento do comentrio opinativo, como tambm o da carta argumentativa. Uma vez que se trata de gneros textuais distintos, evidente que a superestrutura de cada um apresenta traos caractersticos especficos em virtude de sua funcionalidade. Aproveitamos para parabenizar a Banca pela prova de redao, que envolveu uma temtica de cunho transversal, como a dos Direitos Humanos, e proporcionou ao Fera a oportunidade de digressionar por mais de um gnero textual.


Professores: Carla Carmelita, Carol Arajo e Mrio Srgio

As propostas do tema j trazem o pressuposto de que o trabalho e o lazer so direitos inalienveis do ser humano. O aluno deveria defender seu ponto de vista, respondendo tambm como propiciar essas duas condies de sobrevivncia e qualidade de vida.
Sabemos que, no atual mundo globalizado, torna-se difcil alcanar qualidade de vida, pois, para suprirem-se as necessidades bsicas, garantirem-se os bens de consumo e o acesso ao lazer, os indivduos tm trabalhado de forma exaustiva. As jornadas de trabalho so maiores, as empresas passam a exigir maior qualificao dos funcionrios e estes, como se sentem obrigados a equilibrar todas essas vertentes, diminuem o seu tempo de lazer.
Nessa perspectiva, vive-se uma cultura voltada para a supervalorizao do trabalho. Esse fenmeno se observa, desde cedo, no processo de sociabilizao dos indivduos, uma vez que a famlia, a escolarizao e o ensino universitrio os orientam para a importncia de eles se manterem aptos para o mercado. Inseridos nessa atmosfera, praticamente, impositiva, os grupos sociais terminam por viver em torno da busca frentica para manterem-se ativos num mercado de trabalho mutante, que, constantemente, propicia revolues tecnolgicas. Em decorrncia disso, a qualidade de vida fica relegada a segundo plano, e a maioria dos trabalhadores no insere em seu projeto de vida momentos de lazer.
Essa ausncia tem reflexos negativos em diversas esferas da sociedade. No plano micro, o homem torna-se alienado dentro das transformaes sociais, subproduto da inrcia do capital em movimento, tendo como resultante sua personalidade suprimida. Em razo disso, no h como seguir a mxima: conhece-te a ti mesmo. No plano mdio, percebe-se um grau de desequilbrio no esteio da sociedade: a famlia. Esta sofre diretamente as conseqncias da exacerbao do trabalho, visto que a interao entre seus membros fica comprometida. O estresse passa a ser uma constante num ambiente familiar, no qual no h espao reservado para o lazer. No plano macro, em nome do enaltecimento do trabalho, h estagnao social, porque, nessa atmosfera, no se estabelece o relacional, e o congraamento entre os homens rechaado.
Em virtude de todo um quadrante adverso envolvendo a desarmonia entre os direitos inalienveis: o trabalho e o lazer imprescindvel a adoo de medidas que viabilizem melhores condies trabalhistas as quais assegurem melhor qualidade de vida a todos. Bertrand Russel, por exemplo, j endossava essa premissa ao afirmar que as jornadas de trabalho deveriam ter durao de quatro horas. Levando em considerao essa filosofia, haveria um maior contingente de pessoas empregadas para ocupar os excedentes de carga horria e, conseqentemente, elas disponibilizariam de mais tempo para o lazer.

Observao: o comentrio opinativo poderia ser realizado em 1 pessoa do singular ou do plural.


 
 7 de Dezembro de 2008

Prova de Qumica da 2 Fase COVEST 2009

Resoluo da Prova de Qumica.

Questo 01
Quando o equilbrio qumico alcanado por um sistema:
0-0) as concentraes de todas as espcies reagentes e produtos tornam-se iguais.
1-1) os produtos reagem com a mesma velocidade na qual so formados.
2-2) ambas, as reaes direta e inversa, continuam aps o equilbrio ser atingido, com a mesma velocidade.
3-3) as concentraes das espcies nos reagentes e produtos permanecem constantes.
4-4) todas as espcies qumicas param de reagir.

Resposta: F V V V F
0 0 ) No equilbrio qumico, as concentraes de reagentes e produtos so constantes.
1 1 ) No equilbrio qumico, as velocidades das reaes direta e inversa so iguais.
2 2 ) O equilbrio qumico dinmico.
3 3 ) As concentraes permanecem constantes como conseqncia da igualdade das velocidades direta e inversa.
4 4 ) As reaes direta e inversa continuam aps o equilbrio ser atingido.


Questo 02
Na Qumica, os conceitos de cido e base so estudados atravs das teorias de Arrhenius, Brnsted-Lowry, Lewis, etc. O conceito de pares conjugados cido-base uma decorrncia especfica da teoria de Brnsted-Lowry e, sobre tais pares, podemos afirmar que:
0-0) cada par formado pelo cido e a base, constituintes dos reagentes, ou pelo cido e a base, constituintes dos produtos.
1-1) o cido H2O sua prpria base conjugada.
2-2) o cido e sua base conjugada diferem por um prton.
3-3) a base conjugada de um cido fraco uma base forte.
4-4) um cido e sua base conjugada reagem para formar sal e gua.

Resposta: F F V V F


Questo 03


Resposta: V V F V F



Questo 04
Gases, lquidos e slidos exemplificam estados fsicos da matria e o conhecimento adequado das propriedades destes estados, permite afirmar que:
0-0) um gs tende a ocupar o volume total do recipiente que o contm.
1-1) a solubilidade de um gs em um lquido depende da presso parcial exercida por esse gs sobre o lquido.
2-2) bolhas de gs tendem a elevar-se no interior de um lquido e crescem medida que se deslocam para alcanar a superfcie.
3-3) substncias no estado slido sempre tm densidade maior do que no estado lquido.
4-4) em um sistema constitudo por dois gases, o gs com maior massa molar exerce a maior presso parcial.

Resposta: V V V F F


Questo 05
No decorrer do tempo, diferentes modelos foram propostos e aplicados ao estudo da estrutura do tomo. Interpretaes consistentes com as idias bsicas desses modelos, permitem afirmar que:
0-0) a experincia de Rutherford sugere que prtons e eltrons esto distribudos uniformemente no interior do tomo.
1-1) o modelo proposto por Bohr introduziu o conceito de orbital atmico.
2-2) energia liberada quando um eltron migra do estado fundamental para um estado excitado.
3-3) o modelo mecnico-quntico do tomo define rbitas circulares, nas quais o eltron se movimenta ao redor do ncleo.
4-4) um dos sucessos do modelo de Bohr para o tomo foi a explicao das raias no espectro atmico do hidrognio.

Resposta: F F F F V
0-0) A experincia de Rutherford levou concepo do ncleo atmico, contendo toda a carga positiva e praticamente toda a massa do tomo.
1-1) O conceito de orbital surgiu com a mecnica quntica.
2-2) Quando um eltron migra do estado fundamental para um estado excitado, h absoro de energia.
3-3) O modelo mecnico-quntico define a probabilidade de o eltron estar a uma certa distncia do ncleo atmico numa dada direo.
4-4) O objetivo de Bohr foi propor um modelo terico que explicasse o espectro atmico do hidrognio.


Questo 06


Resposta: V V F F F


Questo 07


Resposta: V F V V F



Questo 08
Os combustveis comercializados em postos esto constantemente sendo analisados devido alta incidncia de adulteraes. Gasolina e lcool devem atender a normas especficas. O teor de gua no lcool um dos principais problemas. Na gasolina, so adicionados solventes que alteram as caractersticas do produto. Analise as proposies abaixo considerando aspectos relacionados ao lcool e gasolina.
0-0) gua e lcool formam uma mistura homognea, tornando difcil uma avaliao visual da qualidade do produto.
1-1) gua e gasolina formam uma mistura heterognea, o que facilitaria a identificao da fraude.
2-2) Uma mistura 1:1 de lcool e gua deve ter a mesma densidade do lcool puro e, portanto, no pode ser identificada como produto adulterado com base na medida de densidade.
3-3) A destilao de gasolina adulterada com solventes pode ser uma alternativa para identificar gasolina adulterada.
4-4) A gua pode realizar ligaes de hidrognio com o lcool, o que facilita a dissoluo dela no combustvel.

Resposta: V V F V V



Questo 09


Resposta: F V V V V


Questo 10
As reaes qumicas nem sempre atingem o equilbrio. A velocidade com que elas ocorrem varia muito de sistema para sistema, sofrendo influncia de catalisadores e da temperatura. De um modo geral:
0-0) um catalisador permite que uma reao ocorra por um caminho de menor energia de ativao.
1-1) no incio, a velocidade de uma reao mais elevada porque as concentraes dos reagentes so maiores.
2-2) o aumento da concentrao de um reagente aumenta a velocidade de uma reao porque aumenta a constante de velocidade da reao direta.
3-3) a constante de equilbrio de uma reao elementar igual constante de velocidade da reao direta dividida pela constante de velocidade da reao inversa.
4-4) se uma reao apresenta grande energia de ativao, dever tambm apresentar constante de velocidade de valor elevado.

Resposta: V V F V F


Questo 11

0-0) O nome de um dos reagentes clorobenzeno.
1-1) Quando a reao atingir o equilbrio, as concentraes dos reagentes sero iguais a zero.
2-2) O cido sulfrico age como um catalisador.
3-3) O nome do DDT segundo a IUPAC : 1,1,1-tricloro-2,2-bis(p-clorofenil)etano.
4-4) Esta reao classificada como: substituio nucleoflica aromtica.

Resposta: V F V V F
0-0) Clorobenzeno ou cloreto de fenila.
1-1) No equilbrio qumico, sempre existe uma mistura dos reagentes e produtos, cuja composio depende do valor numrico da constante de equilbrio.
2-2) O cido sulfrico acelera a reao e no consumido.
3-3) O nome est de acordo com a IUPAC.
4-4) uma reao de condensao.


Questo 12


Resposta: F V F F V


Questo 13


Resposta: F V V F F


Questo 14
Os alcenos podem reagir com vrias substncias como mostrado abaixo originando produtos exemplificados como B, C e D . Sobre os alcenos e os produtos exemplificados, podemos afiemar que:


Resposta: F F V V V


Questo 15


Resposta: 10



Questo 16


Resposta: 4


 
 7 de Dezembro de 2008

Questes 1, 2, 3 e 4 de Histria

Comentrios das questes 1, 2, 3 e 4 de Histria

01. As concepes de Histria influenciam a formao de pesquisadores e suas metodologias. Com o surgimento da Escola dos Annales, novas perspectivas tericas se estabeleceram. Entre as inovaes trazidas por essa Escola, destacam-se:

0-0) a consolidao de uma metodologia baseada em fontes oficiais e escritas, voltadas para a poltica e a economia.
1-1) a valorizao da comunicao com outros saberes, trazendo novas discusses para as questes de pesquisa.
2-2) a prevalncia de uma concepo subjetiva do conhecimento, sem lugar para o estudo do social e do econmico.
3-3) a aceitao da multiplicidade de fontes, aumentando o campo de pesquisa dos historiadores e suas problematizaes.
4-4) a volta dos princpios da Escola Metdica, to comuns no incio do sculo XIX, com sua defesa da objetividade.

Comentrio:

A chamada Escola dos Annales constitui-se num movimento historiogrfico. Recebe essa designao por ter surgido a partir da publicao do peridico acadmico francs Revue des Annales, tendo destacado-se por incorporar mtodos das Cincias Sociais Histria. Em geral, divide-se a trajetria da escola em quatro fases: primeira gerao liderada por Marc Bloch e Lucien Febvre; segunda gerao dirigida por Fernand Braudel; terceira gerao vrios pesquisadores tornaram-se diretores; e quarta gerao a partir de 1989. Os fundadores do peridico (em 1929) e do movimento foram os historiadores Marc Bloch e Lucien Febvre, ento docentes na Universidade de Estrasburgo. Rapidamente, foram associados com a abordagem inovadora dos "Annales", que combinava a Geografia, a Histria e as abordagens sociolgicas da Anee Sociologique (muitos dos colaboradores eram conhecidos em Estrasburgo) para produzir uma anlise que rejeitava a nfase predominante em poltica, diplomacia e guerras de muitos historiadores do sculo XIX. Ao invs disso, foram pioneiros na abordagem de um estudo de estruturas histricas de longa durao nos eventos ("la longue dure"). Geografia, cultura material e o que, posteriormente, os Annalistas chamaram de mentalidades ou a psicologia da poca eram reas caractersticas de estudo. Um eminente membro dessa escola, Georges Duby, escreveu no prefcio de seu livro, "O domingo de Bouvines", que a histria ensinada por ele, "rejeitada na fronteira do sensacionalismo, era relutante simples enumerao dos eventos, esforando-se, ao contrrio, por expr e resolver problemas e, negligenciando as trepidaes da superfcie, procurou observar ao longo e mdio prazos a evoluo da economia, sociedade e civilizao." Bloch foi morto pela Gestapo, durante a ocupao alem na Frana, na Segunda Guerra Mundial, e Febvre seguiu com a abordagem dos "Annales" nas dcadas de 1940 e 1950. Nesse perodo, orientou Fernand Braudel, que se tornou um dos mais conhecidos expoentes dessa escola. A obra de Braudel definiu uma "segunda" gerao na historiografia dos "Annales" e foi muito influente durante as dcadas de 1960 e 1970, especialmente por seus estudos no Mediterrneo durante a era de Filipe II da Espanha. Enquanto autores como Emmanuel Le Roy Ladurie e Jacques Le Goff continuam a carregar a bandeira dos "Annales", hoje a sua abordagem tornou-se menos distintiva enquanto mais e mais historiadores trabalham a histria cultural e a histria econmica. A terceira gerao de Annales conduzida por Michel Foucault e Jacques Le Goff; mais conhecida como a "Nova Histria", na qual toda a atividade humana considerada histria.

Gabarito: FVFVF

02. Na Grcia, durante a chamada Antiguidade Clssica, houve a formao de culturas diferentes que defendiam sociedades com prticas polticas, muitas vezes, em confronto. A cidade de Esparta, uma das mais importantes, tinha:

0-0) uma legislao social flexvel, preocupada com a tica e a justia social.
1-1) uma estrutura social hierarquizada onde dominavam prticas militaristas.
2-2) uma sociedade sem escravos, apesar da presena de rigidez social.
3-3) uma aliana poltica com Atenas, em defesa da monarquia eletiva.
4-4) um conselho de ancios, defensores da democracia entre os periecos.

Comentrio:

A questo solicita do aluno o conhecimento da sociedade espartana, bem como a sua diferenciao da sociedade ateniense no que diz respeito poltica e estrutura social.
0-0) A legislao era baseada no Cdigo de Licurgo, existia um controle muito forte exercido pelos espartanos. Vale salientar que o uso do Cdigo de Licurgo cabia apenas aos cidados.

1-1) A sociedade era militarista e a estrutura facilitava o domnio espartano sobre periecos e hilotas. Apenas o espartano era considerado cidado.

2-2) Os hilotas eram escravos de guerra e tornavam-se subordinados ao Estado espartano.

3-3) Atenas e Esparta tinham concepes polticas distintas, apesar da luta contra os persas durante as Guerras Mdicas, em que existiria uma unio entre as cidades. Essas tambm no tiveram monarquias eletivas.

4-4) Os conselheiros ou ancies existiam para fiscalizar os reis. Eles eram espartanos com mais de 60 anos, vindos da aristocracia de Esparta.

Gabarito: FVFFF

03. As constantes guerras no impediram feitos culturais importantes na construo histrica de Roma. No podemos negar seu significado para a produo literria ocidental. O poema de Virglio, Eneida:

0-0) exaltou as guerras existentes no mundo antigo, ocidental e oriental, com destaque para a bravura militar de Jlio Csar.
1-1) criticou o despotismo dos imperadores romanos, defendendo as instituies democrticas e populares.
2-2) consagrou os atos hericos dos romanos, lembrando os poemas homricos de grande importncia histrica.
3-3) descreveu os amores do autor e sua admirao por uma sociedade livre da opresso das monarquias vitalcias.
4-4) enalteceu a histria de Roma e da Grcia, desde os tempos primordiais, com suas fortes instituies republicanas.

Comentrio:

Virglio considerado o maior poeta latino. Era natural da regio de Mntua (70-19 a.C.) e filho de uma famlia de camponeses. Alcanou por meio do casamento uma situao estvel, podendo ento ouvir, em Milo e Roma, as lies de filsofos epicuristas. Amigo de Horcio, que, assim como esse, era protegido por Mecenas. Entrou em contato com o imperador, de quem recebeu o incentivo para escrever a Eneida. Admirador da cultura helnica, o poeta empreendeu uma viagem Grcia, bero e viveiro da cultura, sonho que h muito acalentava: o destino concedeu-lhe a realizao desse anseio, mas morreu no regresso, junto de Brindisi. O seu tmulo encontra-se em Npoles. A obra de Virglio compreende, alm de poemas menores, compostos na juventude, as Buclicas ou clogas, em nmero de dez, em que reflete a influncia do gnero pastoril criado por Tecrito. As Gergicas, dedicadas ao seu protetor Mecenas, constam de quatro livros, tratando da agricultura. Trata-se de uma obra de implicaes polticas indiretas, embora bem definidas: ao fazer a apologia vida do campo, o poeta serve ao ideal poltico-social da dignificao da classe rural. Reflete a influncia de Hesodo e Lucrcio. Literariamente, as Gergicas so consideradas a sua obra mais perfeita. A Eneida, que o poeta considerou inacabada, a ponto de pedir, no leito de morte, que fosse queimada, constitui a epopia nacional. A obra refere-se lenda do guerreiro Enias, que, aps a clebre guerra, teria fugido de Tria , saqueada e incendiada, e chegado Itlia, onde se tornou o antepassado do povo romano. Epopia erudita, a Eneida tem como objetivo dar aos romanos uma ascendncia no-grega, formulando a cultura latina como original, e no tributria da cultura helnica.

Gabarito: FFVFF

04. A renovao do conhecimento que construmos sobre o mundo e a vida muito depende de nossa capacidade de interpretar. O Renascimento foi significativo para mudanas nas formas de sentir e pensar a sociedade em que vivemos e o mundo que nos acolhe. Um dos seus pensadores mais famosos, Coprnico, ganhou destaque ao:

0-0) duvidar do sistema de interpretao religiosa do mundo, sendo punido pelos padres da Igreja Catlica.
1-1) conceber uma forma diferente de funcionamento do sistema solar, contrariando as idias de Ptolomeu.
2-2) consolidar as vises aristotlicas do universo, das quais foi um atualizador destacado.
3-3) trazer novos princpios para o campo da biologia, negando a existncia da alma e do paraso de Ado e Eva.
4-4) adotar teorias vindas das teses idealistas de santo Agostinho, reiterando a consagrao do pecado original.

Comentrio:

Coprnico, morto em 1543, foi um dos grandes revolucionrios da histria da cincia. A teoria heliocntrica, defendida por ele, influenciou uma mudana radical e completa, no s na concepo do cosmo que se tinha at ento, como na prpria maneira de ver o homem. Durante longos 36 anos, o cnego Nicolau Coprnico manteve-se irredutvel. No queria de modo algum publicar seu tratado sobre uma nova teoria csmica. Se bem que algo j vazara, chegando at aos ouvidos de um Lutero indignado, o nmero dos que tomaram conhecimento do real significado das suas teses reduzia-se a uma dzia. O cientista, ao dedicar-se minuciosamente ao Almagesto do astrnomo Ptolomeu, e a outros especuladores celestiais, gregos e rabes, conclura que no era a Terra o centro do universo. Era o Sol. Preso sua torre de observao em Frauenburg, hoje Turon, um lugarejo s margens do Bltico, na antiga Prssia Oriental, com um triquetrum e um baculus, instrumentos primitivos que mandara fazer, todos sem lentes, aquele sacerdote ─ tmido, cinzento, de vida inspida, solitria e avarenta, convertido em filsofo do cu ─ fez desmoronar uma arquitetura astronmica que perdurava h uns 17 sculos. Apesar de afrontar, como disse Barbara Bienkowska, a Bblia, o aristotelismo e o senso comum, no foi a vara do bispo ou a do inquisidor que Coprnico temia. A relutncia dele em divulgar os seus achados por escrito devia-se a outras causas. Ele receava os militantes da ignorncia, sempre prontos a incinerar cientistas ou vegetais. Inspirando-se nos rituais de segredo de Pitgoras e seus seguidores, aferrou-se a idia de que a cincia s devia circular entre os iniciados e os amigos. Ela, a cincia, era a gua pura que, se derramada no cho onde imperavam os brutos, virava lama.

Gabarito: FVFFF


 
 7 de Dezembro de 2008

Questes discursivas de Lngua Portuguesa

UFPE 2009 / 2 fase

Questo 01
O resultado de pesquisas econmicas mostrou que o nvel educacional da populao influencia o desenvolvimento do pas. Deve haver, portanto, boas polticas de ensino.
Explique por que, no enunciado acima, os verbos sublinhados, de acordo com as normas da concordncia, no poderiam ser flexionados no plural.

Resposta
O ncleo do sujeito da forma verbal MOSTROU resultado. Por isso, o verbo deve concordar com esse termo, ficando na 3 pessoa do singular. O segundo perodo formado por uma orao sem sujeito, pois o verbo HAVER com o sentido de existir impessoal (no flexiona) e transfere a impessoalidade para o verbo auxiliar. Por essa razo, a forma verbal DEVE no foi flexionada.



Questo 02
Analise os dois quadrinhos da tira abaixo:

Explique, em um texto de aproximadamente cinco linhas, por que a mesma pessoa, nas duas situaes de comunicao, usou formas de discurso diferentes.

Resposta
Para que sejamos compreendidos, precisamos, a todo momento, adequar a nossa linguagem, pois sempre interagimos com pessoas diferentes em situaes distintas. A personagem da tira fez isso perfeitamente, adequando a sua linguagem ao interlocutor. Isto o que se espera de um falante competente da lngua: que ele conhea o maior nmero de variantes, inclusive a formal, para que possa us-las em qualquer situao de comunicao.


 
 7 de Dezembro de 2008

Comentrio de Lngua Portuguesa

Questes discursivas / UFPE 2 fase

A prova de Lngua Portuguesa, nas questes discursivas, fez uma abordagem interessante, porque explorou a identificao de aspectos lingsticos e a funcionalidade da lngua. Na primeira questo, o aluno tinha que justificar o emprego de duas formas verbais, a partir do conhecimento das regras de concordncia verbal. Na segunda questo, o vestibulando deveria considerar o uso da lngua, levando em considerao a afirmativa do reconhecido lingista Evanildo Bechara. Este diz que todo falante de uma lngua usa variaes dela, ou seja, torna-se um poliglota na sua prpria lngua e ainda sabe adaptar seu discurso de acordo com as circunstncias. Isso explica a competncia da personagem da tira, em anlise, em saber utilizar os discursos formal e informal.


 
 7 de Dezembro de 2008

Provas da 2 Fase da COVEST 2009

Provas do 1 dia.

Clique aqui e baixe a prova de histria da 2 Fase da COVEST 2009.

Clique aqui e baixe a prova de qumica da 2 Fase da COVEST 2009.


 
Desenvolvido pela Cappen